Boca do Inferno

Ideias claras sobre vagas

Alguns especialistas lamentaram as posições contraditórias da OMS, dizendo que podiam transmitir uma mensagem confusa aos cidadãos, o que não é verdade. Toda a gente ficou com a ideia bem clara de que a OMS não faz a mais vaga ideia sobre a ocorrência de novas vagas

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Afinal não

Eu estava habituado a que a ciência me pusesse a fazer figura de parvo na escola, por intermédio de perguntas a que eu não sabia responder, nos testes de Física, Química e Biologia. O que eu levo a mal é que a ciência continue a conseguir pôr-me a fazer figura de parvo 30 anos após o fim do liceu

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

As zaragatoas e os cordões sanitários assinalados

Tenho assistido ao esforço inglório de encontrar poesia na terminologia médica da doença e no prosaísmo da situação em que estamos. Tudo matéria bastante comezinha, a juntar ao facto de, segundo o Visconde de Castelões, Covid não rimar com muito mais do que cabide, pevide e Moscavide

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Como evitar despreocupações

Um dos aspectos mais difíceis de compreender no mundo actual é a profusão de livros, páginas de internet e serviços de profissionais de saúde mental que se destinam a ensinar as pessoas a não se preocuparem. Não se preocupar era, no meu tempo, uma operação que se efectuava sem qualquer esforço

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Efeitos secundários da covid

As pessoas que não são afectadas pelo brutal aumento do desemprego, pelas falências em massa e pela recessão económica, agradecem muito à covid estes tempos de reclusão, que têm sido tão bons para intensificar o contacto com a família, meditar no sentido da vida e alinhar os chacras

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

A nacionalidade do coronavírus

Nutro profunda admiração por quem tem espírito científico, e mais ainda por todos aqueles em quem o espírito científico surge associado a uma vocação para controlador aduaneiro. Conhecer o vírus do ponto de vista científico é importante, mas dar uma vista de olhos no seu passaporte também dá jeito

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

É um pássaro! É um avião! Não, é um profissional de saúde

Se o prestígio do Homem-Aranha não resiste à possibilidade de o vermos a estender a roupa, quão super é o herói?

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Estamos todos na mesma metáfora

Se vai operar figuras de estilo, deixe as metáforas náuticas para os engenheiros navais

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Condes de Monte Cristo

Uma vez que somos todos Condes de Monte Cristo, presos apesar de inocentes, fui procurar, na obra de Alexandre Dumas, ensinamentos úteis para estes tempos. Não encontrei, infelizmente

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

A minha quarentena é melhor que a tua

No Decameron, conta-se que dez jovens se refugiam da peste negra e, durante dez dias, contam cem histórias uns aos outros. Eu estou de quarentena há quase três semanas e ainda não ouvi história nenhuma. Já ouvi reprimendas, gritos e lamentos. Histórias, nada

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Sangue, suor e likes

Situações como a que estamos a passar trazem ao de cima o melhor das pessoas. 
E, felizmente para mim, também o pior

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O fim da civilização e o rabo

A Covid-19 ameaça acabar com a civilização tal como a conhecemos e o primeiro pensamento da raça humana vai para o rabo

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Sobre a impossibilidade de existir

É perigoso falar, seja de que maneira for, e também é problemático estar calado

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O rapaz que gritou coronavírus

Ninguém nega que haja um ou outro cérebro feito em papa, como algumas decisões recentes da Humanidade parecem revelar, mas a carne de vaca, em princípio, tem menos responsabilidades no assunto do que os smartphones e as redes sociais

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O Marega joga nosso

Quando alguém, na bancada, começa a imitar um gorila, realmente fica óbvio para todos que há um símio no estádio. Não está é no relvado

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Cidade mulher da minha carestia de vida

Se é mais fácil arrendar casa em Barcelona, arrendemos casas em Barcelona – e continuemos a trabalhar em Lisboa. Este é o meu plano: vamos morar para Barcelona e todos os dias compramos um bilhete numa low cost de ida e volta para Lisboa. Chegamos de manhã à Portela, provavelmente gastando menos tempo e menos dinheiro em transportes

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Agarra, que não tem o passe

Esquecer-se de um documento em casa vale uma violenta detenção; agredir barbaramente uma pessoa passa impune, e não há um agente com gosto por rebolar no chão que apanhe o bandido. Somos uma sociedade com uma noção de justiça um pouco estranha

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

What’s in a Chicão?

O facto de não haver mulheres na direcção do Chicão, até ver, não passa de coincidência. Enquanto não o ouvirmos cantar, com alma e sentimento, “Eu tive um cavalo ruço / que se chamava Gingão”, não devemos precipitar-nos para juízos definitivos

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O Banco de Portugal não regula bem

Enquanto entidade reguladora, o Banco de Portugal tem alguns problemas. Designadamente, o facto um pouco problemático de não regular nada

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O cão comeu-me o Código Penal

Talvez haja energúmenos que são eternos insatisfeitos, e fiquem desapontados com a dimensão dos hematomas que provocam. Nesse caso, talvez se possa dizer que, de facto, é difícil saber se um agressor, agredindo, cumpriu o propósito de agredir

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Quando o mar bate na rocha quem se lixa é o Iraque

Aquela ideia da borboleta que bate as asas em Chicago e provoca um tornado em Tóquio, nunca consegui confirmar – embora defenda que, à cautela, se devia descobrir e matar essa pérfida borboleta. Mas que o Iraque começa a estoirar quando há impeachment na América, isso é um facto cientificamente comprovado

Ricardo Araújo Pereira Ricardo Araújo Pereira