O MAAT faz dois anos e a festa dura três dias Se7e
Sair

O MAAT faz um ano e dá-nos festa durante dois dias

Três novas exposições, uma noite com o dj Moullinex e um dia inteiro de atividades com entrada livre são os presentes que o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa, preparou para assinalar o primeiro aniversário. A festa começa esta quarta-feira, 4, às 23 horas, na Project Room

Turismo de Portugal desafia portugueses fazer um "Plano pelo Centro”
Iniciativas

Turismo de Portugal desafia portugueses fazer um "Plano pelo Centro”

Quatro realizadores portugueses em campanha a favor da região Centro de Portugal

'Ornamento e Crime': Chicago é aqui ao lado Se7e
Ver

'Ornamento e Crime': Chicago é aqui ao lado

O realizador Rodrigo Areias reinventa os filmes noir americanos dos anos 40, deslocando o seu contexto e deixando a sua marca. Ornamento e Crime já está nas salas de cinema

A cidade onírica de Edgar Pêra Se7e
Ver

A cidade onírica de Edgar Pêra

O realizador Edgar Pêra aventura-se numa dimensão alternativa, criando fotografias de Lisboa para ver com óculos 3-D

Virados do Avesso, de Edgar pêra - para esquecer Jornal de Letras
Cinema

Virados do Avesso, de Edgar pêra - para esquecer

Edgar Pêra é uma espécie de Frank Zappa do cinema português. Pioneiro e vanguardista, criou a ideia de self-made-cinema, elaborou uma semântica própria para depois fugir dela.

Edgar Pêra: "TODOS OS DRÁCULAS SÃO TIRANOS"
Cultura

Edgar Pêra: "TODOS OS DRÁCULAS SÃO TIRANOS"

... e TODOS OS TIRANOS NOS SUGAM O SANGUE. Chama-lhe um remake neurogótico, mas O Barão, de Edgar Pêra, é, sobretudo, uma nova experiência cinematográfica, um filme que se destaca formalmente de tudo o que costuma passar em cartaz. Há imagens sobrepostas, legendas que se recusam a submeter-se à parte inferior do ecrã e uma montagem endiabrada. Também a música das Vozes da Rádio, a atuação visceral de Nuno Melo e um sentido estético tão vintage como vanguardista. O JL falou com o realizador e, no site, recuperamos o texto sobre o filme publicado aquando do IndieLisboa

O BARÃO: BRUMAS DA MEMÓRIA
Cultura

O BARÃO: BRUMAS DA MEMÓRIA

É o filme mais "sóbrio e natural", se as palavras se unissem, desta secção, que, aliás, também integra o Observatório, onde costumam ficar alojados outros objetos não identificados à primeira vista. O lado fantasmático começa logo antes de começar, no genérico desta história com guião de Luísa Costa Gomes, inspirada na novela homónima de Branquinho da Fonseca, quando o próprio autor, que se define como "cineasta precário à rasca" (esta é a sua terceira longa, em 20 anos, mas a primeira com apoio) fala de "remake neurogótico de um filme fantasma, realizado durante a 2.ª Guerra, proibido pelo ditador por retratar um tiranete, um vampiro marialva (Nuno Melo) que aterrorizava os habitantes de uma região montanhosa".

Sexta, meia-noite e uma guitarra Jornal de Letras
Música

Sexta, meia-noite e uma guitarra

A última sexta foi um sucesso. A guitarra de José Manuel Neto ecoou em casa cheia, acompanhada pela voz de Camané. O ciclo segue em frente, desta vez com  Estórias de uma Lisboa fora de si contadas por Louro e Lima. Cinema São Jorge, Lisboa, dia 12

Cultura

Amadeo? Kual Amadeo?

Com todos capas, Edgar Pêra apresenta mais uma das suas alucinantes experiências cinematográficas. Desta vez o pretexto é o pintor Amadeo Souza-Cardoso, a propósito de uma exposição na Gulbenkian. Uma das protagonista é Joana Amaral Dias. É caso para perguntar: o que Amadeo pensaria de Edgar Pêra?