O guardião dos tubarões-baleia, os maiores peixes do mundo

Foto: Franck Gazzola

“Sempre me vi a trabalhar com animais, até porque cresci no meio de cavalos.” Brad Norman podia ter sido veterinário ou cavaleiro, mas os pais também lhe passaram o amor pelo mar, e foi essa a paixão que acabou por prevalecer. Levou-o para a Biologia Marinha e, mais tarde, para a defesa do calmo gigante dos oceanos, o tubarão-baleia.

A relação entre o biólogo australiano e o maior peixe do mundo começou há quase um quarto de século, no recife de Ningaloo, na costa noroeste do país. “Ver um animal daqueles, do tamanho de um autocarro, a nadar calmamente na nossa direção, e depois afastar-se com toda a graciosidade e sem qualquer receio, é uma experiência extraordinária. De tirar o fôlego”, recorda.

Mas, de regresso à superfície, ficou estupefacto com a pouca informação disponível. “Os tubarões-baleia estavam envoltos em mistério”, conta. Foram descobertos só em 1828, apesar de existirem desde o Jurássico, e até meados da década de 80 do século passado tinham sido reportados apenas 350 avistamentos. Havia, no entanto, a perceção de que os seus números estariam a diminuir e foi quando percebeu que podia “contribuir para fazer a diferença” que decidiu agir.

Brad durante uma delicada operação de colocar um identificar num tubarão-baleia, o maior peixe do mundo (Franck Gazzola/Rolex)

Com a sua equipa, adaptou um software da NASA, desenvolvido para o telescópio Hubble identificar estrelas no céu, para reconhecer também cada um dos membros da espécie. A pele destes tubarões lembra de facto um céu noturno, com inúmeros pontos brancos cujo padrão nunca se repete, como numa impressão digital. E se hoje estão registados mais de 76 mil avistamentos, em 50 países espalhados pelo mundo, a eles se devem. Esses avistamentos permitiram inclusivamente identificar já 12 mil indivíduos.

O processo é simples: de cada vez que um mergulhador, um pescador ou um simples turista avistar um tubarão-baleia e conseguir tirar uma fotografia, pode depois enviá-la para o site whaleshark.org, onde é analisada pelo tal algoritmo e comparada com as outras fotos na base de dados, para perceberem se é um tubarão já conhecido ou um novo animal. “Essa pessoa recebe depois um email com a história do tubarão, e continuará a receber se ele voltar a ser visto.”

Mesmo quem não tem por hábito nadar com tubarões pode também participar, adotando um dos tubarões descobertos e ajudando a financiar toda esta operação. Se o fizer, passa também a receber os alertas sempre que o “filhote” é avistado, e pode até dar-lhe um petit nom carinhoso, como Bolinhas. Norman chamou ao seu primeiro tubarão Stumpy e ainda hoje se encontram com alguma regularidade, porque faz parte de um grupo que todos os anos regressa a Ningaloo, entre março e abril.

Um tubarão-baleia afasta-se, depois de lhe ter sido colocado um identificador. Estes animais chegam a ter o tamanho de um autocarro (Franck Gazzola/Rolex)

Na viragem do milénio, Brad desenvolveu também o primeiro relatório sobre o tubarão-baleia para a União Internacional para Conservação da Natureza, que o classificou na Red List como “Vulnerável”. Em 2016, e na posse de informações mais precisas, subiu o alerta para “Em Perigo” e desde então “nada mudou, nem deverá mudar nos próximos tempos”, explica. Porque “mesmo que as ameaças fossem imediatamente reduzidas, a espécie ainda iria demorar muito tempo a recuperar”.

Não surpreendentemente, “os humanos são a maior ameaça”, com a produção de gás e de petróleo, as rotas de transporte, as pescas e atividades turísticas à cabeça dos fatores de risco. O principal desafio ainda é, para já, descobrir “os habitats mais críticos da espécie, nomeadamente os seus berçários”, para depois montar uma luta eficaz.

O sistema de identificação que criou permite que qualquer pessoa identifique estes animais através de fotografias (Franck Gazzola/Rolex)

Em 2006, após desenvolver o algoritmo da NASA, recebeu um Rolex Award for Enterprise, que o ajudou a montar este projeto pioneiro de cidadãos cientistas, “tal como um David Attenborough”, em busca do tubarão-baleia. O prémio juntou-o a outro laureado desse ano, o professor Rory Wilson, do País de Gales, que desenvolveu sensores mais eficazes para seguir animais no mar, e é neste binómio − avistamentos e trackers − que Brad se baseia para construir os padrões de comportamento que vão revelar as melhores formas de proteger este magnífico gigante dos mares. Com a ajuda de todos.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Palavras-chave:

Assine a Revista VISÃO, em digital, por €1 e apoie o jornalismo de qualidade.

ASSINE JÁ

ASSINE JÁ!

Mais na Visão

Fotografia

Mo Farah: Os bastidores da jornada em direção aos Jogos Olímpicos de Tóquio em 60 imagens

Mo Farah, multi-campeão olímpico, mundial e europeu, é o atleta de maior sucesso na história do atletismo dos Jogos Olímpicos modernos. Nesta grande galeria, conheça os bastidores de uma preparação dura para os Jogos Olímpicos

Imobiliário

Preços das casas nos centros de Lisboa e Porto já estão a cair

O segundo semestre de 2020 já reflete descidas significativas nos preços médios da habitação em duas das zonas mais caras do País

Exame
Micro

O futuro da água já começou a jogar-se nas bolsas

Contratos de futuros sobre a água já são negociados nos EUA, mas há receios sobre as consequências no uso deste precioso recurso

Sociedade

Neandertais tinham capacidade para entender e produzir discurso humano

Perceber como os neandertais ouviam, através de um modelo digital de reconstrução de fósseis, permitiu a um grupo de investigadores espanhóis calcular a forma como comunicavam

VISÃO VERDE
Alterações climáticas

Estudo mostra como as alterações climáticas afetam a neve das montanhas de forma diferente

As alterações climáticas fazem com que a neve das montanhas derreta muito mais cedo, mas isso não se está a verificar em todas as regiões do globo. Porquê?

Exame Informática
EI TV

Exame Informática TV 716: Hyundai Kauai EV e como tornar a casa mais inteligente

Neste programa, conduzimos o novo Kauai elétrico, analisamos soluções para gamers e mostramos como pode tornar a sua casa mais inteligente

Exame Informática
EI TV

Teste ao novo Peugeot 3008 Hybrid4

O design agressivo e futurista, a tração às quatro rodas e a elevada potência conseguida com a conjugação das motorizações a gasolina e elétrica são alguns dos pontos de interesse

Editorial

Governo planeia de menos e poupa de mais

O nosso forte sempre foi o improviso. Mas precisamos de planeamento e de gastar mais e melhor

Opinião

O grande teste à burocracia europeia

A criação de um passaporte deste tipo, capaz de ser adotado por dezenas de países, é uma tarefa de grande complexidade que, ainda por cima, acarreta uma infindável lista de dúvidas

Sociedade

Já deu por si a ter “Inveja da Vacina”? O que diz a Psicologia

A resposta à pergunta é, tendencialmente, não, mas o tema está a dar que falar numa altura em que a escassez de doses está na ordem do dia e mais pessoas estão a ser vacinadas. Psicólogos explicam porque é natural senti-la e o que está na origem dessa emoção

Política

Há cerca de 1,5 milhões de armas legais em Portugal

Em Portugal existem cerca de 1,5 milhões de armas legais, sendo a maioria carabinas e espingardas destinadas à caça, revelam dados enviados à Lusa pela Polícia de Segurança Pública

Mundo

Hong Kong sai da lista de economias mais livres do mundo que liderou por 25 anos

Hong Kong não figura no 'ranking' de 2021 das economias mais livres do mundo, publicado hoje pela Fundação Heritage, após liderar a classificação durante 25 anos, devido à perda de autonomia em relação a Pequim