Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Araújo Pereira

Humorista
Boca do Inferno

Uma visão estratégica sobre a visão estratégica

Não é exactamente uma carta ao Pai Natal, na medida em que nós não revelamos como nos portámos bem este ano, mas sim como nos vamos portar bem nos próximos dez. Nessa medida, talvez seja mais parecido com uma carta a uma tia rica a quem pedimos dinheiro porque tivemos uma ideia infalível para um negócio

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O covidioma

Neste momento, cada um de nós é um escanção de álcool-gel

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Porn Hubanco

O melhor é publicar a auditoria num dos jornais económicos e as pessoas fazerem como antigamente: vão à banca, compram o jornal, dobram, e depois compram uma publicação respeitável, como a revista Hustler, e escondem o jornal discretamente lá dentro. A seguir, já em casa, o contribuinte certifica--se de que não há crianças por perto e lê a auditoria, desdobrando as páginas centrais, onde vem o buraco financeiro. E depois agarra-se à caneta e passa o cheque

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Democracia e nádegas: um ensaio

Várias pessoas alegaram que os debates quinzenais (que são as nádegas) desgastavam a democracia (que é o sofá). Ora, eu concedo que algumas nádegas são feias.E admito mesmo que algumas nádegas são sujas. Mas, a um sofá robusto e bem mantido, não há nádegas que roubem a integridade

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Operaçããããããão Marquêêêêêêês

Decidi analisar esta decisão sobre o adiamento da decisão acerca da submissão dos arguidos a uma decisão e fiquei indeciso

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Quem tem cume tem mérito

Sinto-me igualmente interpelado por Shakespeare, quando diz que “a vida não é mais do que uma história, contada por um idiota, cheia de som e de fúria, sem significado algum”, como pelo autor anónimo de uma tabuleta que vi uma vez num terreno, ao pé de Chaves, e que dizia “Bendç”

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Na sarjeta, olhando para as estrelas

Portugal estava no lixo financeiro. Agora, o facto de estarmos no lixo sanitário vai colocar-nos por consequência no lixo turístico, o que nos levará de novo, muito provavelmente, ao lixo financeiro. Há duas ou três reflexões a fazer a propósito desta sujeira toda

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Canceladores implacáveis

Há dois tipos de pessoas: as que não gostam de cancelamentos e as que não gostam de cancelamentos a menos que o cancelado seja uma pessoa, filme, série ou livro que não apreciam

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

O inferno são os outros e a Covid também

Discriminar requer um esforço que eu sou demasiado preguiçoso para fazer

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Contextualizei-me todo, nunca mais me senti só

Fechei o livro imediatamente, mas o mal estava feito: o canto de sereia do racismo a seduzir--me sem que eu estivesse firmemente atado ao mastro com as cordas benignas da contextualização

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

#calvário

E ao fim de alguns dias já ninguém se lembrava bem de Pilatos, de Barrabás e de Jesus, e todos retomaram a colocação de posts sobre os seus cupões de desconto de 10% na Prozis. Palavra da salvação. Ámen

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Prefixação política

O único crítico de António Costa com poder suficiente para atingir politicamente António Costa é António Costa. De facto, o António Costa de 2012 crítico de “paraministros” apareceu nesta história como um “paraantóniocosta”

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Ideias claras sobre vagas

Alguns especialistas lamentaram as posições contraditórias da OMS, dizendo que podiam transmitir uma mensagem confusa aos cidadãos, o que não é verdade. Toda a gente ficou com a ideia bem clara de que a OMS não faz a mais vaga ideia sobre a ocorrência de novas vagas

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Afinal não

Eu estava habituado a que a ciência me pusesse a fazer figura de parvo na escola, por intermédio de perguntas a que eu não sabia responder, nos testes de Física, Química e Biologia. O que eu levo a mal é que a ciência continue a conseguir pôr-me a fazer figura de parvo 30 anos após o fim do liceu

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

As zaragatoas e os cordões sanitários assinalados

Tenho assistido ao esforço inglório de encontrar poesia na terminologia médica da doença e no prosaísmo da situação em que estamos. Tudo matéria bastante comezinha, a juntar ao facto de, segundo o Visconde de Castelões, Covid não rimar com muito mais do que cabide, pevide e Moscavide

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Como evitar despreocupações

Um dos aspectos mais difíceis de compreender no mundo actual é a profusão de livros, páginas de internet e serviços de profissionais de saúde mental que se destinam a ensinar as pessoas a não se preocuparem. Não se preocupar era, no meu tempo, uma operação que se efectuava sem qualquer esforço

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Efeitos secundários da covid

As pessoas que não são afectadas pelo brutal aumento do desemprego, pelas falências em massa e pela recessão económica, agradecem muito à covid estes tempos de reclusão, que têm sido tão bons para intensificar o contacto com a família, meditar no sentido da vida e alinhar os chacras

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

A nacionalidade do coronavírus

Nutro profunda admiração por quem tem espírito científico, e mais ainda por todos aqueles em quem o espírito científico surge associado a uma vocação para controlador aduaneiro. Conhecer o vírus do ponto de vista científico é importante, mas dar uma vista de olhos no seu passaporte também dá jeito

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

É um pássaro! É um avião! Não, é um profissional de saúde

Se o prestígio do Homem-Aranha não resiste à possibilidade de o vermos a estender a roupa, quão super é o herói?

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Estamos todos na mesma metáfora

Se vai operar figuras de estilo, deixe as metáforas náuticas para os engenheiros navais

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Condes de Monte Cristo

Uma vez que somos todos Condes de Monte Cristo, presos apesar de inocentes, fui procurar, na obra de Alexandre Dumas, ensinamentos úteis para estes tempos. Não encontrei, infelizmente

Ricardo Araújo Pereira