“As mantas gigantes valem muito mais vivas do que mortas”

Antes do confinamento, podíamos facilmente encontrar Kerstin Forsberg numa comunidade de pescadores algures no Peru, ou então no Fórum Económico e Social em Davos, na Suíça, tentando conquistar os principais líderes mundiais para a causa da conservação. “É uma loucura estar em Davos num dia e, no seguinte, numa pequena comunidade pesqueira. Mas é uma oportunidade e encaro-a com enorme entusiasmo”, conta-nos. “A comunidade presente em Davos é muito privilegiada. Um grupo reduzido à escala mundial, por isso sinto que tenho obrigação de levar até lá a voz das outras pessoas”, afirma, consciente, no entanto, de que “chegar ao coração destes líderes políticos demora sempre algum tempo”. Não que esteja a pensar em desistir…

Kerstin Forsberg fundou a Planeta Océano, uma ONG dedicada “à investigação científica, à educação ambiental e ao desenvolvimento sustentável, trabalhando em conjunto com as comunidades locais”, quando apenas tinha 22 anos. Recém-licenciada em Biologia, tinha feito voluntariado no Brasil numa organização que protegia tartarugas marinhas e, ao regressar ao seu país, decidiu replicar a ideia. Nada em que não tivesse experiência: “Tinha 8 anos quando fundei a minha primeira ONG, um clube para proteger os animais de um pequeno zoo da escola”, diz, divertida.

Quinze anos depois da fundação, a Planeta Océano promove diversas iniciativas junto de escolas e universidades, sensibilizando a população, e defende uma abordagem baseada no mercado através, por exemplo, do ecoturismo. Assim tem conseguido proteger tartarugas, tubarões-martelo e peixes-serra, que se julgava estarem extintos no Peru. Mas as mantas gigantes são, sem dúvida, a sua grande bandeira.
Capaz de saltar sobre as águas ou de flutuar suavemente pelos oceanos (ainda que pese o mesmo que um hipopótamo!), a manta gigante “é um animal mágico e gracioso, e também o mais inteligente de toda a família de raias e tubarões”. Infelizmente, está em perigo de extinção por causa da sobrepesca e de taxas de reprodução baixíssimas: uma cria a cada sete anos.

Kerstin Fosberg a preparar-se para um mergulho com as mantas

Em 2015, a ação da Planeta Océano levou o governo peruano a incluir as mantas gigantes na lista de espécies protegidas, e convenceu a comunidade piscatória de que “as mantas valem muito mais vivas do que mortas” para os turistas. Foi o suficiente para, no ano seguinte, ser galardoada com um Rolex Award, prémio que, confessa, lhe mudou a vida: “De um momento para o outro, deixámos de ser um pequeno projeto comunitário e passámos a ser um modelo à escala global para outras ONG. Surgiram várias novas oportunidades, como o convite para participar no Fórum Económico Mundial, ou para dar uma entrevista a uma revista portuguesa, como a VISÃO.”

O prémio juntou-a também a outra galardoada, Barbara Block, investigadora da Universidade de Stanford, que desenvolveu uma nova tecnologia de sensores eletrónicos capazes de acompanhar os grandes animais marinhos de forma mais eficiente. Juntas, passaram os últimos meses a estudar os padrões de comportamento das mantas gigantes no Norte do Peru. O resultado foi publicado no fim de fevereiro pela British Ecological Society e lança novas luzes sobre os hábitos destas populações, como o facto de passarem a maior parte do seu tempo à superfície, a profundidades inferiores a dois metros, mergulhando durante a noite até aos 50 metros, em busca de zooplâncton.

Numa ação de rua com crianças, sensibilizando as populações.

No entanto, a pandemia alterou radicalmente o dia a dia de Kerstin, que agora trabalha a partir de casa, “lutando para conciliar o trabalho com a maternidade”, como tantos. “A minha filha entrou no ano passado para a escola e, como só tinha uma hora de aulas online por dia, tive de a ensinar a ler e a escrever”. Ainda assim teve tempo para ajudar a UNESCO a criar um projeto de literacia para os oceanos, que será desenvolvido durante a Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021-30) que agora começa e, em janeiro, ainda regressou a Davos, mas via Zoom.

“No Fórum faço parte do grupo Friends of Ocean Action (a par de nomes como Sylvia Earle e Richard Branson) e do Global Future Council on Systemic Inequalities and Social Cohesion, e posso dizer que o trabalho nestes espaços é realmente produtivo. Daí a acontecerem mudanças sistémicas vai um grande passo, mas temos de continuar a pressionar e a ser perseverantes na mensagem.”

Para saber mais

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Tenha acesso ilimitado a toda a biblioteca digital enquanto espera pela próxima edição

Comece a ler já hoje!

Leia já!

Mais na Visão

Sociedade

Férias num hotel? Siga estas recomendações e estará mais seguro

Quarto, restaurante e piscina: os cuidados a ter e as regras a seguir para um verão mais descansado, longe da pandemia

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Poderá um comprimido impedir a Covid-19? Há várias empresas na corrida para criar uma vacina oral

A proposta de que mais se fala é de um médico, empresário e multimilionário americano, cujo laboratório está em ensaios clínicos de uma vacina ministrada por via oral. Mas há mais na corrida

Política

Operação Marquês: PR diz que "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial"

Marcelo escusou-se a fazer qualquer comentário à decisão instrutória do processo relativo à Operação Marquês, considerando "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial"

Sociedade

O mais antigo mapa 3D da Europa é uma laje com quatro mil anos

Segundo os arqueólogos que o analisaram, os padrões esculpidos naquela pedra retratam uma área geográfica da Bretanha no início da Idade do Bronze

VISÃO VERDE
VISÃO Verde

Há mais plástico do que água neste lago na Bolívia e as imagens são assustadoras

Depois da grande seca de 2016 e com todos os rios que nele desaguam, carregados de resíduos plásticos, o lago Uru Uru é reflexo da poluição que continua a aumentar. As imagens falam por si e não dizem coisas bonitas

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Tomou a vacina da AstraZeneca? Estes são os sintomas que implicam assistência médica imediata

Apesar de considerar o benefício em tomar a vacina superior ao risco de contrair Covid-19, a Agência Europeia do Medicamento definiu sinais de alarme muito precisos

Se7e
Comer e beber

Hora do lanche: Quatro receitas de bolos

Quatro receitas de bolos, simples e fáceis de se fazer, para saborear em fatias generosas

Mundo

Como Sarkozy e Berlusconi têm escapado à prisão, apesar de condenados

Absolvições, amnistias, prescrições e a idade livraram o antigo primeiro-ministro italiano da cadeia, enquanto o ex-presidente francês foi ilibado num caso e está a ser julgado por outro relacionados com financiamentos ilícitos das suas campanhas eleitorais, além de ter recorrido de uma condenação por corrupção ativa

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Doentes com cancro estão a chegar muito tarde ao hospital

Doentes com cancro chegam ao hospital em fases tão tardias da doença, que "praticamente já não é possível" tratar, alerta o pneumologista Fernando Rodrigues

Newsletters

Telegrama: O Butão pode ser o país mais feliz e o mais vacinado do mundo?

Sociedade

Ivo Rosa: Quem é o lobo solitário que decidiu não levar Sócrates a julgamento por corrupção

De estudante “certinho”, que “quase transcrevia os espirros dos professores”, a juiz formalista, que só condena o irrefutável. Ivo Rosa é conhecido pela sua exigência e criticado por ser benevolente para com os arguidos. Esta sexta-feira, fez, mais uma vez, jus à sua fama e decidiu arquivar todas as três acusações de corrupção a José Sócrates, que só vai a julgamento por três crimes de branqueamento de capitais e outros três de falsificação de documentos. Quem é o discreto juiz madeirense que, no entanto, não consegue passar despercebido?

Mundo

China multa 'gigante' do comércio 'online' Alibaba em 2,33 mil milhões de euros

As autoridades chinesas multaram o 'gigante' de comércio 'online' Alibaba em 2,33 mil milhões de euros por abuso de posição dominante