Inês Avelãs

Jurista da Fenix - Humanitarian Legal Aid, em Lesbos, Grécia

O meu nome é Inês Avelãs. Tenho 25 anos e estudei direito na Universidade de Coimbra. Enquanto estudante, integrei estruturas associativas e organizações não governamentais que procuram intervir no âmbito da defesa dos direitos humanos. Sou cidadã portuguesa e encontro-me neste momento a trabalhar com uma organização que presta assistência jurídica a requerentes de asilo na Ilha de Lesbos (Grécia). Comecei como assistente jurídica numa equipa de reunificação familiar. Atualmente, continuo a ajudar a equipa legal que prepara requerentes de asilo para as suas entrevistas, mas acima de tudo o meu foco tem sido na advocacia política ou lobbying.

A necessidade de trabalhar em diferentes equipas, com diferentes pessoas e organizações, junto de diferentes instituições, dá-me a possibilidade de estruturar uma visão abrangente dos problemas decorrentes do modo como a União Europeia tem lidado com requerentes de asilo e refugiados.

Procurar intervir em apoio a seres humanos que foram empurrados para a situação de refugiados, durante uma crise humanitária, no contexto de uma crise global — sanitária, económica e social, político-ideológico e do sistema de relações internacionais —, não deixa de ser desafiante. O aspeto mais frustrante resulta, no entanto, dos constantes exemplos de violação de valores humanitários e da legislação em vigor protagonizados por Governos de países membros e por instituições da União Europeia. Mas o que mais me cativa para continuar a trabalhar aqui é saber que apesar dos obstáculos é possível fazer melhor.

Os textos que irei publicar são baseados em histórias reais de pessoas que conheci em Lesbos. Trata-se, apenas, de mais um contributo para a ampliação da vontade política de alterar positivamente a postura da UE e dos respectivos Estados membros face aos refugiados.

Campo de Lesbos
Opinião

O inferno de Lesbos: De emergência em emergência

A portuguesa Inês Avelãs presta assistência jurídica a requerentes de asilo na Ilha de Lesbos, na Grécia, e conta nesta sua segunda crónica o crescendo de acontecimentos dramáticos que se sucederam, durante todo o ano de 2020, no campo de Moria

Vista de Moria, campo de migrantes requerentes de asilo na ilha de Lesbos, na Grécia
Opinião

Migrantes em Lesbos: Longo caminho para um destino (in)seguro

A portuguesa Inês Avelãs presta assistência jurídica a requerentes de asilo na Ilha de Lesbos, na Grécia, e passará a contar regularmente no site da VISÃO as dificuldades por que passam muitos destes homens, mulheres e crianças, cujas vidas se encontram suspensas, entre o terror de onde fugiram e um futuro que lhes continua a ser negado