Viver com doença inflamatória intestinal

Viver com doença inflamatória intestinal

Durante seis meses, José Farinha teve dores de barriga todos os dias. Na altura, o músico de 21 anos começou a emagrecer, sem que os médicos conseguissem perceber o que lhe estava a acontecer. “Consultei vários especialistas e recorri várias vezes às urgências”, recorda José Farinha, contando que, ao fim de várias tentativas, “teve sorte” e foi encaminhado para um gastrenterologista, no hospital de Évora. “O meu estado era tão grave que fiquei internado três meses”, diz, revelando que, só ao fim de 60 dias, os especialistas puseram a hipótese de se tratar de uma doença inflamatória do intestino.

“Foi difícil chegar ao diagnóstico”, constata o músico que, nessa fase em que esteve hospitalizado, foi submetido a duas cirurgias para retirar uma estenose [um estreitamento] de 40 cm, no intestino delgado. “A Doença de Crohn é muito semelhante a tantas outras do aparelho gastrointestinal. Mesmo tendo feito biópsias, colonoscopias, endoscopias, TAC e outros exames, só na cirurgia os médicos puderam confirmar o diagnóstico”, afirma o músico.

Nos primeiros tempos, José Farinha ainda pensou que tomando “dois ou três comprimidos por dia”, poderia viver como dantes, com esta doença crónica. “Enganei-me redondamente. O Crohn começou a dar os primeiros sinais sérios, quando passei a ter diarreias repentinas e dores articulares”, recorda o professor de música que, com o tempo, percebeu que teria de se adaptar. Durante anos, viveu permanentemente cansado e teve de se habituar a correr para a casa de banho, mais próxima, sem aviso prévio.

Tal como José Farinha, em Portugal 25 mil pessoas sofrem de doença inflamatória intestinal, cujas formas mais comuns são a Doença de Crohn e a Colite Ulcerosa. Segundo o gastrenterologista Francisco Portela, são patologias com “um impacto significativo” na vida dos doentes. “São doenças crónicas que surgem numa idade jovem, em que se espera das pessoas maior produtividade”, diz o médico, explicando que, além das manifestações intestinais e extraintestinais, como complicações oculares e cutâneas e dores articulares, estas patologias têm também consequências psicológicas, originando ansiedade e, em alguns casos, depressão.

A deteção da doença e a chegada dos biológicos
Ainda que em muitos casos, como no de José Farinha, o diagnóstico tarde em chegar, é importante detetar atempadamente a doença, sublinha Francisco Portela. “Alguns estudos mostram que o atraso no diagnóstico se traduz em mais complicações, sobretudo na Doença de Crohn”, considera o médico, que defende a relevância de congregar várias especialidades, como a cirurgia, a nutrição ou a imagiologia, no tratamento destes doentes. “Uma realidade que em Portugal está ainda pouco organizada deste modo”, constata o gastrenterologista.

Como adianta o especialista, a maioria dos doentes são acompanhados em consultas externas específicas para a doença inflamatória intestinal. “Outros são seguidos em hospital de dia”, acrescenta Francisco Portela, advogando que a junção de várias áreas na abordagem terapêutica “contribui para o melhor tratamento possível”.

A par dos medicamentos e do acompanhamento por parte de uma equipa de gastrenterologistas, José Farinha, diagnosticado em 1995, foi desenvolvendo um conjunto de estratégias para lidar com a doença. “Nunca saio de casa sem lenços de papel e sem medicação SOS. No meu carro existe sempre roupa lavada, caso seja preciso mudar”, conta o professor de guitarra clássica, hoje com 48 anos, que já deixou plateias à espera, para um concerto, por estar na casa de banho.

A patologia também transformou as suas deslocações diárias. “Os meus percursos são sempre pensados, porque tenho de saber onde há casas de banho. Ando mais vezes de carro, porque se tiver uma dor de barriga fulminante acontece no carro e não na rua”, relata, dizendo que só a partir de 2007, mais de 10 anos depois do diagnóstico, começou a ter alguma qualidade de vida. “Nessa altura, a minha médica falou-me sobre uns medicamentos novos, os chamados biológicos de última geração”, conta o doente, que “depois de um ano à espera do parecer da comissão terapêutica do hospital”, começou a tomar um fármaco biológico.

Hélder Mota Filipe, bastonário da Ordem dos Farmacêuticos e professor universitário, explica que o surgimento destes fármacos, “que atuam em determinadas vias de resposta inflamatória” representou “um avanço significativo na abordagem terapêutica”. Em muitos casos, foi possível controlar melhor os sintomas dos doentes e garantir maior equilíbrio na sua vida quotidiana.

Informar os doentes
Apesar do seu carácter inovador, Hélder Mota Filipe considera que o acesso a estes medicamentos, que é feito através das farmácias hospitalares, “acaba por ser uma barreira para os doentes”. “Se em vez de se deslocarem à farmácia hospitalar, as pessoas pudessem recorrer às farmácias de proximidade, evitando, em muitos casos, faltas ao trabalho, estaríamos a contribuir muito mais para a sua qualidade de vida”, considera o docente da Faculdade de Farmácia, da Universidade de Lisboa. “Seria também uma maneira de poupar recursos.”

A eficácia dos medicamentos, porém, não depende apenas da sua toma, alerta o especialista. “É preciso usá-los nas condições e doses adequadas: respeitar os horários das tomas, saber se se tomam junto à refeição, garantir que o doente não toma outros fármacos que possam estar contraindicados, entre outros”, declara Hélder Mota Filipe, frisando assim a importância de se fazer o tratamento certo, no momento certo.

“É fundamental que o doente esteja informado e que consiga, por exemplo, perceber se tem sintomas que indicam que a medicação não está a fazer efeito. Só assim é possível minimizar os efeitos secundários e maximizar as mais-valias”, acrescenta o bastonário, dizendo que há atualmente um conjunto significativo de medicamentos em ensaios clínicos. “Temos, ainda, um conjunto de doentes que não respondem aos tratamentos e que vão tomando vários medicamentos sem que estes surtam o efeito desejado. É preciso dar-lhes resposta.”

Medicina de precisão: a tendência dos próximos anos
O tratamento da doença inflamatória intestinal tende a ser cada vez mais personalizado, consideraHélder Mota Filipe, bastonário da Ordem dos Farmacêuticos. “Recorre-se cada vez mais à medicina de precisão. Com a ajuda de testes genéticos e moleculares que permitem recolher informação sobre o doente e a doença, é possível perceber qual o tratamento mais indicado para cada caso”, diz o especialista, explicando que esta abordagem substitui a prescrição de medicamentos por tentativa erro, comum atualmente.

Conheça a fundo a DOENÇA INFLAMATÓRIA DO INTESTINO: 40 dúvidas respondidas e 5 vídeos essenciais

CAPA DA EDIÇÃO

Mais na Visão

Mais Notícias

Pó

Grohe abriu primeiro showroom em Portugal

Grohe abriu primeiro showroom em Portugal

Vinhos: um bom lugar ao sol

Vinhos: um bom lugar ao sol

Prémio Revelação do Ano entregue a Ivo Lucas

Prémio Revelação do Ano entregue a Ivo Lucas

Meta lança ferramentas com Inteligência Artificial que facilitam alternar entre chips Nvidia e AMD

Meta lança ferramentas com Inteligência Artificial que facilitam alternar entre chips Nvidia e AMD

Fato de Carolina Deslandes na Gala dos Globos de Ouro 'esconde' nomes especiais

Fato de Carolina Deslandes na Gala dos Globos de Ouro 'esconde' nomes especiais

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1544

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1544

Descolonizar o bicentenário da Independência do Brasil

Descolonizar o bicentenário da Independência do Brasil

Cláudia Vieira pinta de cor-de-rosa noite dedicada ao talento nacional

Cláudia Vieira pinta de cor-de-rosa noite dedicada ao talento nacional

Marina Mota sai da TVI e é a nova estrela da SIC

Marina Mota sai da TVI e é a nova estrela da SIC

Casa Dentro: Não perca, dia 6 de outubro, a conversa com Vítor Sobral

Casa Dentro: Não perca, dia 6 de outubro, a conversa com Vítor Sobral

Segurança rodoviária: carro autónomo vs supercondutor virtual

Segurança rodoviária: carro autónomo vs supercondutor virtual

Sara Matos aposta em look inspirado em Zendaya

Sara Matos aposta em look inspirado em Zendaya

Dez sugestões de sutiãs em renda

Dez sugestões de sutiãs em renda

Ministro do Ambiente diz que é preciso aproveitar mais águas residuais

Ministro do Ambiente diz que é preciso aproveitar mais águas residuais

Temperaturas acima dos 30 graus, poeiras e aumento do perigo de incêndio nos próximos dias

Temperaturas acima dos 30 graus, poeiras e aumento do perigo de incêndio nos próximos dias

País ultrapassou última crise com

País ultrapassou última crise com "grande dignidade" devido ao Governo de Passos

Fato de Carolina Deslandes na Gala dos Globos de Ouro 'esconde' nomes especiais

Fato de Carolina Deslandes na Gala dos Globos de Ouro 'esconde' nomes especiais

O segredo de Kate para uma pele bem hidratada custa menos de €3,00

O segredo de Kate para uma pele bem hidratada custa menos de €3,00

George e Amal Clooney sobre a educação dos filhos:

George e Amal Clooney sobre a educação dos filhos: "Cometemos um erro terrível"

A construção da confiança depende de todos nós

A construção da confiança depende de todos nós

Princesa Charlene do Mónaco assiste ao desfile da Akris na Semana da Moda em Paris

Princesa Charlene do Mónaco assiste ao desfile da Akris na Semana da Moda em Paris

Citroën apresenta Oli, um conceito automóvel “radical, responsável e otimista”

Citroën apresenta Oli, um conceito automóvel “radical, responsável e otimista”

Vacinação completa contra meningococo B ultrapassa meta de 95%

Vacinação completa contra meningococo B ultrapassa meta de 95%

Quem foi Alfred Nobel?

Quem foi Alfred Nobel?

Imobiliário: Preços de Lisboa ultrapassam os de Madrid, Barcelona e Milão

Imobiliário: Preços de Lisboa ultrapassam os de Madrid, Barcelona e Milão

Temperaturas acima dos 30 graus, poeiras e aumento do perigo de incêndio nos próximos dias

Temperaturas acima dos 30 graus, poeiras e aumento do perigo de incêndio nos próximos dias

Artes e Ofícios: esta semana todos os caminhos vão dar a Oeiras

Artes e Ofícios: esta semana todos os caminhos vão dar a Oeiras

A diversidade importa

A diversidade importa

Novas evidências mostram que ursos não são carnívoros

Novas evidências mostram que ursos não são carnívoros

Sugestão da semana: 'Com pensos tudo passa'

Sugestão da semana: 'Com pensos tudo passa'

Sofreram quedas que podiam ter resultado em paralisia mas desafiaram as probabilidades. Três casos de lesões nas vértebras

Sofreram quedas que podiam ter resultado em paralisia mas desafiaram as probabilidades. Três casos de lesões nas vértebras

Roger Federer e Rafael Nadal: Por detrás da foto que comoveu o mundo

Roger Federer e Rafael Nadal: Por detrás da foto que comoveu o mundo

Viver numa economia (de) seca na capa da EXAME de outubro

Viver numa economia (de) seca na capa da EXAME de outubro

As escolhas de moda que marcam a XXVI Gala dos Globos de Ouro

As escolhas de moda que marcam a XXVI Gala dos Globos de Ouro

JL 1355

JL 1355

Bruce Willis não vendeu os direitos do seu rosto a uma empresa de deepfakes

Bruce Willis não vendeu os direitos do seu rosto a uma empresa de deepfakes

Filipa Areosa exibe barriguinha em 'look' pérola

Filipa Areosa exibe barriguinha em 'look' pérola

Receita de Tarte de maçã e amêndoa, por Rui Paula

Receita de Tarte de maçã e amêndoa, por Rui Paula

A PRIMA gosta dos pratos da Casa Davolta, dos novos modelos Hunter e do regresso do Chefs on Fire

A PRIMA gosta dos pratos da Casa Davolta, dos novos modelos Hunter e do regresso do Chefs on Fire

Família: quanto tempo podes estar em frente a um ecrã?

Família: quanto tempo podes estar em frente a um ecrã?

Passerelle em casa, looks e tendências

Passerelle em casa, looks e tendências

Municípios exigem

Municípios exigem "cumprimento rigoroso" da Lei das Finanças Locais em 2023

VOLT Live: o novo manual para utilizadores de veículos elétricos

VOLT Live: o novo manual para utilizadores de veículos elétricos

O Gosto dos Outros: José Luís Peixoto

O Gosto dos Outros: José Luís Peixoto