“As mantas gigantes valem muito mais vivas do que mortas”

Antes do confinamento, podíamos facilmente encontrar Kerstin Forsberg numa comunidade de pescadores algures no Peru, ou então no Fórum Económico e Social em Davos, na Suíça, tentando conquistar os principais líderes mundiais para a causa da conservação. “É uma loucura estar em Davos num dia e, no seguinte, numa pequena comunidade pesqueira. Mas é uma oportunidade e encaro-a com enorme entusiasmo”, conta-nos. “A comunidade presente em Davos é muito privilegiada. Um grupo reduzido à escala mundial, por isso sinto que tenho obrigação de levar até lá a voz das outras pessoas”, afirma, consciente, no entanto, de que “chegar ao coração destes líderes políticos demora sempre algum tempo”. Não que esteja a pensar em desistir…

Kerstin Forsberg fundou a Planeta Océano, uma ONG dedicada “à investigação científica, à educação ambiental e ao desenvolvimento sustentável, trabalhando em conjunto com as comunidades locais”, quando apenas tinha 22 anos. Recém-licenciada em Biologia, tinha feito voluntariado no Brasil numa organização que protegia tartarugas marinhas e, ao regressar ao seu país, decidiu replicar a ideia. Nada em que não tivesse experiência: “Tinha 8 anos quando fundei a minha primeira ONG, um clube para proteger os animais de um pequeno zoo da escola”, diz, divertida.

Quinze anos depois da fundação, a Planeta Océano promove diversas iniciativas junto de escolas e universidades, sensibilizando a população, e defende uma abordagem baseada no mercado através, por exemplo, do ecoturismo. Assim tem conseguido proteger tartarugas, tubarões-martelo e peixes-serra, que se julgava estarem extintos no Peru. Mas as mantas gigantes são, sem dúvida, a sua grande bandeira.
Capaz de saltar sobre as águas ou de flutuar suavemente pelos oceanos (ainda que pese o mesmo que um hipopótamo!), a manta gigante “é um animal mágico e gracioso, e também o mais inteligente de toda a família de raias e tubarões”. Infelizmente, está em perigo de extinção por causa da sobrepesca e de taxas de reprodução baixíssimas: uma cria a cada sete anos.

Kerstin Fosberg a preparar-se para um mergulho com as mantas

Em 2015, a ação da Planeta Océano levou o governo peruano a incluir as mantas gigantes na lista de espécies protegidas, e convenceu a comunidade piscatória de que “as mantas valem muito mais vivas do que mortas” para os turistas. Foi o suficiente para, no ano seguinte, ser galardoada com um Rolex Award, prémio que, confessa, lhe mudou a vida: “De um momento para o outro, deixámos de ser um pequeno projeto comunitário e passámos a ser um modelo à escala global para outras ONG. Surgiram várias novas oportunidades, como o convite para participar no Fórum Económico Mundial, ou para dar uma entrevista a uma revista portuguesa, como a VISÃO.”

O prémio juntou-a também a outra galardoada, Barbara Block, investigadora da Universidade de Stanford, que desenvolveu uma nova tecnologia de sensores eletrónicos capazes de acompanhar os grandes animais marinhos de forma mais eficiente. Juntas, passaram os últimos meses a estudar os padrões de comportamento das mantas gigantes no Norte do Peru. O resultado foi publicado no fim de fevereiro pela British Ecological Society e lança novas luzes sobre os hábitos destas populações, como o facto de passarem a maior parte do seu tempo à superfície, a profundidades inferiores a dois metros, mergulhando durante a noite até aos 50 metros, em busca de zooplâncton.

Numa ação de rua com crianças, sensibilizando as populações.

No entanto, a pandemia alterou radicalmente o dia a dia de Kerstin, que agora trabalha a partir de casa, “lutando para conciliar o trabalho com a maternidade”, como tantos. “A minha filha entrou no ano passado para a escola e, como só tinha uma hora de aulas online por dia, tive de a ensinar a ler e a escrever”. Ainda assim teve tempo para ajudar a UNESCO a criar um projeto de literacia para os oceanos, que será desenvolvido durante a Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021-30) que agora começa e, em janeiro, ainda regressou a Davos, mas via Zoom.

“No Fórum faço parte do grupo Friends of Ocean Action (a par de nomes como Sylvia Earle e Richard Branson) e do Global Future Council on Systemic Inequalities and Social Cohesion, e posso dizer que o trabalho nestes espaços é realmente produtivo. Daí a acontecerem mudanças sistémicas vai um grande passo, mas temos de continuar a pressionar e a ser perseverantes na mensagem.”

Para saber mais

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Mais na Visão

Sociedade

Petricor. Porque é que o cheiro da terra molhada depois de chover é tão bom?

Quando as primeiras gotas de chuva começam a cair, um cheiro distintivo eleva-se do solo. A maioria das pessoas tem uma afeição por este "cheiro a chuva", e muitas dizem conseguir sentir o cheiro característico no ar antes de chover. O fenómeno tem uma explicação científica, e inclusive um nome: petricor

Mundo

Afeganistão: Talibãs penduraram corpo numa grua na principal praça de Herat

Os talibãs penduraram um corpo numa grua na principal praça da cidade de Herat, no oeste do Afeganistão, noticiou hoje a AP, com base numa testemunha no local

Telegrama

Telegrama: Vamos ter saudade de Angela Merkel?

No momento da despedida, têm-se multiplicado os balanços, perfis e análises na imprensa internacional sobre os 16 anos de Angela Merkel à frente do país mais poderoso da Europa. E se é verdade que são muitos os elogios, também foram muitos os que aproveitaram para ajustar contas

Sociedade

Linda Evangelista revela estar "brutalmente desfigurada" após procedimento cosmético

Em causa está um procedimento chamado CoolSculpting, ao qual a modelo se submeteu há cinco anos, tendo sofrido uma reação adversa. "Fiquei, como os media me descreveram, 'irreconhecível'", revelou num post emotivo na sua página do Instagram

Crónicas
Exclusivo

Palavras que existem mas que ninguém diz

Existe, toda a gente sabe que dromedário é um bicho e camelo é outro, mas na vida real vai tudo corrido a camelo

Economia
Exclusivo

Preços da eletricidade sobem a todo o gás. Mas há almofadas para proteger a fatura

Subida das cotações do gás e licenças de CO2 mais caras têm causado sucessivos recordes dos preços da eletricidade nos mercados grossistas. O Governo garante que há formas de amortecer o impacto e promete que a conta da luz não subirá em 2022

Mundo

Princesa Mako do Japão renuncia ao subsídio de casamento

A Princesa Mako do Japão planeia renunciar ao tradicional apoio financeiro dado pelo Estado às mulheres da Família Imperial Japonesa, noticiaram hoje os meios de comunicação japoneses

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Francisco George recomenda vacinação de crianças se for comprovada eficácia

As crianças maiores de cinco anos devem ser vacinadas contra a covid-19, desde que a segurança e a eficácia da vacina estejam comprovadas cientificamente nestas idades, defende o médico especialista em saúde pública Francisco George

Mundo

Covid-19: Bolsonaro revela que primeira-dama foi vacinada nos EUA e recebe onda de críticas

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, revelou hoje que a primeira-dama foi vacinada contra a covid-19 nos Estados Unidos, situação duramente criticada por quem considera essa uma atitude de "desprezo" perante a saúde pública do país

Sociedade

Estudo alerta para risco de extinção de mamíferos por atropelamento

Várias populações locais de mamíferos como o lince ibérico, o tigre ou o jaguar correm o risco de extinção devido à elevada exposição a atropelamentos, segundo as conclusões de uma investigação liderada por uma cientista da Universidade de Lisboa

Irrevogável

Secretário de Estado Adjunto e da Educação: “A questão da falta de professores é complexa. Para já, há muitos que estiveram nestas duas semanas em campanha”

Em entrevista ao Irrevogável, João Costa fala numa ausência crónica de docentes - que se acentuou no mês de setembro, também por causa das eleições autárquicas

Exame Informática
Exame Informática

Conheça a pele eletrónica desenvolvida em Portugal

Fomos até Coimbra ver como investigadores daquela Universidade estão a criar adesivos que podem ser colados no corpo e usados para controlar o comportamento cardíaco ou a diabetes. O grande desafio da equipa passa por combinar flexibilidade e resistência e que seja economicamente viável. O segredo está na tinta, à base de metal líquido