José Brissos-Lino

Doutorado em Psicologia e Especialista em Ciência das Religiões; Diretor do Mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona; Coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; Director da revista teológica AD AETERNUM; Investigador do CLEPUL (Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias – Universidade de Lisboa) e do CIPES (Centro de Investigação em Política, Economia e Sociedade – Universidade Lusófona). Desenvolve há muitos anos intensa atividade em instituições culturais, humanitárias e de solidariedade social, algumas das quais fundou. Poeta e ficcionista.
Opinião

França: A Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso

Opinião

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A pandemia alterou a nossa vida de cima a baixo em todos os sentidos, tanto na vertente individual como na colectiva. Isso inclui o fenómeno religioso, embora ainda não saibamos em que medida o influencia

Opinião

Nunca troquem uma criança por um sábado!

Os rituais sempre foram estruturantes na socialização humana, assim como na construção e consolidação das crenças e correspondentes liturgias colectivas. Mas não são tudo. Há mais vida para além dos rituais

Opinião

Adeus, John Wayne!

A cultura patriarcal predominante nos meios religiosos americanos já vem de muito longe. Trump apenas lhe deu gás e juntou-lhe ingredientes como racismo, xenobofia, misoginia, e um certo marialvismo stars and stripes, além duns pozinhos de neo-nazismo

Opinião

Fora com os judeus?

O anti-semitismo e a xenofobia em geral podem começar por enfermar de razões económicas, sociais, culturais e políticas, mas transferem-se rapidamente para o domínio do irracional, com as devidas consequências

Opinião

A fábula dos bons e dos maus

Depois da cacofonia da noite de domingo passado convém começar por lembrar que só há um vencedor destas presidenciais: Marcelo Rebelo de Sousa, que foi reeleito à primeira volta com vitória esmagadora em todos os distritos e regiões autónomas do País

Opinião

A fraude do nacionalismo cristão

Um dos maiores erros estratégicos da fé americana é emparelhar nacionalismo com cristianismo. Jesus Cristo nunca disse uma palavra que fosse sobre ideais nacionalistas, nem agiu nesse sentido. Muito pelo contrário

Opinião

O estado dos portugueses

Era bom que todos entendessem que a presente situação pode ser ainda pior do ponto de vista emocional do que uma guerra, pelo menos num aspecto. É que a guerra implica um inimigo a combater, com um rosto, uma intenção e uma identidade, contra quem se podem dirigir as nossas energias, o que não é possível numa pandemia causada por um vírus que não se vê a olho nu e cuja presença não se sente nem percepciona

Opinião

A insurreição americana

Donald Trump passou todo o mandato a destilar ódios e a dividir o país, colocando uns americanos contra os outros. Como se isso não bastasse funcionou como uma bola de demolição num processo sistemático e orientado de destruição do sistema democrático

Opinião

O pecado cheira a sexo

É mais do que evidente que as religiões – em particular as monoteístas – sempre encontraram enormes dificuldades em lidar com a questão da sexualidade humana, tendo por isso provocado muita exclusão, punição, incompreensão e dor ao longo da História. Não era necessário

Opinião

Embuste à la carte

Não tarda nada temos a tribo das videntes de novo em antena a adivinhar como vai ser o próximo ano. Um conjunto de nulidades que contam com a generosa facilitação dos programadores do entretenimento televisivo

Opinião

O Natal é inclusivo ou não é Natal

O facto de não haver lugar para José e Maria comprova que o princípio da exclusão entre seres humanos esteve presente no palco do nascimento de Jesus Cristo, na Belém de há dois mil anos. Não foi apenas a morte que se revestiu de dramatismo. O nascimento também

Opinião

A alma de Eduardo Lourenço

Nem sempre se consegue escrever um texto de homenagem em cima da hora da partida de figuras que a vida agigantou, até porque outros o fazem por dever de ofício. Por vezes torna-se necessário algum tempo de reflexão, de nojo

Opinião

Hamelin e a relativização do mal

Um dos maiores incómodos dos nossos dias para as pessoas de princípios é o de verificar que os populismos tendem a relativizar o mal ou mesmo a branqueá-lo. Mas o incómodo transforma-se em perplexidade quando se conclui que muitos cristãos entraram nessa onda e venderam a alma ao diabo

Opinião

52 ed Orbmevon

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se

Opinião

O Pacto de Mayflower

No dia 19 de Novembro de 1620 (faz agora 400 anos) a tripulação do Mayflower subscrevia o famoso Pacto de Mayflower em terras do Novo Mundo

Opinião

Make White House Great Again

A divisa mais adequada para substituir a ilusão trumpista da “Make América Great Again” será “Make White House Great Again”, isto é, por outras palavras, deixemos que a decência volte à Casa Branca

Deus já não cabe no espaço público?
Opinião

Adeptos de um deus menor

Querer defender a fé, ou o Deus da sua devoção, quando supostamente atacados é ridículo, porque a fé não se defende assim e porque se esse Deus Todo-Poderoso precisa de defensores é porque não será assim tão poderoso

Opinião

Este País ainda não é para velhos

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Colocar um familiar num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso, por isso há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores

Opinião

Dormir com o inimigo

A religião americana anda a dormir com o inimigo. Billy Graham avisou em tempos que o casamento entre os fundamentalistas religiosos e a extrema-direita política serviria apenas para esta manipular a religião. Parece que adivinhava…

Opinião

Autoregulação ou caos

Qualquer indivíduo vindo do Brasil, por exemplo, chega a Portugal e autointitula-se pastor evangélico (quando não bispo ou apóstolo) e abre uma igreja de vão de escada, por vezes sem sequer alguma vez ter sido ordenado ao ministério espiritual por qualquer igreja