“É quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos”

Retrato para Oceano de Esperança – Tiago Rebelo

Um Lander para ser colocado no fundo do mar profundo e aí permanecer durante largos períodos de tempo. Um AUV, ou veículo autónomo subaquático, com capacidade para explorar grandes extensões, e um ROV híbrido, oferecendo a precisão de um Veículo Remotamente Operado, mas também a possibilidade de funcionar autonomamente. São estes os robôs, a par de uma infraestrutura de suporte, sistemas de comunicação e tratamento de dados, que vão permitir a Portugal explorar e monitorizar o mar sem depender da tecnologia de terceiros. Fator importante quando o nosso país pretende estender o limite da sua plataforma continental para além das 200 milhas marítimas.

A candidatura tem como objetivo alargar essa área para os quatro milhões de quilómetros quadrados, o que daria a Portugal uma dimensão semelhante à da União Europeia. A candidatura ainda aguarda avaliação, mas ao abrigo da Convenção das Nações Unidas que regula o pedido, o Estado deve obrigatoriamente produzir conhecimento sobre esse território.

Estes veículos – e os respetivos sistemas – estão a ser desenvolvidos pela Oceantech, uma plataforma que junta universidades públicas e empresas privadas sob a liderança da Abyssal, uma empresa de engenharia de software com sede em Matosinhos. O projeto foi montado em 2017 pelo CEiiA, Centro de Engenharia e Desenvolvimento, o mesmo que desenvolveu uma das primeiras redes europeias de mobilidade sustentável, que se tornou num parceiro preferencial da Embraer e que assinou um acordo com a Agência Europeia de Segurança Marítima para o desenvolvimento de drones de vigilância.

Mas esta será, provavelmente, “a primeira vez que se junta um consórcio deste género para criar este tipo de produtos”, refere Tiago Rebelo, coordenador do projeto. “Não será uma surpresa se disser que, comparativamente a países como os EUA ou a Noruega, levamos 20 ou 30 anos de atraso. Mas temos grupos universitários, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e no Instituto Superior Técnico, que estão ao nível do melhor que se faz em investigação nesta área. Só nunca conseguimos – e é por isso que este projeto aparece – fazer a ligação entre ciência e mundo real. Traduzir essa investigação em valor económico, criar produtos que possam chegar ao mercado.”

“Os desafios são enormes”, explica Tiago, que entrou para o CEiiA há sete anos, depois de ter sido o primeiro português a participar num programa espacial da Erasmus Mundus e que hoje, com 30 anos, lidera toda a área de desenvolvimento de produto e serviços. “Temos perto de 50 engenheiros a trabalhar no projeto”, com um total de cerca de 140 pessoas envolvidas, no conjunto das instituições.

“Tecnicamente, é quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos. Conseguimos até criar representações em 3D perfeitas da superfície lunar e de Marte, mas continuamos a não ser capazes de fazer o mesmo com os nossos fundos marinhos.”

Após três anos de desenvolvimento, os robôs entraram agora na fase final de desenho e início da produção do protótipo. Seguir-se-ão testes, primeiro em águas pouco profundas e, mais perto do verão, já em mar aberto, com a ajuda dos navios do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Temos um oceano de oportunidades pela frente, mas um oceano de desafios também

Tiago Rebelo

“Numa primeira fase, faz sentido colocar estes veículos ao serviço da ciência, da monitorização e do ambiente, mas depois é natural que as empresas do consórcio tenham as suas ambições comerciais. O potencial exportador deste tipo de tecnologia é enorme, mesmo sendo um produto de nicho.”

Antes disso, ainda, é necessário gerar informação para se conseguir perceber que áreas devem ser protegidas e onde será possível gerar valor económico sustentável. “Não podemos definir a totalidade do espaço marítimo como área protegida, mas há que proteger algumas áreas. É isso que os outros países estão a fazer. Foi o que a Noruega fez nos fiordes, por exemplo, e para isso qualquer um destes veículos pode dar um grande contributo. Temos um oceano de oportunidades pela frente, mas um oceano de desafios também.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Tenha acesso ilimitado a toda a biblioteca digital enquanto espera pela próxima edição

Comece a ler já hoje!

Leia já!

Mais na Visão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Quizz: 9 perguntas para testar o que sabe (ou deveria saber) sobre as vacinas

Dos efeitos secundários à duração da imunidade, passando pelas variantes mais difíceis de combater, teste o que sabe sobre as vacinas contra a Covid-19 em 10 perguntas

Economia

Covid-19: Produtores de plantas e flores reclamam apoios a fundo perdido e contestam crédito

Os produtores de plantas e flores, que chegaram a registar quebras diárias de 2ME, reclamam apoios a fundo perdido para mitigar o impacto da pandemia e contestam os créditos disponibilizados

Sociedade

Universidade de Coimbra cria sistema que virtualiza processo de fabrico e antecipa problemas

Um projeto na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra criou um sistema com um "irmão gémeo virtual" de um robô, para ajudar à digitalização de sistemas produtivos, cuja necessidade foi acentuada pela pandemia

Sociedade

Casu marzu, o queijo feito com larvas que divide as opiniões entre o mais perigoso do mundo e uma iguaria única

O queijo mais perigoso do mundo atrai muitos 'foodies' à ilha italiana da Sardenha. Único, por ser produzido com larvas vivas, será este queijo tão perigoso como se crê?

Se7e
TV

"Clarice": O regresso de “O Silêncio dos Inocentes”, 30 anos depois

A agente do FBI Clarice Starling, icónica personagem interpretada por Jodie Foster, ganha destaque na nova série protagonizada por Rebecca Breeds. "Clarice" estreia-se nesta segunda, 19, em episódio duplo na Fox

Economia

As duas faces de Bezos: Génio ou diabo?

É o homem mais rico do mundo e o que mais prosperou durante a pandemia. Criou um negócio global que gera lucros astronómicos, mas tem sido alvo de críticas pela forma austera como gere os mais de 1,3 milhões de funcionários em todo o planeta

Mundo

Reportagem: Milhares de pais e filhos protestam em Buenos Aires contra as escolas fechadas

Milhares de argentinos foram às ruas de Buenos Aires para exigirem a abertura de escolas num maciço protesto contra o endurecimento das medidas de restrição que incluem um toque de recolher que não foi acatado pelos manifestantes

Economia

Covid-19: Moratórias das empresas aproximam-se dos 30.000 ME - presidente da CIP

O volume de moratórias das empresas aproxima-se dos 30 mil milhões de euros e entre 25% a 30% desse montante pode entrar em incumprimento, afirmou o presidente da CIP

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: PSP deteta sete estabelecimentos no Bairro Alto a violarem o estado de emergência

Sete estabelecimentos de restauração no Bairro Alto, em Lisboa, foram detetados na sexta-feira a violarem as regras do estado de emergência e acabaram sancionados com coimas, informou hoje a PSP, em comunicado

Sociedade

Rastreadores: O trabalho em contra-relógio dos detetives da pandemia

Com a estratégia de desconfinamento assente em testar em massa, rastrear, isolar e vacinar, o inquérito epidemiológico feito pelos rastreadores é uma missão em que todos os minutos contam. Fomos ver como trabalham

Mundo

O último adeus ao príncipe Filipe em 30 fotografias

O Castelo de Windsor recebeu neste sábado o funeral do duque de Edimburgo, numa cerimónia reservada a 30 convidados. William e Harry seguiram lado a lado no cortejo fúnebre

Desporto

Judo/Europeus: Bárbara Timo conquista medalha de bronze em -70 kg

A judoca Bárbara Timo conquistou hoje a medalha de bronze da categoria de -70 kg nos Europeus de Lisboa, ao vencer o combate por desclassificação da croata Lara Cvjetko