Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Não gosta de couve-de-bruxelas? Mas devia

VISÃO Saúde

Estes são seis benefícios deste vegetal que podem fazê-lo mudar de ideias

A couve-de-bruxelas não é um vegetal que todos apreciam, devido ao seu forte sabor (semelhante ao do repolho, um pouco picante também) e à sua apresentação, mas os seus benefícios para a saúde são incontestáveis. É uma planta bienal, cultivada em climas temperados e húmidos e é, normalmente, servida como acompanhamento de carnes ou utilizada em sopas.

Além da sua conhecida propriedade antioxidante, esta verdura é rica em sais minerais (fósforo e ferro) e contém vitaminas A e C, que ajudam a tonificar a pele e a retardar o envelhecimento, sendo benéficas para a saúde dos olhos, também. Adicionalmente, tem poucas calorias, sendo um alimento aconselhado para quem quer seguir uma dieta de emagrecimento.

Mas há mais razões que o devem levar a consumir couve-de-bruxelas com frequência:

Ajuda a manter os níveis saudáveis de colesterol e a regular os níveis de açúcar no sangue

As fibras presentes na couve-de-bruxelas ajudam a manter o colesterol em níveis considerados saudáveis e estimulam o fígado a produzir os ácidos biliares, usando o próprio colesterol para queimar gordura
Além disso, as fibras ajudam mater a regulação intestinal, a manter a sensação de saciedade por mais tempo e a prevenir doenças como a diabetes.

Aliada da atividade cerebral

A couve-de-bruxelas contém Ómega-3, essencial para retardar o declínio congitivo e para combater a depressão e ansiedade. Este vegetal contém, também, vários nutrientes e vitaminas, como o ácido fólico (vitamina B9), essencial para a memória e melhoria da função cognitiva.

Apesar disso, o Ómega-3 encontrado nos vegetais é utilizado de uma forma menos eficaz pelo corpo, já que o organismo precisa de o conveter em mais formas ativas, sendo que é importante que o vá buscar, também, aos peixes e frutos do mar.

Protege os ossos

A couve-de-bruxelas é rica em vitamina K, que ajuda a manter a densidade óssea e a prevenir fraturas ósseas em doentes com osteoporose, condição caracterizada pela diminuição da massa óssea e pela deterioração da arquitetura do osso.

Não engorda

Este vegetal é muito pobre em calorias e, por isso, é um dos alimentos que se podem - e devem - incluir numa dieta de emagrecimento. Mas, obviamente, tudo vai depender da forma como os vai cozinhar (ou a acompanhar com quê). Além disso, a couve-de-bruxelas, ajuda no processo de digestão.

Pode prevenir contra certos tipos de cancro e doenças cardíacas

Um estudo publicado em 2008 concluiu que as couves-de-bruxelas, devido ao seu grande número de antioxidantes, protegem as células de agentes cancerígenos e de danos no DNA. Contudo, as investigações nesta área são, ainda, muito escassas.

Também são uma fonte de minerais como o cobre, cálcio, ferro, manganês e fósforo, mas também de potássio, que ajuda a controlar a frequência cardíaca e a pressão arterial.

É antibacteriana, antiviral e anti-inflamatória

Este vegetal contém Di Indol Metano (DIM), um composto estimula o sistema imunológico. Além disso, tem ação anti-inflamatória e auxilia na desintoxicação hepática, uma vez que estimula a excreção de uma série de compostos químicos.