Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

As 15 melhores geladarias artesanais do País: para comer, antes que os gelados derretam

Comer e beber

Roteiro fresco, fresquinho, com as mais recentes geladarias artesanais, as sobre rodas que vão andar por aí durante o verão e as clássicas às quais convém sempre regressar. Sem esquecer os novos sabores que há para provar, como spaghetti, kéfir com algas marinhas e cebola caramelizada

Florbela Alves e Sandra Pinto

Cebola caramelizada é um dos sabores criados recentemente pelo mestre geladeiro Filippo Licitra, da Davvero, mas há outras novidades menos estranhas, como o sorvete de leite de coco e o gelado de requeijão e abóbora

Cebola caramelizada é um dos sabores criados recentemente pelo mestre geladeiro Filippo Licitra, da Davvero, mas há outras novidades menos estranhas, como o sorvete de leite de coco e o gelado de requeijão e abóbora

Mário João

NOVIDADES

1. Gelato Davvero, Lisboa, Almada, Aveiro e Olhão

Foi em finais de abril que a Gelato Davvero se instalou na entrada do Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Aqui, como nas outras lojas abertas pelos amigos de infância italianos Riccardo Farabegoli e Filippo Licitra, são mais de 20, os sabores à escolha (pequeno €2, médio €3, grande €4, grandíssimo €5). Todas as manhãs, duas funcionárias descascam e cortam à mão muitos quilos de fruta, vinda do Mercado da Ribeira. “Isto dá muito trabalho, mas também dá aos gelados um sabor e qualidade diferentes. Aqui não compramos nada feito, congelado ou com químicos”, explica Riccardo Farabegoli, que trata das contas, da área do marketing e do que mais for preciso, diz. Quem manda na cozinha é Filippo Licitra, mestre geladeiro, que confeciona os gelados artesanais a partir de uma base feita com leite e natas, e açúcar. Ao lado dos “reis” da ementa, chocolate e morango, há também sabores como sésamo, cheesecake de caramelo e chocolate salgado. “É preciso olhar para um gelado como uma sobremesa e não tanto como algo para tirar a sede”, aconselha Riccardo.

CCB, Pç. do Império, lj. 3, Lisboa > T. 21 805 3329 > seg 12h-20h, ter-qui 10h-20h, sex 10h-21h, sáb 12h-21h, dom 12h-20h > Pç. S. Paulo, 1, Lisboa > T. 21 605 3054 > ter-qua 12h-20h, qui-sáb 12h-24h, dom 13h-20h > R. Cândido dos Reis, 29, Cacilhas, Almada > T. 96 043 0270 > ter-qui 13h-20h30, sex-dom 12h-24h > Carrinho Forum Aveiro, R. Aveiro > T. 234 423 596 > seg-qui 10h-23h, sex-sáb 10h-24h > Pç. Patrão Joaquim Lopes, 21, Olhão > T. 289 099 425 > seg-dom 9h-21h

O tahini 
com laranja “junta creme de sementes de sésamo com doce de laranja, que traz pedacinhos da casca porque a fruta é confitada”, explica Olga Ramos, responsável pelo gelado da Giallo

O tahini 
com laranja “junta creme de sementes de sésamo com doce de laranja, que traz pedacinhos da casca porque a fruta é confitada”, explica Olga Ramos, responsável pelo gelado da Giallo

Mário João

2. Giallo Gelado Artesanal, Lisboa

O copo vem com morango, pistácio e avelã. Não somos de arriscar muito na escolha, mas os sabores servem de barómetro à qualidade do gelado. E a Giallo – com lojas no Largo do Chafariz de Dentro, frente ao Museu do Fado, e em Campo de Ourique, virada ao Jardim da Parada –, passa com distinção no teste: sabor que se prolonga na boca, cremosidade e doçura no ponto. À boa maneira italiana de fazer gelado junta-se a qualidade dos ingredientes: leite Vigor do dia, pistácio siciliano, avelã de Piemonte, ervas aromáticas do mercado bio do Príncipe Real, morango biológico comprado diretamente ao produtor, água mineral. “Bons casamentos, não poupamos a trabalho”, diz Olga Ramos, filha dos proprietários e responsável pelas receitas da casa.
A lista chega aos 28 sabores, servidos em cone ou copo (1 bola €2,30, 2 bolas €3, 3 bolas €3,70, 4 bolas €4,30) – para dividir é o cone-bouquet, com seis bolas de gelado (€6,20). Se há sabores que se mantêm, como o mascarpone com morango, o limão com mel e alecrim, o caramelo salgado ou a manteiga de amendoim com chocolate, a ideia é ir rodando sempre a oferta. “As pessoas gostam de experimentar conjugações diferentes”, afirma Olga, anunciando as novidades: maçã verde com lúcia lima, pera com nozes e Vinho do Porto, tahini com laranja, gengibre com maracujá e manga com raspa de lima. É ir passando pelo balcão da Giallo e arriscar na escolha. I.B.

Lg. do Chafariz de Dentro, 36, Lisboa > T. 21 090 8657 > seg-dom 9h-22h > R. da Infantaria 16, 57, Lisboa > T. 21 090 8657 > seg-dom 13h-20h

Os sabores feitos com frutos secos são os mais originais da ementa da Fiori, em Lisboa. Alguns deles juntam-
-se, por exemplo, na taça Tejo (€9,50), feita com chocolate, avelã, amendoim e toppings

Os sabores feitos com frutos secos são os mais originais da ementa da Fiori, em Lisboa. Alguns deles juntam-
-se, por exemplo, na taça Tejo (€9,50), feita com chocolate, avelã, amendoim e toppings

Mário João

3. Fiori, Lisboa

Dentro do “chalet” de madeira, que remonta a 1904 e que durante décadas serviu de instalações à antiga Guarda Fiscal, mesmo em frente ao rio Tejo e junto à renovada Praça do Cais do Sodré, em Lisboa, vendem-se desde junho os gelados da Fiori. Seja na esplanada, a ver passar cacilheiros e catamarãs, seja no interior decorado em tons de rosa, podem saborear-se gelados de cheesecake de cereja, chocolate, morango e manga e muitas outras combinações com fruta fresca e frutos secos (1 bola €2,90, 2 bolas €3,90 3 bolas €5,30). “Os nossos gelados são artesanais e elaborados diariamente, não levam qualquer aditivo, nem conservantes, aromatizantes e corantes, pelo que a validade é relativamente curta”, explica Rosinda Castanhas, uma das proprietárias que gere a Fiori juntamente com os responsáveis pelos vizinhos restaurantes e Café IBO. A ideia de abrir uma geladaria artesanal surgiu “numa das minhas viagens a Itália, em que tive a oportunidade de visitar uma gelataria artesanal em Roma que tinha na sua génese um laboratório de gelados”, conta Rosinda.

Cais do Sodré, Armz. A, Lisboa > T. 21 342 3611 > seg-dom 12h-20h

O gelado de esparguete da MoM-mo, no Porto, é feito com uma base de chantilly, três bolas de baunilha transformadas em fios de esparguete, molho de morango e chocolate branco a lembrar queijo ralado (€5/taça)

O gelado de esparguete da MoM-mo, no Porto, é feito com uma base de chantilly, três bolas de baunilha transformadas em fios de esparguete, molho de morango e chocolate branco a lembrar queijo ralado (€5/taça)

Rui Duarte Silva

4. Mo-Mo, Porto

Foi em Cracóvia, na Polónia, onde o bracarense Luís Montes e a mulher, a ucraniana Kateryna Moskalets, viveram oito anos, que ambos idealizaram esta geladaria, aberta em abril no Porto. “Ali, as geladarias são uma vitrina à frente da porta a venderem o gelado para fora”, contam. Daí que a Mo-Mo (as primeiras letras dos seus apelidos) tenha 20 metros quadrados e apenas meia dúzia de lugares no exterior. Os gelados são criados lá dentro, “sem corantes nem conservantes”. É Kateryna quem os faz, depois de um curso em Bolonha, Itália, e de ter trabalhado numa geladaria em Berlim. Entre os 18 sabores (1 bola, €1,50), há kiwi com banana da Madeira, figo com vinho do Porto, chocolate com menta, iogurte biológico, amendoim com chocolate e caramelo, e café (feito com o Vernazza Coffee Roasters que se consome na loja).

R. Mártires da Pátria, 171, Porto > T. 91 830 6158 > ter-dom 12h-20h

Açaí com ou sem granola, abacate, morango com manteiga de amendoim e pretzel, pistáchio de Bronte com avelã de Piemonte são os gelados mais recentes na Spirito Cupakes & Coffee, com lojas no Porto e Braga

Açaí com ou sem granola, abacate, morango com manteiga de amendoim e pretzel, pistáchio de Bronte com avelã de Piemonte são os gelados mais recentes na Spirito Cupakes & Coffee, com lojas no Porto e Braga

Lucília Monteiro

5. Spirito Cupcakes & Coffee, Porto e Braga

Em dezembro passado, Nuno Freitas, com Ricardo e Eduardo Pereira (cunhado e sogro, respetivamente), abriu no Porto a irmã mais nova da Spirito Cupcakes & Coffee de Braga. São 12, os sabores em cada dia, que rodam entre as 250 receitas criadas desde que a marca nasceu, há cinco anos. Açaí com ou sem granola, abacate, morango com manteiga de amendoim e pretzel, pistáchio de Bronte com avelã de Piemonte são os gelados mais recentes. Mas Nuno ainda se lembra dos primeiros sabores feitos a partir de “experiências com produtos portugueses”, como o de Bolacha Maria com doce de ovos ou o de Nestum/Cerelac, que prometiam “levar o cliente à infância”. Este último continua a ser um dos mais procurados (€2,60/cone ou copo), tal como os de cheesecake de frutos vermelhos, abacaxi com hortelã ou maracujá.

Pç. Gomes Teixeira, 36, Porto > dom-ter 13h30-19h, qua-sáb 13h30-19h, 21h-24h > Lg. de S. João do Souto, 19, Braga > seg-qui 13h30-19h, sex-sáb 13h30-19h, 21h-24h

Gelado de chocolate branco, curd de lima e pistáchio é uma das novidades mais recentes na 1927 - Gelataria Portuense, tal como o gelado de creme de ovo com requeijão de ovelha e figo caramelizado

Gelado de chocolate branco, curd de lima e pistáchio é uma das novidades mais recentes na 1927 - Gelataria Portuense, tal como o gelado de creme de ovo com requeijão de ovelha e figo caramelizado

Lucília Monteiro

6. 1927 – Gelataria Portuense, Porto

Mais do que uma geladaria, a 1927 – Gelataria Portuense é um autêntico laboratório de gelado. Aberta por Ana Ferreira no verão passado, na baixa do Porto, quer dar-nos a provar “o verdadeiro gelado italiano”, com “10% a 13% de gordura e 15% de açúcar no máximo”, garante a antiga arquiteta. Na cozinha, ao fundo da loja, apuram-se os ingredientes que hão de ser batidos na máquina inventada pelo italiano Ottelo Cattabriga, em 1927, à vista do cliente, no balcão. Há sabores que variam consoante a época. Agora, diz Ana, “é tempo de morangos, framboesas e limões”. Mas entre os 22 gelados, encontra-se o ananás dos Açores com basílico, o stracciatella, o café, o coco e o Porto Tawny, disponíveis para provar num menu de degustação (€7), com seis sabores à escolha. Os gelados de pauzinho (baunilha, café, chocolate e avelã, chocolate negro) e o biscotto (duas bolachas de brownie com gelado de avelã ou de chocolate branco com pistachio) são as criações mais recentes de Ana Ferreira.

R. do Bonjardim, 136, Porto > T. 22 242 3223 > seg-qua 12h-22h, qui-dom 12h-24h

SOBRE RODAS

7. PizPireto, Lisboa

Desde meados de março que os gelados artesanais da PizPireto estão disponíveis em frente ao MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Belém, Lisboa. “O lugar é maravilhoso e a paisagem, linda”, diz Ricardo Poço, um dos responsáveis desta geladaria e fábrica, aberta, em janeiro, perto do Parque Eduardo VII. Junto ao museu, podem saborear-se 15 sabores diferentes por mês, entre gelados frutados (€2,50, com 50 a 80% de fruta ), cremosos (€2,50, com uma base de leite e fruta, €2,50) ou recheados (€3, com diferentes recheios, como leite condensado, marmelada, compotas...). No topo das preferências estão os gelados de morango com recheio de leite condensado, o de acabaxi e hortelã, e o de açaí. MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia > Av. Brasília, Lisboa > stand: CC Colombo, no jardim exterior, piso 2 > loja: R. Padre António Vieira 44A, Lisboa > T. 21 138 0198 > outros pontos de venda em Lisboa: Skyna Hotel Lisboa, Charcutaria Moy, loja Made in Brazil

8. Santini, Lisboa, Oeiras, Cascais

A Santini nasceu há mais de 60 anos no Tamariz e hoje já tem sete lojas em Lisboa, Cascais e Porto. A estas juntam-se três carrinhos (que levam seis sabores) e duas carrinhas Vantini (com uma ementa de 10 sabores), que, a partir de maio, andarão por aí. O Somersby Out Jazz, em vários jardins da capital (maio a setembro), o Lisboa Art & Moto, na Lx Factory (26-28 mai), o Mercado Stylista, na Fiartil – Feira de Artesanato do Estoril (27-28 mai), e as Festas do Mar, na Baía de Cascais (19-27 ago) são alguns dos próximos poisos. Jardins de Lisboa, Lx Factory, R. Rodrigues de Faria 103, FIARTIL – Feira do Artesanto do Estoril, Av. Amaral, Estoril e Baía de Cascais

9. Sou Sweet, Porto

Além da loja nas Galerias Lumière, a Sou Sweet anda pelo Porto, desde 2013, num “carretino” rosa e branco. Os gelados criados pela professora Alexandra Madeira podem ser encontrados, nos próximos meses de verão, em alguns mercados e feiras da cidade. Sempre com três sabores diferentes a bordo, o “carretino” já viaja com o gelado de açaí, a mais recente novidade da marca, e, em breve, terá também o de cereja. Mercado Porto Belo > Pç. Carlos Alberto, Porto (e em outras feiras da cidade) > T. 91 704 4774

Mário João

GELADARIAS CLÁSSICAS

10. Conchanata (desde 1948), Lisboa

Fundada pelos italianos Quintílio e Alfo Tarlattini, pai e avô do atual dono, Michele Tarlattini, a geladaria Conchanata mantém, ainda hoje, o mesmo espírito familiar e caseiro de sempre. Por aqui, parece que o tempo não passou, nem na decoração, nem na forma como os gelados são feitos. Michele utiliza exatamente as mesmas máquinas que o seu pai e avô usavam. Ao balcão, está a sua mulher Celina e também o filho de ambos. O sabor com mais saída continua a ser a nata, talvez por ter presença obrigatória na famosa taça Conchanata (€4), composta por uma bola deste gelado mais três à escolha, cobertas com molho de morango. No cone com duas bolas (€2,50), podemos optar por sabores como ananás, framboesa, doce de leite, ou, os mais recentes, tangerina e banana. F.C.

Av. Igreja, 28A, Lisboa > T. 21 849 1741> ter-dom 14h-23h

Alexandre Bordalo

11. Surf (desde 1978), Lisboa

Há cerca de 40 anos, “um cone com duas bolas custava 25 tostões”, lembra Mário Simões, o proprietário da Surf, nascido em Cabinda, África, há 79 anos. Nessa altura, e durante muitos anos, eram conhecidas as filas para se entrar nesta geladaria lisboeta que se apresentava com 24 cubas de gelados, uma modernice para a época. Antes de se decidir a batizá-la de Surf (“um nome bonito que vi numa revista americana”, conta), Mário Simões fez várias visitas a outras casas comerciais para descobrir em que área deveria apostar. Encontrou a resposta quando entrou na geladaria Pindô, ainda hoje a funcionar, e gostou do que viu. Passadas quase quatro décadas, aumentou a oferta para 48 cubas (com cerca de 40 sabores e preços entre €1,70 e os €5) e acrescentou outras combinações de ingredientes. Ainda assim, continuam a ser o morango, o chocolate e a baunilha, os mais vendidos. “Só uso fruta fresca, principalmente da época, não tenho nada artificial”, justifica. “Em dias de sol, tenho sempre a casa cheia, porque para os portugueses um gelado serve para refrescar a boca e não como sobremesa, como acontece em Itália”, diz. Hoje em dia, com os avós já vêm filhos e netos... e um cone com duas bolas já custa €2,70.

Av. Manuel da Maia, 56, Lisboa > T. 21 848 7946 > seg, qua-dom 11h-20h, a partir de junho até às 24h

Marcos Borga

12. A Veneziana ( desde 1933), Lisboa

Quando o italiano Luca Giovanni criou A Veneziana não havia geladarias em Lisboa. Começou por vender os seus gelados em carrinhos ambulantes e só três anos mais tarde abriu a primeira loja na Praça dos Restauradores, onde se mantém há mais de 80 anos. Nada mudou nesta pequena casa. Maria Odete, funcionária ali há 44 anos, recorda as longas filas que se faziam no passado: “Não se parava um minuto. Havia dias em que os gelados acabavam às cinco horas da tarde, mas os clientes ficavam à espera que chegassem mais da fábrica. Os gelados continuam a ser feitos como antigamente, com fruta fresca e da época, não há cá polpas ou químicos”, garante, apontando os clássicos d’A Veneziana: o ¼ Cassata (€4,10), com baunilha, chocolate, morango, frutas cristalizadas, nata e amêndoa torrada, e o spaghetti (€4,10), feito com chantilly, baunilha, calda de morangos caseira e suspiro.

Pç. Restauradores, 8, Lisboa > T. 21 342 2860 > seg-dom 13h-21h, a partir jun 13h-24h

Mário João

13. Emanha (desde 1980), Figueira da Foz e Lisboa

“Tinha uns sobrinhos que vendiam gelados na praia e entusiasmaram-me com o negócio”, lembra Américo Nogueira, hoje com 80 anos, que deu à sua geladaria na Figueira da Foz o nome de uma terra no Huambo, Angola, de onde viera com a família. A Emanha confunde-se com o verão na cidade, mas a casa sempre teimou em abrir todo o ano. Aos 30 sabores iniciais, somaram-se já mais de uma centena. “Tenho aí umas amêndoas caramelizadas com açúcar, piripíri e sal que hei de experimentar num gelado”, revela Américo, que criou, há pouco, um gelado de alfarroba (€2,20/bola) e, há dois anos, foi premiado pelo de kéfir e algas marinhas.

Av. 25 de Abril, 62, Figueira da Foz > T. 233 426 567 > Esplanada Silva Guimarães, Figueira da Foz > T. 233 402 860 > R. Ilha dos Amores, lote 4.08.01, Edifício Espelho do Tejo – Piso O, Lisboa > T. 21 894 5018

Fernando Veludo / NFactos

14. Neveiros (desde 1950), Porto

Continua a ser a preferida de muitos, incluindo chefes de cozinha que, por vezes, enviam alguns pedidos “estranhos” a Maria Adelina Guedes, 67 anos, a proprietária da Neveiros, a mais antiga geladaria do Porto. “Ainda ontem fiz um gelado de azeite a pedido de um chefe”, conta-nos, entre risos. Há dias, criou um outro de cogumelos, outro ainda de pepino e mais outro de beterraba. “Não são sabores para ter na vitrina, são só para as criações dos cozinheiros”, explica. Na loja da Rua da Alegria, próxima da garagem onde a marca nasceu em 1950, pelas mãos de Alda Freiria, existem mais de 60 sabores, que vão rodando todos os dias. O maria framboesa (gelado de nata com camadas de compota de framboesa e bolacha maria), e o ana limão (limão com amendoim crocante) estão entre os preferidos (€1,70/1 bola a €3,70/3 bolas), mas também os sazonais de dióspiro, melancia/limão ou tangerina. “Há clientes que me dizem que é como comer uma tangerina, sem ter de a descascar”, orgulha-se Maria Adelina. Quem quiser pode levar a Neveiros para casa em caixas de meio e um litro (€7 e €12).

R. da Alegria, 930, Porto > T. 22 537 0005 > seg-sáb 8h30-19h > Mercado do Bom Sucesso, Pç. Bom Sucesso, 132, Porto > seg-dom 10h-23h

Lucília Monteiro

15. Sincelo (desde 1980), Porto

Teresa Aguiar tinha dois anos quando nasceu a Sincelo. Lembra-se bem de se sentar na geladaria da Rua de Ceuta, no Porto, com os pais, e de se lambuzar com os gelados. Terá sido, em parte, devido a essas memórias de infância que a empresária do ramo hoteleiro adquiriu a Sincelo, em 2015, pouco depois do falecimento do Sr. Torres, o seu fundador. O laboratório de produção continua a estar no piso inferior da loja – que Teresa Aguiar renovou, mantendo parte da decoração vintage, como os espelhos, o balcão e as cadeiras de outros tempos. As vitrinas continuam a ter os clássicos (o de iogurte foi elogiado há uns anos pelo chefe de cozinha inglês Jamie Oliver), o de maracujá (o mais vendido), o doce de leite, mas também lá há novas criações, como o sorvete de chocolate com stevia, o de morango com lima ou o de maracujá com coco (€2,50/uma bola). Em breve, retoma-se o fabrico das cassatas, bolos bem geladinhos.

R. de Ceuta, 54, Porto > T. 22 200 4725 > seg-dom 13h30-00h30 > Passeio de S. Lázaro, 14, Porto > seg-dom 13h-19h > Cais da Ribeira, 45, Porto > seg-dom 10h30-20h