Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

"Bel Canto": A ópera dos cem reféns chega ao cinema

Ver

A história de um sequestro é contada em filme e ao som de canto lírico. Bel Canto já se estreou nas salas de cinema

Em 1996, em Lima, no Peru, um grupo de 19 homens armados, pertencente ao Movimento Revolucionário Túpac Amaru, assaltaram a embaixada japonesa e fizeram uma centena de reféns, incluindo altas personalidades nacionais e estrangeiras. Esse trágico acontecimento terá inspirado a escritora Ann Patchett e, agora, o realizador Paul Weitz, para o filme Bel Canto. Uma história de um sequestro que lança a dúvida sobre quem está do lado certo.

Bel Canto é um filme cheio de fragilidades, mas também com pontos de interesse que o distanciam dos filmes do género. Há uma espécie de ingenuidade romântica assumida logo desde o primeiro instante. O cenário é um palacete na América Latina (não se identifica o país, apenas a pobreza e o regime autoritário). Para convencer um empresário japonês a instalar nesse país a sua fábrica, as autoridades resolvem organizar um recital de ópera com a sua cantora favorita.

Um grupo rebelde, sabendo da presença do Presidente da República no evento, avança para um sequestro. O Presidente acaba por não ir porque não quer perder um episódio da telenovela (demasiado caricato...), os rebeldes veem-se em mãos com largas dezenas de reféns e partem para exigências (quase) impossíveis de cumprir. O que o filme faz, com alguma ingenuidade, é a humanização das partes. Ao longo dos dias de sequestro vão estabelecendo relações sociais, passando o espaço a funcionar como um case study de sociologia comportamental.

A organização social estabelece-se de forma harmoniosa, criando-se laços fortes, não só entre os reféns mas também entre eles e os sequestradores, dando a ideia de que o verdadeiro inimigo, o verdadeiro vilão, está do lado de fora. Tudo isto é completado por uma banda sonora endógena, já que uma das reféns, interpretada por Julianne Moore, é precisamente a tal virtuosa cantora de ópera, capaz de comover corações tresmalhados.

Veja o trailler do filme

Bel Canto > De Paul Weitz, com Julianne Moore, Christopher Lambert, Thorbjørn Harr, Ken Watanabe > 102 min