“As mantas gigantes valem muito mais vivas do que mortas”

Antes do confinamento, podíamos facilmente encontrar Kerstin Forsberg numa comunidade de pescadores algures no Peru, ou então no Fórum Económico e Social em Davos, na Suíça, tentando conquistar os principais líderes mundiais para a causa da conservação. “É uma loucura estar em Davos num dia e, no seguinte, numa pequena comunidade pesqueira. Mas é uma oportunidade e encaro-a com enorme entusiasmo”, conta-nos. “A comunidade presente em Davos é muito privilegiada. Um grupo reduzido à escala mundial, por isso sinto que tenho obrigação de levar até lá a voz das outras pessoas”, afirma, consciente, no entanto, de que “chegar ao coração destes líderes políticos demora sempre algum tempo”. Não que esteja a pensar em desistir…

Kerstin Forsberg fundou a Planeta Océano, uma ONG dedicada “à investigação científica, à educação ambiental e ao desenvolvimento sustentável, trabalhando em conjunto com as comunidades locais”, quando apenas tinha 22 anos. Recém-licenciada em Biologia, tinha feito voluntariado no Brasil numa organização que protegia tartarugas marinhas e, ao regressar ao seu país, decidiu replicar a ideia. Nada em que não tivesse experiência: “Tinha 8 anos quando fundei a minha primeira ONG, um clube para proteger os animais de um pequeno zoo da escola”, diz, divertida.

Quinze anos depois da fundação, a Planeta Océano promove diversas iniciativas junto de escolas e universidades, sensibilizando a população, e defende uma abordagem baseada no mercado através, por exemplo, do ecoturismo. Assim tem conseguido proteger tartarugas, tubarões-martelo e peixes-serra, que se julgava estarem extintos no Peru. Mas as mantas gigantes são, sem dúvida, a sua grande bandeira.
Capaz de saltar sobre as águas ou de flutuar suavemente pelos oceanos (ainda que pese o mesmo que um hipopótamo!), a manta gigante “é um animal mágico e gracioso, e também o mais inteligente de toda a família de raias e tubarões”. Infelizmente, está em perigo de extinção por causa da sobrepesca e de taxas de reprodução baixíssimas: uma cria a cada sete anos.

Kerstin Fosberg a preparar-se para um mergulho com as mantas

Em 2015, a ação da Planeta Océano levou o governo peruano a incluir as mantas gigantes na lista de espécies protegidas, e convenceu a comunidade piscatória de que “as mantas valem muito mais vivas do que mortas” para os turistas. Foi o suficiente para, no ano seguinte, ser galardoada com um Rolex Award, prémio que, confessa, lhe mudou a vida: “De um momento para o outro, deixámos de ser um pequeno projeto comunitário e passámos a ser um modelo à escala global para outras ONG. Surgiram várias novas oportunidades, como o convite para participar no Fórum Económico Mundial, ou para dar uma entrevista a uma revista portuguesa, como a VISÃO.”

O prémio juntou-a também a outra galardoada, Barbara Block, investigadora da Universidade de Stanford, que desenvolveu uma nova tecnologia de sensores eletrónicos capazes de acompanhar os grandes animais marinhos de forma mais eficiente. Juntas, passaram os últimos meses a estudar os padrões de comportamento das mantas gigantes no Norte do Peru. O resultado foi publicado no fim de fevereiro pela British Ecological Society e lança novas luzes sobre os hábitos destas populações, como o facto de passarem a maior parte do seu tempo à superfície, a profundidades inferiores a dois metros, mergulhando durante a noite até aos 50 metros, em busca de zooplâncton.

Numa ação de rua com crianças, sensibilizando as populações.

No entanto, a pandemia alterou radicalmente o dia a dia de Kerstin, que agora trabalha a partir de casa, “lutando para conciliar o trabalho com a maternidade”, como tantos. “A minha filha entrou no ano passado para a escola e, como só tinha uma hora de aulas online por dia, tive de a ensinar a ler e a escrever”. Ainda assim teve tempo para ajudar a UNESCO a criar um projeto de literacia para os oceanos, que será desenvolvido durante a Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021-30) que agora começa e, em janeiro, ainda regressou a Davos, mas via Zoom.

“No Fórum faço parte do grupo Friends of Ocean Action (a par de nomes como Sylvia Earle e Richard Branson) e do Global Future Council on Systemic Inequalities and Social Cohesion, e posso dizer que o trabalho nestes espaços é realmente produtivo. Daí a acontecerem mudanças sistémicas vai um grande passo, mas temos de continuar a pressionar e a ser perseverantes na mensagem.”

Para saber mais

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Mais na Visão

Legislativas 2022

Vade retro, TAP, os táxis fluviais e o passe desigual: Na estrada (e no rio) com a Iniciativa Liberal

O partido de Cotrim de Figueiredo dedicou o quarto dia de campanha aos transportes públicos, que, a seu ver, não deveriam ser assim tão públicos. Da TAP, à falta de concorrência da soflusa e até ao passe social, o líder agarrou-se à bandeira da mobilidade e criticou “as opções ideológicas” dos socialistas. Entre Lisboa e Almada, a pé, de cacilheiro, metro ou dentro do autocarro liberal, a VISÃO acompanhou o dia da IL

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

Contagiados identificados?

Entre as 18 e as 19 horas, quem estiver nas filas de votação terá um letreiro nas costas a dizer "Estou com Covid". Isso não deveria acontecer

Legislativas 2022

Rodrigues dos Santos dançou na "pista" da esquerda e só perdeu o sorriso para falar de Costa

Francisco Rodrigues dos Santos falou, riu e dançou. No Mercado do Livramento, em Setúbal, o líder do CDS não se atemorizou, e apesar do desaire de 2019, confia que, agora, é tempo de voltar a eleger no distrito. Os sorrisos só cessaram para enviar (duras) críticas a António Costa e ao PS – o líder centrista quer "pedido de desculpa" do PM e apela ao Parlamento para encontrar “respaldo constitucional" que permita realizar eleições em dois dias

Economia
Exclusivo

Salários: Porque ganhamos tão mal?

Tornaram-se um dos temas centrais da campanha eleitoral: os baixos salários dos portugueses e o seu crescimento desapontante nas últimas décadas. O que explica essa evolução e que medidas, devem ser consideradas no futuro?

Elefante na Sala

Negacionista da charlatanice. A primeira crónica de Joana Marques na VISÃO

Choy tem olho para o negócio. É impressionante como depois de décadas a ganhar dinheiro à conta de quem acredita em terapias holísticas, ainda conseguiu sacar 18 mil euros a quem não acredita nos benefícios da fitoterapia

Edição Impressa

Há uma VISÃO renovada nas bancas, com novos colunistas e rubricas e um redesign gráfico

A newsmagazine mais lida do País chega às bancas com um redesign e muitas novidades

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Incidência sobe para 4.490,9 infeções por 100 mil habitantes e Rt desce

A incidência de infeções com o coronavírus SARS-CoV-2 aumentou para 4.490,9 casos por 100 mil habitantes em Portugal, enquanto o índice de transmissibilidade (Rt) desceu para 1,11, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS)

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal com 52.549 infeções, novo máximo em 24 horas

Portugal registou 52.549 novas infeções nas últimas 24 horas, um novo máximo desde o início da pandemia, e mais 33 mortes associadas à covid-19, indicam números hoje divulgados pela DGS

Mundo

Boris Johnson recusa demitir-se apesar de crescente insatisfação no Partido Conservador

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, desafiou hoje novos pedidos de demissão da oposição e a deserção de um deputado conservador para o Partido Trabalhista, prometendo permanecer até às próximas eleições

Sociedade

Violência sexual: Em cinco anos, quase 500 homens procuraram ajuda

A associação Quebrar o Silêncio, que apoia homens vítimas de abusos sexuais, faz cinco anos e reporta ter apoiado quase 500 casos de pessoas que sofreram algum tipo de violência, especialmente quando eram crianças

VISÃO VERDE
VISÃO Verde

Eric Armengou: “Não sei como será se o Ambiente deixar de estar na moda, quando deixar de atrair consumidores”

O cofundador da empresa de cuidados pessoais HAAN diz que há cada vez mais empresas comprometidas com a sustentabilidade ambiental, mas acrescenta que muitas fazem-no apenas por uma questão comercial. E se deixar de ser comercialmente vantajoso?

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Casos de meningite B a aumentar de forma acentuada entre estudantes na Inglaterra

Este é o resultado de um novo relatório de 11 páginas da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido (UKHSA) que ainda não foi publicado, ao qual o The Guardian teve acesso