Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

José Roquette

José Roquette

Chief Development Officer do Pestana Hotels Group

O “excesso” de turismo

Exame

José Roquette

Em 2017, os turistas deixaram em Portugal 41 milhões de euros por dia. Num País que esteve à beira da bancarrota há meia dúzia de anos, parece-me um bocado ousado e displicente - para não dizer irresponsável – dizer “basta!”

Lisboa e Porto estão mais cosmopolitas do que nunca. Têm uma oferta cultural mais intensa do que jamais tiveram, viram os seus centros históricos renovados após décadas de degradação, gozam de uma explosão de criatividade gastronómica, além de um inesperado fôlego do comércio de rua. Tudo isto sem problemas relevantes de higiene e segurança, sem roturas nas infraestruturas, sem situações ambientais graves, sem xenofobias, nem nada que ponha em causa a reconhecida hospitalidade lusitana. Dito isto, vamos pensar nos problemas do excesso de turismo.

Desenganem-se os céticos de serviço: quem mais beneficia com esta mudança são os residentes. Além dos visitantes que se deliciam com as nossas cidades, quem lá vive tira enorme proveito da revitalização dos seus espaços nobres e da recuperação de outros onde ninguém queria morar, da modernidade e sofisticação que só em poucos casos afectou a autenticidade dos lugares, da animação cultural, etc. Ambas as cidades ganharam muita qualidade com o boom turístico, além da óbvia valorização patrimonial. Paga-se um preço mas a relação custo/benefício parece ser vantajosa.

Sempre haverá quem prefira as Baixas, alfacinha e tripeira, como eram antes: decadentes e desabitadas, com um comércio de rua digno da Europa de Leste antes da queda do muro. Alguns preferiam Lisboa sonolenta e o Porto a preto-e-branco. Mas esquecem que, além de mais pobres, eram incapazes de tomar conta do património ou sequer manter uma agenda cultural com qualidade. Os residentes têm uma palavra decisiva, desde que tenham um empenho construtivo. Mas - perdoem-me a ofensa - noto uma leve saloiice em algumas visões simplificadoras do tema.

Habituei-me a olhar para o turismo com gratidão – não confundir com subserviência - do tipo “é uma honra que venham gastar na nossa terra o que pouparam em 11 meses de trabalho nas terras deles”. Mas, mais do que isso, o espírito cosmopolita que emerge em Lisboa e no Porto é algo que faz parte da nossa cultura; na nossa história, sempre foi fator de enriquecimento. E se há questões subjetivas, outras são reais: em 2017, os turistas deixaram em Portugal 41 milhões de euros por dia. Num País que esteve à beira da bancarrota há meia dúzia de anos, parece-me um bocado ousado e displicente - para não dizer irresponsável – dizer “basta!”.

Nem tudo são rosas, porém. E há que não fugir ao tema do “Overtourism” que muitas cidades discutem e preocupa entidades que vão das associações de moradores à Organização Mundial de Turismo. Em alguns casos, o turismo atingiu níveis próximos do insustentável. Veneza é o caso mais evidente e há outros com pressão urbana desafiante, mas em muitos houve mau planeamento. Há que aprender com os erros (dos outros) e com as estratégias em curso em algumas cidades: da promoção de eventos em lugares menos visitados e em temporadas baixas, à criação de atracões em regiões periféricas, da limitação trafego nos centros ao alargamento dos horários dos museus, do envolvimento das comunidades à educação dos turistas, a par de uma aposta firme na mobilidade.

Há muito a fazer. Mas é bom ter a noção das realidades: dizer que Lisboa e Porto estão perto da saturação é esquecer que pouco têm feito de revolucionário ou inovador para lidar com o maior fluxo. Muitos dos que achavam estranho que não fossem mais visitadas - por serem extraordinárias - agora, num momento forte do turismo, dão-se ao luxo de impor taxas, inventar barreiras, etc.

Nunca é demais relembrar também que o turismo é cíclico, além de sazonal. Quem ousa falar de excesso sabe que este “boom” tem apenas 3 ou 4 anos ? E que estivemos a beneficiar com a instabilidade de outros destinos? Esqueceu-se que há ciclos económicos? Sabem, por exemplo, que Barajas perdeu 5 milhões de passageiros na ultima crise? E terão a noção de que o dito “excesso” se concentra em 3 meses, além de incidir sobre alguns bairros ou locais ?

Nos anos 50 havia apenas 25 milhões de turistas internacionais e em 2017 foram 1300 milhões. Sejamos realistas: a vocação da Europa é ser o Museu do Mundo. E consta que só dez por cento do chineses têm passaporte, além dos indianos ainda nem pensarem em viajar. Só a ausência de paz – nem mesmo o terrorismo – pode parar o turismo. Há que ter o discernimento para aproveitar a riqueza que daí advém, com criatividade e equilíbrio.

Dito isto, a par das preocupações com a sustentabilidade, convém ser capaz de encontrar respostas para esta incontornável pergunta: que outra actividade tem efeitos tão positivos e transversais na economia, da construção civil à geração de emprego, das receitas fiscais aos benefícios com a imagem do País, passando pela recuperação de património e pelo estimulo à vida cultural ?

As novas vagas do turismo colocam desafios às cidades: dos transportes públicos à diversificação inteligente dos pontos de interesse, passando pela gestão criativa da sazonalidade. Há que reflectir, é claro, sobre a sua “capacidade de carga” mas é preciso exigir às cidades que se reinventem, na sua autenticidade, e saibam crescer em diversidade e com imaginação.

A alternativa é dizer mal do vento, algo em que temos bom currículo mas que convinha superar.

José Roquette

José Roquette

Chief Development Officer do Pestana Hotels Group