“É quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos”

Retrato para Oceano de Esperança – Tiago Rebelo

Um Lander para ser colocado no fundo do mar profundo e aí permanecer durante largos períodos de tempo. Um AUV, ou veículo autónomo subaquático, com capacidade para explorar grandes extensões, e um ROV híbrido, oferecendo a precisão de um Veículo Remotamente Operado, mas também a possibilidade de funcionar autonomamente. São estes os robôs, a par de uma infraestrutura de suporte, sistemas de comunicação e tratamento de dados, que vão permitir a Portugal explorar e monitorizar o mar sem depender da tecnologia de terceiros. Fator importante quando o nosso país pretende estender o limite da sua plataforma continental para além das 200 milhas marítimas.

A candidatura tem como objetivo alargar essa área para os quatro milhões de quilómetros quadrados, o que daria a Portugal uma dimensão semelhante à da União Europeia. A candidatura ainda aguarda avaliação, mas ao abrigo da Convenção das Nações Unidas que regula o pedido, o Estado deve obrigatoriamente produzir conhecimento sobre esse território.

Estes veículos – e os respetivos sistemas – estão a ser desenvolvidos pela Oceantech, uma plataforma que junta universidades públicas e empresas privadas sob a liderança da Abyssal, uma empresa de engenharia de software com sede em Matosinhos. O projeto foi montado em 2017 pelo CEiiA, Centro de Engenharia e Desenvolvimento, o mesmo que desenvolveu uma das primeiras redes europeias de mobilidade sustentável, que se tornou num parceiro preferencial da Embraer e que assinou um acordo com a Agência Europeia de Segurança Marítima para o desenvolvimento de drones de vigilância.

Mas esta será, provavelmente, “a primeira vez que se junta um consórcio deste género para criar este tipo de produtos”, refere Tiago Rebelo, coordenador do projeto. “Não será uma surpresa se disser que, comparativamente a países como os EUA ou a Noruega, levamos 20 ou 30 anos de atraso. Mas temos grupos universitários, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e no Instituto Superior Técnico, que estão ao nível do melhor que se faz em investigação nesta área. Só nunca conseguimos – e é por isso que este projeto aparece – fazer a ligação entre ciência e mundo real. Traduzir essa investigação em valor económico, criar produtos que possam chegar ao mercado.”

“Os desafios são enormes”, explica Tiago, que entrou para o CEiiA há sete anos, depois de ter sido o primeiro português a participar num programa espacial da Erasmus Mundus e que hoje, com 30 anos, lidera toda a área de desenvolvimento de produto e serviços. “Temos perto de 50 engenheiros a trabalhar no projeto”, com um total de cerca de 140 pessoas envolvidas, no conjunto das instituições.

“Tecnicamente, é quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos. Conseguimos até criar representações em 3D perfeitas da superfície lunar e de Marte, mas continuamos a não ser capazes de fazer o mesmo com os nossos fundos marinhos.”

Após três anos de desenvolvimento, os robôs entraram agora na fase final de desenho e início da produção do protótipo. Seguir-se-ão testes, primeiro em águas pouco profundas e, mais perto do verão, já em mar aberto, com a ajuda dos navios do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Temos um oceano de oportunidades pela frente, mas um oceano de desafios também

Tiago Rebelo

“Numa primeira fase, faz sentido colocar estes veículos ao serviço da ciência, da monitorização e do ambiente, mas depois é natural que as empresas do consórcio tenham as suas ambições comerciais. O potencial exportador deste tipo de tecnologia é enorme, mesmo sendo um produto de nicho.”

Antes disso, ainda, é necessário gerar informação para se conseguir perceber que áreas devem ser protegidas e onde será possível gerar valor económico sustentável. “Não podemos definir a totalidade do espaço marítimo como área protegida, mas há que proteger algumas áreas. É isso que os outros países estão a fazer. Foi o que a Noruega fez nos fiordes, por exemplo, e para isso qualquer um destes veículos pode dar um grande contributo. Temos um oceano de oportunidades pela frente, mas um oceano de desafios também.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Mais na Visão

Sociedade

Novo centro comercial online, só com marcas portuguesas, já tem mais lojas do que o Colombo

Chama-se Bou Market e junta na mesma plataforma mais de 370 lojas de marcas nacionais, com produtos únicos e personalizados. A ideia é recriar na internet “um típico mercado de rua”, explicam os fundadores do projeto

Política

OE2022: "Com este silêncio do Governo dá ideia de que isto é para morrer"

O dirigente do PEV José Luís Ferreira considerou hoje que "com este silêncio do Governo" relativamente à negociação do Orçamento do Estado com o PEV, "dá ideia de que isto é para morrer"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Estudo português mostra mudanças de hábitos alimentares no primeiro ano da pandemia

Perto de 37% dos inquiridos num estudo português admitiram ter mudado os hábitos alimentares durante o primeiro ano da pandemia de covid-19, dos quais 58,2% consideraram ter mudado para melhor e 41,8% para pior

Sociedade

Investigadores fingem ser neandertais para estudar a caça de aves

Cientistas espanhóis muniram-se de lanternas a imitar tochas e quase só usaram as mãos como “armas”. Seria assim que os hominídeos apanhavam as gralhas em cavernas?

Mundo
Exclusivo

Polónia de saída da UE? A história de um braço de ferro que pode acabar com um Polexit

Ao contestar o primado da lei comunitária, o Tribunal Constitucional da Polónia agravou o conflito político entre Varsóvia e Bruxelas, deu novo alento às forças eurofóbicas e abriu as portas para a UE assistir à debandada de mais um Estado-membro

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal regista 612 novos casos confirmados e 10 mortes nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais 612 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, 10 mortes, uma redução nos internamentos em enfermaria e um aumento em unidades de cuidados intensivos

Cultura
Exclusivo

Germano Silva: ‘‘Tenho pena de que os portuenses não conheçam  a sua cidade”

Acabado de chegar a uns redondos 90 anos, Germano Silva lança novo livro, com (mais) 50 crónicas sobre o Porto. As memórias, na primeira pessoa, do jornalista e de um dos fundadores da VISÃO, historiador, doutor honoris causa, comendador que não se deixa deslumbrar e... portuense que nunca provou uma francesinha

Sociedade

Galé: "Deixem o parque de campismo em paz"

São 32 hectares com uma localização única, em cima do maior areal português. O parque de campismo da Galé está em risco de desaparecer nas mãos do grupo americano que tem previsto para Melides um mega empreendimento de luxo

Imobiliário

Investidores belgas apostam 85 milhões em Gaia

A pandemia está longe de ter travado o interesse dos investidores estrangeiros em Portugal. O Gaia Hiils vai ter 256 apartamentos distribuídos por oito edifícios

Crónicas
Exclusivo

Travessa do Almargem nº 1

O nosso velho prédio foi, em boa hora, renovado. Infelizmente, com o acrescento de um mamarracho metido-a-moderno, que tapa toda a fachada lateral

Sociedade
Exclusivo

Foram as estrelas dos confinamentos mas em excesso afetam o cérebro: Como afastar agora os miúdos dos ecrãs

O uso excessivo da tecnologia prejudica o desenvolvimento do cérebro, revelam estudos em neurociência. Especialistas alertam: é preciso encontrar um equilíbrio, antes que seja tarde. Mas depois de termos andado a apregoar os seus benefícios durante os confinamentos, como fazemos agora para tirar os ecrãs às crianças?

Sociedade
Exclusivo

"O ensino remoto é desastroso". Neurocientista arrasa abuso da tecnologia e explica porquê

Michel Desmurget, neurocientista e best-seller premiado em França, explica porque é crucial mudar a maneira como os nossos filhos usam a tecnologia e como fazê-lo