Como a doença inflamatória intestinal transforma a juventude

Como a doença inflamatória intestinal transforma a juventude

Será que consigo encontrar uma casa de banho? A pergunta que Vera Gomes faz a si mesma, sempre que sai de casa, chegou, em algumas ocasiões, a dar origem a ataques de pânico e a crises de ansiedade. Por sofrer de Colite Ulcerosa, uma doença inflamatória intestinal que se manifesta, na maioria das vezes, em jovens adultos, Vera Gomes teve de aprender a lidar com idas constantes aos sanitários – 30 vezes por dia, nas fases mais agudas –, com perdas de peso repentinas e com um sono com pouca qualidade  (chega a passar noites em claro, na casa de banho). 

“É uma sensação de frustração e impotência. É como se o meu corpo não conseguisse acompanhar a mente e me obrigasse a abrandar. Também é difícil gerir a consciência de que, por minha causa, os que me são mais próximos sofrem”, assume. O mais difícil, porém, garante, “é a vergonha e a humilhação” que sentiu nas ocasiões em que, por não conseguir reter as fezes, se sujou em público. 

Pelo impacto que provocam (físico e emocional), as doenças inflamatórias intestinais, que afetam cerca de 24 mil pessoas em Portugal, e cujas formas mais comuns são a colite ulcerosa e a doença de Crohn, são muitas vezes entendidas pelos doentes como “catastróficas”, considera o psicólogo Jorge Ascensão, da Associação Portuguesa da Doença inflamatória do Intestino (APDI). “O caráter crónico, o prognóstico imprevisível, a própria experiência e conhecimento sobre doenças crónicas ou mesmo sobre as doenças inflamatórias do intestino, bem como as relações prévias e atuais com os médicos e os técnicos de saúde, irão colocar à prova, numa tempestade emocional, as competências de qualquer um”, afirma o especialista.

Nos períodos em que a patologia está ativa, a prevalência de perturbações de ansiedade moderada a grave, entre os pacientes, ronda os 60%, enquanto as perturbações depressivas atingem 30%. Os estudos indicam, ainda, que metade dos doentes sofre de perturbações do sono. “Em muitos casos, estas patologias psicológicas não estão relacionadas com a gravidade da doença de Crohn ou da colite ulcerosa, mas com a perceção negativa que a pessoa tem de si e do mundo, a partir do momento do diagnóstico”, diz Jorge Ascensão.

Um impacto psicológico que, como explica a psicóloga e investigadora da Universidade de Gotemburgo (Suécia) e da Universidade de Coimbra Inês Trindade, “é mais acentuado em adolescentes e jovens adultos”. É que, além dos sintomas, um adolescente, por exemplo, pode ser também confrontado com atrasos na puberdade ou no desenvolvimento, além do impacto que a doença pode ter na vida social. “Por isso, o acompanhamento nestas faixas etárias é considerado particularmente importante. É fundamental que estes jovens desenvolvam ferramentas que os ajudem a lidar com as adversidades (desde sintomas físicos a emoções, como medo ou vergonha)”, diz.

A necessidade de recorrer ao apoio psicológico
Diagnosticada aos 26 anos, depois de seis meses de várias idas às urgências, com infeções e reações alérgicas, Vera Gomes começou a ser acompanhada por um gastrenterologista e, pouco depois, acabou também por recorrer à psicoterapia.  “Cheguei a um ponto em que era muito difícil gerir a doença, os danos colaterais e o sentimento de impotência”, sublinha, contando que, durante oito anos, só falava da colite ulcerosa aos “mais próximos”.

“As pessoas falam mais abertamente sobre sexo do que sobre o que se passa no wc. Ninguém quer ouvir falar sobre cocó, sobre sujar as cuecas, sobre ter dores 24 horas por dia, sete dias por semana”, considera. “Isso faz com que [os doentes] não falem sobre o assunto a não ser com os mais chegados.” Hoje, trabalha “em prol da sensibilização e educação para este tipo de doenças” e afirma que foi “aprendendo a ser mais resiliente e a lidar com os altos e baixos da doença”. “Desenvolvi estratégias para gerir a doença. Tenho uma espécie de radar interno para saber onde são as casas de banho. Também guardo mudas de roupa no carro, no escritório e um kit básico para usar em caso de ‘acidente’”.

Entre diversas psicoterapias possíveis, a investigadora Inês Trindade afirma que as que “têm maior eficácia demonstrada, e por isso mais recomendadas, são as terapias cognitivo-comportamentais, incluindo as de terceira geração”. “Baseiam-se, por exemplo, no treino de aceitação e de mindfulness, assim como na identificação e implementação de estratégias comportamentais que nos ajudam a viver uma vida plena e que nos faz sentido, mesmo em contexto de doença”.

Uma doença ainda pouco conhecida
Muitas vezes, estes doentes são confrontados com “um desconhecimento geral” sobre a doença”, diz Jorge Ascensão, frisando que uma das missões da APDI é justamente esclarecer a população. Gabriel Pinto, de 22 anos, passa frequentemente pela experiência. Quando conta, pela primeira vez, a alguém que sofre de Doença de Crohn, costuma ouvir comentários como: “Isso é tudo psicológico. Vais ver que passa”, “Se tomares umas vitaminas, deixas de ter dores de barriga”, ou ainda “Basta deixares de comer fast food e ficas bem”.

Noutros casos, a falta de informação e o estigma associado à doença acabam por condicionar a vida social. “Sinto que alguns dos meus amigos se preocupam demasiado e, numa viagem longa, por exemplo, me perguntam se tenho a certeza que é seguro ir”, conta Gabriel Pinto, assumindo o desconforto com este tipo de questões.

O professor de teatro tinha 19 anos quando começou a ter os primeiros sintomas. “Em março de 2020, comecei a ter muitas dores de barriga. Emagreci 15 quilos. Os médicos começaram por me dizer que era intolerante à lactose, depois ao glúten. Só um ano e quatro meses depois é que detetaram o que de facto tinha”, recorda, contando que, sobretudo nos primeiros tempos, sofreu de ansiedade “por não saber nada sobre a doença”. “Os médicos que me acompanharam ajudaram-me bastante”, conta o jovem, que neste momento tem a doença “relativamente controlada” graças ao tratamento biológico que faz.  “Fui recentemente operado a uma fístula [comunicação anómala entre duas ou mais estruturas do corpo]. Recuperei bem e voltei à vida normal.”

Poucos especialistas

Jorge Ascensão, psicóloga da Associação Portuguesa da Doença inflamatória do Intestino (APDI), alerta para o número insuficiente de psicólogos no serviço nacional de saúde (SNS) que possam acompanhar quem sofre de doença inflamatória intestinal.  “A APDI, desde o primeiro dia, disponibiliza aos associados e familiares acompanhamento psicológico. Nos últimos anos, temo-nos dedicado também à formação de jovens psicólogos nestas patologias”.

Conheça a fundo a DOENÇA INFLAMATÓRIA DO INTESTINO: 40 dúvidas respondidas e 5 vídeos essenciais

CAPA DA EDIÇÃO

Mais na Visão

Mais Notícias

Anacom ordena fim das ofertas de telecomunicações que violam a neutralidade da internet

Anacom ordena fim das ofertas de telecomunicações que violam a neutralidade da internet

18 bomber jackets para dar as boas-vindas ao frio

18 bomber jackets para dar as boas-vindas ao frio

"Crimes do Futuro", de David Cronenberg: Uma tatuagem no fígado

Campanha dos Bancos Alimentares

Campanha dos Bancos Alimentares "superou todas as expectativas" - Isabel Jonet

A 58.ª edição da Capital do Móvel abre portas, na Alfândega do Porto, dia 26

A 58.ª edição da Capital do Móvel abre portas, na Alfândega do Porto, dia 26

Twitter: contas verificadas (com cores diferentes) a partir desta semana

Twitter: contas verificadas (com cores diferentes) a partir desta semana

Portugal vai ter energia mais barata a médio prazo, garante ministro da Economia

Portugal vai ter energia mais barata a médio prazo, garante ministro da Economia

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

5 dicas para proteger a casa no Inverno

5 dicas para proteger a casa no Inverno

Trufa branca de Alba: O ingrediente de luxo serve-se nestes cinco restaurantes, em Lisboa

Trufa branca de Alba: O ingrediente de luxo serve-se nestes cinco restaurantes, em Lisboa

JL 1359

JL 1359

Design, música e tecnologia no novo livro da Phaidon

Design, música e tecnologia no novo livro da Phaidon

Letizia recupera o seu fato de plumas

Letizia recupera o seu fato de plumas

JL 1360

JL 1360

Tribunal evita despedimento de vice-presidente da Twitter na Irlanda

Tribunal evita despedimento de vice-presidente da Twitter na Irlanda

Adivinhe quanto custa este casaco de inspiração Chanel? (Damos uma pista: é acessível)

Adivinhe quanto custa este casaco de inspiração Chanel? (Damos uma pista: é acessível)

Cerca de 90% dos refeitórios escolares afetados por greve

Cerca de 90% dos refeitórios escolares afetados por greve

5 restaurantes para viajar à mesa

5 restaurantes para viajar à mesa

Georgina Rodríguez já decorou a casa para o Natal

Georgina Rodríguez já decorou a casa para o Natal

O novo romance de Lídia Jorge

O novo romance de Lídia Jorge

Meredith Whittaker, presidente da Signal:

Meredith Whittaker, presidente da Signal: "Não teremos um bom futuro se não tivermos os meios para comunicar de forma privada"

Preparada para escolher o seu look de festa?

Preparada para escolher o seu look de festa?

Estes autores portugueses vêm passar o Natal!

Estes autores portugueses vêm passar o Natal!

Jardim Zoológico de Lisboa tem nova cria de veado-da-birmânia, uma espécie em perigo

Jardim Zoológico de Lisboa tem nova cria de veado-da-birmânia, uma espécie em perigo

Greve na escola

Greve na escola

Quanto valem os dados que não usamos?

Quanto valem os dados que não usamos?

Karumi, novo banco de Álvaro Siza Vieira

Karumi, novo banco de Álvaro Siza Vieira

Fátima Lopes inaugura nova loja na Avenida da Liberdade, em Lisboa

Fátima Lopes inaugura nova loja na Avenida da Liberdade, em Lisboa

Aptoide recebe investimento de 12 milhões de dólares

Aptoide recebe investimento de 12 milhões de dólares

VOLT Live: carros elétricos são a melhor solução para frotas de empresas?

VOLT Live: carros elétricos são a melhor solução para frotas de empresas?

7 boas exposições em Lisboa, para ver agora

7 boas exposições em Lisboa, para ver agora

VOLT Live: Reparação de baterias em carros elétricos

VOLT Live: Reparação de baterias em carros elétricos

Portugal pode voltar a ser

Portugal pode voltar a ser "relevante" através do mar - Bolieiro

Estudo da Universidade de Coimbra ajudará a escolher antibiótico contra bactéria

Estudo da Universidade de Coimbra ajudará a escolher antibiótico contra bactéria

Ainda podes votar nas fotos de animais mais cómicas de 2022

Ainda podes votar nas fotos de animais mais cómicas de 2022

Matilde Breyner: “Interromper a gravidez foi um ato de amor”

Matilde Breyner: “Interromper a gravidez foi um ato de amor”

Eduardo Carpinteiro Albino e José Carlos Figueiredo vencem Campeonato de Portugal de Novas Energias

Eduardo Carpinteiro Albino e José Carlos Figueiredo vencem Campeonato de Portugal de Novas Energias

"Putin está a ficar velho e frágil, e a sua grande ambição é ficar na História russa como o homem que recriou o império ou a URSS numa nova forma"

Porque é que devemos voltar as atenções de novo para a anemia

Porque é que devemos voltar as atenções de novo para a anemia

Raquel Tillo e Inês Aires Pereira estão esgotadas!

Raquel Tillo e Inês Aires Pereira estão esgotadas!

Filha de Kate e William poderá ser a próxima duquesa de Edimburgo

Filha de Kate e William poderá ser a próxima duquesa de Edimburgo

Morreu Fernando Gomes

Morreu Fernando Gomes

Receita de Pão de sementes (sem glúten), por Francisco Silva, Paula Ruivo e Ana Henriques

Receita de Pão de sementes (sem glúten), por Francisco Silva, Paula Ruivo e Ana Henriques

Gautam Adani. O Rockefeller da economia indiana que se tornou no terceiro mais rico do mundo

Gautam Adani. O Rockefeller da economia indiana que se tornou no terceiro mais rico do mundo

Fanny Rodrigues tem motivos para sorrir

Fanny Rodrigues tem motivos para sorrir