Ventura fala em “resultado histórico”, mas demite-se por ficar atrás da “candidata que representa o pior que Portugal tem”

Já passavam das 23:30 quando André Ventura desceu do seu quarto de hotel no Marriott, em Lisboa, até à sala de conferências para ocupar o lugar em frente ao microfone com uma bandeira de Portugal agarrada. 99,84% dos resultados finais da eleição já estavam apurados e davam ao líder do Chega 11,91%, o terceiro lugar, depois de Marcelo Rebelo de Sousa (60,74%) e de Ana Gomes (12,96%).

A música de fundo tornou-se mais dramática enquanto a sua equipa jurava: “Ventura, não te abandonaremos. Jamais te deixaremos caminhar sozinho” e André Ventura, de braços abertos, com gestos de messias, respondeu eufórico: “esta é uma noite histórica, em que a direita em Portugal se reconfigurou completamente”.

Perante uma audiência de pouco mais de 30 apoiantes, sentados em cadeira a dois metros de distância uns dos outros, o candidato do Chega deixou avisos a todos os partidos, da direita à esquerda: “esmagámos a extrema esquerda em Portugal”; “PSD, ouve bem: não há Governo em Portugal sem o Chega”. No fundo, “toda a noite eleitoral foi sobre nós”, diria a seguir.

Distribuiu insultos gratuitos por todos os candidatos, à exceção de Marcelo, a quem até desejou boa sorte para o segundo mandato, e de Vitorino Silva. Mas foi em João Ferreira que se concentrou em especial, uma vez que foi no Alentejo – região onde tradicionalmente o Partido Comunista consegue mais votos – que Ventura obteve a sua melhor classificação. No concelho de Mourão ficou a apenas sete pontos de Marcelo e conseguiu bons resultados também em Moura, Monforte, Elvas, Serpa e Alter do Chão. “Nem o João Ferreira me ganhou no Alentejo. Nem no Alentejo”, repetiu já rouco.

Depois do batismo das legislativas, em 2019, em que Ventura foi eleito deputado único do Parlamento, o crisma correu-lhe bem e passou de 1,9% para quase 12% (o que correspondeu a 496 653 votos) . “O Chega conheceu o seu momento maior e a força para as batalhas que se aproximam”, porque Ventura promete continuar e garante que “não haverá Governo em Portugal sem o Chega”.

Apesar da vitória recolhida, o líder da extrema-direita admitiu ter ficado aquém dos 15% que definiu como objetivo e atrás – mesmo que por uma questão de décimas – da candidata Ana Gomes e, por isso, decidiu submeter-se novamente a votos no interior do partido que criou. “Fiquei aquém dos 15% que deveríamos ter tido e a algumas décimas de diferença da candidata que representa o pior que Portugal tem e a esquerda medíocre. Por isso mesmo, não fugirei à minha palavra e devolverei aos militantes do Chega a palavra para decidirem se me querem ou não à frente deste projeto”.

Os agradecimentos foram para Deus, por o ter colocado a ele “na base deste partido”, antes de uma ovação de pé dos apoiantes e de se ouvir o hino de Portugal.

Ventura ficou à frente de Ana Gomes em 10 distritos e na Madeira

A luta pelo segundo lugar foi renhida, tendo o líder do Chega ultrapassado Ana Gomes em 10 dos 18 distritos portugueses e na região autónoma da Madeira. Foram eles: Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Santarém, Vila real e Viseu.

André Ventura teve o pior resultado no distrito do Porto (8,42%), onde a principal adversária obteve o seu melhor resultado (Ana Gomes somou 15,58% no Porto). Já o melhor resultado foi recolher a Portalegre (20,04%).

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Mais na Visão

Legislativas 2022

João Oliveira apanhou o comboio da "convergência", mas acabou o dia a acusar PS e PSD de terem "relação" secreta

João Oliveira "puxou dos galões": apresentou a CDU como exemplo de "convergência" e colou ao partido estatuto de solução governativa útil, para o pós-Legislativas . Para PS ver. O silêncio de António Costa, porém, parece ferir – e o deputado acabou o dia a acusar PS e PSD de terem um "acordo tácito" para o futuro

Legislativas 2022

Numa planície apática, houve um arraial sem gás e Costa deu palco a Capoulas

Évora recebeu Costa de forma sonolenta, que quase precisou de um megafone para acordar os transeuntes. O líder do PS deixou brilhar Capoulas, um cabeça de lista que se bate contra a notoriedade do substituto de Jerónimo

Legislativas 2022

Rui Rio, o homem "sem medo de reformar todos os setores de atividade e afrontar interesses"

O quinto dia de campanha do PSD, dedicado à Economia e Finanças, terminou em Vila Real, um bastião laranja, numa arruada com pouco contacto com a população, mas aulas bem preparadas dos especialistas

Legislativas 2022

Legislativas: PS e PSD (outra vez) mais próximos. Chega em terceiro lugar. O que diz a última sondagem

Dia 30 de janeiro o País vai a eleições antecipadas. Acompanhe a evolução das intenções de voto

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

Os jogos de guerra de Putin

"Sim podes invadir, que não sabemos o que fazer", é a frase que circula nas capitais da NATO, e que espelha a realidade. Biden não sabe estar calado.

Mundo

Morreu cantora que contraiu Covid-19 de propósito

Hana Horka, de 57 anos, morreu este domingo depois de ter contraído covid-19 deliberadamente para que lhe fosse permitido visitar locais e entrar em estabelecimentos sem que fosse preciso o comprovativo de vacinação ou um teste

Visão Saúde
VISÃO Saúde

No tempo da Delta, tanto a vacinação com uma infeção anterior mostraram-se eficazes na proteção contra a Covid-19, mas vacinação destacou-se

O CDC teve em conta dados de mais de um milhão de pessoas, tanto na Califórnia como em Nova Iorque, e avaliou o risco de infeção e hospitalização por Covid-19

Se7e
VISÃO sete

56 peças de vestuário e calçado para regressar aos treinos

Seja caminhar seja correr ou ginasticar, o importante é fazer exercício físico. Nesta seleção, há 56 peças de vestuário, calçado e acessórios para usar no ginásio ou ao ar livre

Sociedade
Exclusivo

No lado errado da lei: Três histórias de quem se deu mal a furar as regras sanitárias em plena pandemia

Boris Johnson enfrenta a “fúria” da opinião pública britânica, Novak Djokovic ficou impedido de conquistar o seu 21º grande título e António Horta Osório bate com porta do Credit Suisse, nove meses após ter assumido o cargo

Sociedade

Covid-19: Autoagendamento aberto para maiores de 35 anos para dose de reforço

O autoagendamento da toma da dose de reforço da vacina contra a covid-19 está disponível, desde hoje, para pessoas de 35 ou mais anos por marcações `online´ na Direção-Geral da Saúde

Legislativas 2022

À porta da Autoridade “extorsionária”, Cotrim defendeu a sua taxa única

Ainda com o balanço do debate das rádios, o líder da Iniciativa Liberal começou a primeira ação de campanha na rua, em Lisboa, a falar para os microfones dos jornalistas sobre impostos. No centro do seu discurso estiveram o “desagravamento e a simplificação fiscal”

Imobiliário

Explosão de nómadas digitais revoluciona estadias no alojamento local

O teletrabalho está a fazer crescer o número de nómadas digitais. Segundo a Airbnb, uma em cada cinco noites reservadas na plataforma durante o terceiro trimestre de 2021 foi para estadias de 28 dias ou mais