Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Cláudia Azevedo vai liderar a Sonae

Exame

Lucilia Monteiro

O conselho de administração da Sonae propôs o nome de Cláudia Azevedo, presidente da Sonae Capital, para substituir Paulo Azevedo e Ângelo Paupério na Sonae a partir do próximo mandato.

O conselho de administração da Sonae propôs esta terça-feira a designação de Cláudia Azevedo para a liderança da empresa, substituindo Paulo Azevedo e Ângelo Paupério neste cargo a partir do próximo mandato, a iniciar em 2019.

A proposta, feita a pedido do acionista maioritário Efanor Investimentos (holding da família Azevedo, que tem 52,69% do capital) no âmbito da preparação da sucessão, mantém os atuais co-CEO como administradores não-executivos na próxima equipa de gestão da empresa, segundo comunicados enviados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"A Dr.ª Cláudia Azevedo tem um percurso profissional notável no Grupo Sonae que se tem caracterizado pela gestão de portfolios diversificados e pela internacionalização dos negócios de várias participadas, tornando a sua experiência e aptidões particularmente adequados para esta função," refere o conselho de administração da Sonae.

A atual administração, eleita em 2015, cumpre um mandato quadrienal que termina este ano, 2018 e tanto Paulo Azevedo como Ângelo Paupério demonstraram vontade de não continuarem nas atuais funções. A Efanor aceitou a proposta, referindo que o nome de Cláudia Azevedo se "adequa de modo particular ao perfil mais recentemente assumido pelo Grupo, culminando uma carreira que, nos últimos anos, se especializou na gestão de portefólios diversificados e na internacionalização dos negócios de participadas."

Cláudia Azevedo tem 48 anos e é licenciada em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa e tem um MBA pelo INSEAD. É a filha mais nova do líder histórico da Sonae, Belmiro Azevedo e irmã de Paulo Azevedo e passou pela administração de várias empresas do grupo, entre as quais a Sonaecom, a Sonae Turismo ou o Público e é administradora não-executiva da Nos. Presidia até agora à Sonae Capital, dona do Troia Resort.

"Determinação e otimismo"

Numa mensagem a que a EXAME teve acesso, a indicada para CEO agradece a confiança das administrações da Sonae e Efanor e diz que vai aproveitar os próximos meses para preparar-se para assumir o cargo.

Esta indicação é "uma responsabilidade que aceito, com a convicção de quem olha para o futuro e tem a confiança de ter nos valores Sonae a determinação e optimismo necessários para enfrentar os desafios que seguramente surgirão," acrescenta.

Paulo Azevedo e Ângelo Paupério deixarão, com esta mudança, de ter as funções executivas que desempenhavam há mais de 20 anos na holding. Desde 2007 que Paulo Azevedo era CEO da companhia, um cargo que em 2015 acumulou com o de chairman, depois da saída do pai que viria a falecer em novembro de 2017.

"Os seus contributos individuais foram determinantes para o crescimento da importância social e económica do Grupo e permitiram-lhe passar incólume pelas crises económicas e éticas dos últimos anos," considera a holding familiar sobre os co-CEO, em comunicado à CMVM.

Com a indicação para a liderança da Sonae, Cláudia Azevedo deixa de ser presidente executiva da Sonae Capital - onde estava desde março de 2013, conduzindo a reestruturação da empresa -, passando a administradora não-executiva. A presidência será agora ocupada por Miguel Gil Mata, que entrou na administração desta empresa em 2016.

  • A herança indivisível de Belmiro

    Economia

    A jornalista Cesaltina Pinto foi galardoada com o Grande Prémio de Jornalismo Económico Universidade Nova de Lisboa e Banco Santander Totta e também o prémio na categoria Gestão de Empresas e Negócios pela reportagem sobre a herança e os herdeiros de Belmiro de Azevedo, publicada na VISÃO nº 1292, de 7 de dezembro de 2017. Leia ou releia o artigo na íntegra