Sílvia Caneco

Sílvia Caneco

Jornalista
Nasci no ano que deu nome a um livro (1984) e cresci na Nazaré, numa casa por cima do mar. Estudei Jornalismo, escrevi à peça para o Público e para a Grande Reportagem, fiz uma passagem curta pela comunicação empresarial, e voltei a ser feliz quando, depois de um concurso ao estilo Jogos-Sem-Fronteiras, fui escolhida para integrar a equipa fundadora do i. Seis anos depois, saltei do i para o SOL e do SOL para a VISÃO. Escrevi sobre padres armados, sobre sobreviventes de desastres de avião, sobre histórias de incesto, sobre crimes de sangue. Entrevistei mulheres que aos 70 mataram os seus homens, homens que queimaram as namoradas, miúdos que mataram sem saber que matavam. Voltas e voltas depois, saltei para o crime económico e acabei por especializar-me na área da Justiça e investigação. Não me canso de ler acórdãos, apaixonei-me pelo Direito e até aprendi a gostar de juristas. Gosto de ter uma boa caixa de segredos, dispensava as ameaças. Viciada na adrenalina dos furos e das manchetes, não consigo passar muito tempo sem voltar a outro lugar que me faz feliz - a reportagem. Quase sempre dramas (com inesquecíveis excepções). Quase sempre dias de coração em frangalhos e noites de mau dormir. Aprendi que as histórias nunca se sacodem dos ombros, nunca ficam no tapete à entrada de casa. E aprendi a não ter medo de pôr a emoção no que escrevo. Até hoje trago comigo Sabóia e a Borralheira, a Alice e a Carolina, a Manuela e o Ludgero. Pelo meio destas angústias, recebi dois prémios e duas menções honrosas, plantei uma árvore e escrevi dois livros. Falta-me a criança - é melhor ir tratar disso. Dava um bracinho para escrever como o Coetzee. Enquanto não consigo, decidi voltar para cima do mar.
Irrevogável

Manuel Soares: “Não é possível acabar com os megaprocessos enquanto houver megacriminalidade”

O presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) defende que os magistrados “não devem estar na política e depois para voltar para os tribunais”, diz que no caso das vigilâncias a jornalistas terão de ser os juízes “a decidir se as provas são ou não válidas” e garante que os tribunais administrativos e fiscais “só não funcionam porque o poder político não quer.” Critica a inércia do Conselho Superior da Magistratura na discussão de meios para combater casos como o de Rui Rangel e tem uma proposta para voltar a pôr o enriquecimento ilícito na agenda política

Sílvia Caneco
Presidenciais 2021

Marcelo, o candidato que faz a festa sozinho e carrega baterias com Fortimel

Em mais um dia de campanha atípico, Marcelo foi à Universidade Nova de Carcavelos ser recebido apenas por uma pequena plateia de estudantes. Além das respostas que foi obrigado a dar enquanto Presidente sobre o atual estado da pandemia, houve apenas tempo para dois momentos 'à la Marcelo'. Um digno de um assumido hipocondríaco num espaço de Televendas. Outro de um aspirante a vendedor de automóveis

Sílvia Caneco
Presidenciais 2021

Ana Gomes a querer debater a corrupção e os seguidores a teclarem sobre o apoio cigano

A candidata à Presidência da República dedicou a tarde de hoje aos temas que são a sua praia: discutir a Justiça, a transparência e a corrupção. Trouxe para cima da mesa os exemplos do costume - os submarinos, o BESA, as empresas-offshore. Os convidados responderam com gráficos, dados e com histórias do homem comum: “O país funciona todo mal e depois queriam que a Justiça funcionasse bem?” Mas os seguidores, esses, estavam ainda a navegar na onda da véspera: "Estou a incentivar os ciganos a votar em você.”

Sílvia Caneco
Sociedade

Dois recursos parados nos tribunais impedem acusações no Caso EDP

Processo bloqueado. Três medidas de coação aplicadas a António Mexia e a Manso Neto deixaram de ser válidas porque o Tribunal da Relação de Lisboa ainda não decidiu um recurso, que está pendente há mais de seis meses. Ao mesmo tempo, o Ministério Público também não consegue deduzir acusações no processo, porque há um outro recurso de Manuel Pinho pendente no Tribunal Constitucional há mais de um ano

Sílvia Caneco
Política

Além dos dois "lapsos" da carta, Ministra da Justiça cometeu mais dois erros na história do Procurador Europeu. E no Parlamento

A sucessão de erros, lapsos e gralhas na história dos candidatos portugueses à Procuradoria Europeia parece não ter fim. Em outubro, Francisca Van Dunem foi chamada ao Parlamento e cometeu mais dois erros, sem que nenhum dos presentes desse por isso. Um deles foi "despromover" o candidato excluído do concurso a juiz de direito, quando na verdade está um grau acima: é juiz desembargador, e até foi presidente de uma comarca

Sílvia Caneco
Economia

As herdeiras milionárias do império Queiroz Pereira

As histórias das discretas Filipa, Mafalda e Lua. O que fazem e como vivem três das mulheres mais ricas do País, após herdarem uma fortuna avaliada em quase 800 milhões de euros

Sílvia Caneco
Política

Já se perdeu na polémica sobre o procurador? O caso explicado em 10 pontos

Um CV errado, uma demissão, muita confusão entre comunicados e uma ministra debaixo de fogo. Eis o resumo das polémicas em torno da escolha de um procurador que não era o favorito de um júri internacional

Sílvia Caneco
O caso do visto em branco que uma responsável do SEF assinou e ninguém investigou
Sociedade

O caso do visto em branco que a diretora do SEF assinou e ninguém investigou

A VISÃO revelou em 2018 como a diretora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras - que se demitiu esta quarta-feira do cargo na sequência das pressões sobre a morte de um cidadão ucraniano - tinha assinado um cartão de residência em branco, o que comprometia todas as regras de segurança do serviço. O caso nunca foi investigado. Cristina Gatões foi, sim, investigada por suspeitas de usar o carro do serviço para fins pessoais

Sílvia Caneco
Sociedade

As histórias das famílias a que retiraram os filhos em Inglaterra

À boleia da estreia do filme Listen, a VISÃO foi saber das mães portuguesas que perderam os filhos no Reino Unido. A história mais feliz teve o final mais triste: Raquel recuperou a sua bebé, mas morreu, com 35 anos, devido à síndrome que a fez ficar oito meses sem a filha

Sílvia Caneco
Política

Holandês vendeu a Galamba projeto do hidrogénio verde, mas Governo excluiu-o e chamou a EDP, a GALP e a REN

Uma parceria entre Portugal e os Países Baixos para obtenção de fundos europeus no âmbito de um projeto de produção e exportação de hidrogénio verde foi "vendida" ao Governo por um empresário holandês. Gabinete de João Galamba diz que quando o projeto foi apresentado já incluía empresas como a EDP, a Galp e a REN. Mas documentos a que a VISÃO teve acesso mostram que foi o Governo a querer incluir as grandes empresas privadas no projeto. No final, o pai da ideia acabou afastado do negócio de milhares de milhões

Sílvia Caneco
Atualidade

MP investiga suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro na venda de património do Grupo Espírito Santo

Caetano e Carlos Beirão da Veiga, herdeiros de um dos cinco ramos da família Espírito Santo, são os principais suspeitos de crimes como participação económica em negócio, corrupção no setor privado e branqueamento de capitais, num processo que está a correr no DIAP de Lisboa. Foram alvo de buscas e apanhados em dezenas de escutas

Sílvia Caneco
Política

Qual, afinal, a diferença entre estado de alerta, de contingência e de calamidade?

Dos três, o estado de calamidade é o único que prevê limites ou condicionamentos à circulação e a fixação de cercas sanitárias

Sílvia Caneco
João Pinto admite recorrer de decisão sob suspeita no caso Rangel
Sociedade

João Pinto exige 830 mil euros a Veiga, a quatro juízes e ao Estado

Num pedido cível apresentado ontem no Supremo, o ex-jogador diz que não esquece que ouviu um juiz dizer-lhe "Ou paga, ou vai preso!" e como foi tratado como o único culpado numa fraude fiscal que não saiu da sua cabeça. Alega que provas da Operação Lex mostram que não teve direito a um julgamento imparcial e justo no caso em que foi condenado em 2013 (e José Veiga absolvido) e quer ser ressarcido pelos danos

Sílvia Caneco
João Pinto admite recorrer de decisão sob suspeita no caso Rangel
Sociedade

Juiz que absolveu Veiga e condenou João Pinto vai continuar a ser investigado por suspeitas de corrupção

Orlando Nascimento, ex-presidente da Relação de Lisboa, também vai ser alvo de um novo inquérito por ter decidido a favor do juiz Rui Rangel num processo contra o Correio da Manhã. Circunstâncias em volta da distribuição manual de um processo de Álvaro Sobrinho foram arquivadas, mas processo será reaberto se aparecerem novas provas

Sílvia Caneco
Rui Rangel recebeu 270 depósitos em notas
Sociedade

Como a VISÃO revelou há quatro anos as suspeitas de corrupção sobre Rui Rangel

A VISÃO revelou em fevereiro de 2016 que Rui Rangel era suspeito de ter recebido milhares de euros de José Veiga em troca de decisões judiciais favoráveis para o empresário. O então desembargador negou, mas a acusação do MP divulgada hoje confirma que Rangel irá a julgamento por se ter deixado "subornar" pelo ex-agente de futebolistas. Recorde este e outros artigos exclusivos que a VISÃO publicou sobre a alegada rede de compra e venda de decisões judiciais, montada a partir do Tribunal da Relação de Lisboa

Sílvia Caneco
Cinco detidos e vários arguídos na "Operação Lex"
Sociedade

Os sms de Luís Filipe Vieira apanhados na Operação Lex: Rangel "é um turista do carago"

Presidente do Benfica está acusado de um crime de recebimento indevido de vantagem por ter oferecido bilhetes e viagens ao então juiz Rui Rangel. A VISÃO revela as mensagens que provam pedidos de ajuda ao magistrado para resolver processo fiscal pendente: "Vem sempre ao meu pensamento Sintra Sintra Sintra Sintra Sintra. Quando resolvemos?" Rangel chegou a queixar-se de que dificuldade em obter bilhetes de Vieira para a tribuna presidencial não o deixava com vontade de resolver "os problemas dele", já que aquele camarote estaria sempre cheio "dos mesmos chulos des sempre".

Sílvia Caneco
Sociedade

A nova vida de um lar no Alentejo profundo

Mais de 38% das vítimas mortais da Covid-19 estavam internadas em lares. O que falha lá dentro? A VISÃO entrou num lar no Alentejo e foi ver como se luta para cumprir regras de distanciamento praticamente impossíveis entre os mais velhos, mais surdos e mais carentes. A salvação, sabem eles, é não deixar “o bicho” entrar

Sílvia Caneco
Sociedade

A história do burlão venezuelano que Salgado contratou

Ricardo Salgado é acusado de recrutar um falso representante da Petróleos da Venezuela para enganar altos quadros do BES, em 2014. A VISÃO descobriu que esse homem foi condenado pouco tempo antes por burla, em Espanha, precisamente por se fingir representante da petrolífera e emissário de ministro de Chávez. Afinal, quem enganou quem?

Sílvia Caneco
Economia

De milhões a "tostões": como o património do BES foi vendido ao desbarato

Os ativos do Grupo Espírito Santo foram vendidos pelo Novo Banco e pela Rioforte como se nada valessem. Fundos abutres pagaram ninharias por hotéis, seguradoras e imóveis. Lucraram milhões, em negócios da China que prejudicaram acionistas e lesados do BES, enquanto o Novo Banco continua a sorver dinheiro público

Sílvia Caneco
Atualidade

Ninguém está a salvo. Sacos azuis do GES investigados noutros processos

Quatro sociedades secretas pagaram mais de 50 milhões de euros a quadros do Grupo Espírito Santo. Bónus e complementos chegaram a 70 funcionários, entre eles Isabel Vaz e João Novais, da Luz Saúde. O Ministério Público ainda vai apurar se foram cometidos crimes. O cerco aperta com a abertura de novas investigações

Sílvia Caneco
Sociedade

Caso BES. Durante anos pediu para ser ouvido; quando a acusação o chamou, já não podia falar

Esta é a história de José Manuel Espírito Santo, o primo de Ricardo Salgado que foi presidente do Banque Privée, na Suíça. É um dos 25 acusados do processo BES mas nunca foi ouvido pelos investigadores, porque entretanto sofreu um AVC

Sílvia Caneco