O novo museu de Álvaro Siza Vieira na China para conhecer aqui

O novo museu de Álvaro Siza Vieira na China para conhecer aqui

“Um Museu deve ser grande, no interior. Um Museu tem de ser brilhante, no interior.” Foi com estas palavras que o recém-inaugurado Museu de Arte e Educação foi apresentado por Carlos Castanheira, arquiteto português que assinou o projeto juntamente com Álvaro Siza Vieira – a quarta investida da dupla na China. O edifício é um projeto de um grupo privado daquele país – o Huamao Group – e o convite surgiu depois de o seu presidente, Xu Wanmao, ter visitado o Museu de Arte Contemporânea, que Siza Vieira desenhou para a Fundação Serralves, no Porto.

Erguido em Ningbo, uma das cidades mais antigas do país – em tempos paragem principal da Rota da Seda – o betão inconfundível daquele que é considerado um maestro da arquitetura em todo o mundo tem cerca de 6 mil metros quadrados. Mas essa é só uma das suas particularidades: por exemplo, em vez de escadas, o edifício de 25 metros de altura tem uma rampa sem barreiras a ligar os seus cinco andares, e é iluminado apenas por janelas situadas no rés-do-chão e no topo do museu. De uma aparência externa austera, mas sinuosa, e de disposição triangular, convida os seus visitantes a contorná-lo (e a apreciá-lo….) até à porta e só depois são conduzidos por um corredor estreito até ao espaço de altura total, o chamado coração do edifício, onde as paredes brancas ampliam a luz que vem de cima.

“O Museu de Arte e Educação é um pequeno museu que é imenso no seu interior”, continuou Carlos Castanheira, citado pelo site Archdaily, insistindo que “a calma introspetiva dos espaços contrasta depois com o movimento dos visitantes que por ali circulam” – e que esse é “o verdadeiro motor da arquitetura”. “O tamanho não importa, o que um museu deve ter é uma grande alma”, rematou, na inauguração do edifício que, como se vê, é fundado sobre as características que distinguem os dois criativos: betão, uma utilização única de aberturas e uma atenção particular ao jogo de luzes.

Falta só dizer que esta é já a quarta investida conjunta de Carlos Castanheira e Álvaro Siza Vieira na China,

A colaboração de Carlos Castanheira e Álvaro Siza Vieira foi iniciada em 2005 com a construção de um pavilhão na Coreia do Sul. É graças a eles que há um “Edifício sobre a água”, nome da construção de Huai’an, o Mausoléu Chia Ching, em Taiwan e ainda o Museu Bauhaus em Hangzhou, China.

ASSINE A VISÃO, LEIA POR €6/MÊS.

ASSINE AQUI

Mais na Visão