Ventura fala em “resultado histórico”, mas demite-se por ficar atrás da “candidata que representa o pior que Portugal tem”

Já passavam das 23:30 quando André Ventura desceu do seu quarto de hotel no Marriott, em Lisboa, até à sala de conferências para ocupar o lugar em frente ao microfone com uma bandeira de Portugal agarrada. 99,84% dos resultados finais da eleição já estavam apurados e davam ao líder do Chega 11,91%, o terceiro lugar, depois de Marcelo Rebelo de Sousa (60,74%) e de Ana Gomes (12,96%).

A música de fundo tornou-se mais dramática enquanto a sua equipa jurava: “Ventura, não te abandonaremos. Jamais te deixaremos caminhar sozinho” e André Ventura, de braços abertos, com gestos de messias, respondeu eufórico: “esta é uma noite histórica, em que a direita em Portugal se reconfigurou completamente”.

Perante uma audiência de pouco mais de 30 apoiantes, sentados em cadeira a dois metros de distância uns dos outros, o candidato do Chega deixou avisos a todos os partidos, da direita à esquerda: “esmagámos a extrema esquerda em Portugal”; “PSD, ouve bem: não há Governo em Portugal sem o Chega”. No fundo, “toda a noite eleitoral foi sobre nós”, diria a seguir.

Distribuiu insultos gratuitos por todos os candidatos, à exceção de Marcelo, a quem até desejou boa sorte para o segundo mandato, e de Vitorino Silva. Mas foi em João Ferreira que se concentrou em especial, uma vez que foi no Alentejo – região onde tradicionalmente o Partido Comunista consegue mais votos – que Ventura obteve a sua melhor classificação. No concelho de Mourão ficou a apenas sete pontos de Marcelo e conseguiu bons resultados também em Moura, Monforte, Elvas, Serpa e Alter do Chão. “Nem o João Ferreira me ganhou no Alentejo. Nem no Alentejo”, repetiu já rouco.

Depois do batismo das legislativas, em 2019, em que Ventura foi eleito deputado único do Parlamento, o crisma correu-lhe bem e passou de 1,9% para quase 12% (o que correspondeu a 496 653 votos) . “O Chega conheceu o seu momento maior e a força para as batalhas que se aproximam”, porque Ventura promete continuar e garante que “não haverá Governo em Portugal sem o Chega”.

Apesar da vitória recolhida, o líder da extrema-direita admitiu ter ficado aquém dos 15% que definiu como objetivo e atrás – mesmo que por uma questão de décimas – da candidata Ana Gomes e, por isso, decidiu submeter-se novamente a votos no interior do partido que criou. “Fiquei aquém dos 15% que deveríamos ter tido e a algumas décimas de diferença da candidata que representa o pior que Portugal tem e a esquerda medíocre. Por isso mesmo, não fugirei à minha palavra e devolverei aos militantes do Chega a palavra para decidirem se me querem ou não à frente deste projeto”.

Os agradecimentos foram para Deus, por o ter colocado a ele “na base deste partido”, antes de uma ovação de pé dos apoiantes e de se ouvir o hino de Portugal.

Ventura ficou à frente de Ana Gomes em 10 distritos e na Madeira

A luta pelo segundo lugar foi renhida, tendo o líder do Chega ultrapassado Ana Gomes em 10 dos 18 distritos portugueses e na região autónoma da Madeira. Foram eles: Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Santarém, Vila real e Viseu.

André Ventura teve o pior resultado no distrito do Porto (8,42%), onde a principal adversária obteve o seu melhor resultado (Ana Gomes somou 15,58% no Porto). Já o melhor resultado foi recolher a Portalegre (20,04%).

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

PSD tem novo líder

Rui Rio não morreu na noite eleitoral, os opositores internos perderam força, mas tudo é sugado com a vitória de Lisboa.

Em sincronização

2299 votos a mais e “feelings” certeiros. Aqui está ele, Manuel Acácio. Mas, e agora?

Nenhuma sondagem previu a vitória de Carlos Moedas, mas ela aí está, "contra tudo e contra todos". Mas se os lisboetas querem mudança, com uma maioria de esquerda ela pode não ser fácil de conseguir

VISÃO DO DIA
Exclusivo

VISÃO DO DIA: Lá vai Lisboa, com o seu arquinho e balão

Autárquicas 2021

A derrota de Medina na capital em 15 imagens

Seis anos e meio depois de ter recebido a Câmara de Lisboa das mãos de António Costa, Fernando Medina perdeu nas urnas a possibilidade de avançar para mais um mandato. Na hora da despedida, o autarca socialista assumiu tratar-se de uma derrota "pessoal". Estas são as imagens do revés imposto pela direita

Autárquicas 2021

Ventura já Chega a todo o País, mas falha objetivo do 3º lugar

Os votos não são os que Ventura queria, mas os eleitos são mais do que aqueles que imaginava. Como o Chega perdeu e ganhou as suas primeiras eleições autárquicas?

Autárquicas 2021

“Este novo ciclo começa em Lisboa, mas não vai acabar em Lisboa”. Carlos Moedas conquista Lisboa e anuncia novo ciclo político na capital e no País

Carlos Moedas protagonizou a grande surpresa das autárquicas – é o novo presidente da câmara de Lisboa. Com Rui Rio e Francisco Rodrigues dos Santos na primeira fila, o grande vencedor da noite eleitoral anunciou uma “mudança histórica” que “não vai acabar em Lisboa”

Autárquicas 2021

Medina dá peito às balas na hora do adeus: "derrota em Lisboa é pessoal e intransmissível". Mas esquerda está em maioria, avisa

O PS perdeu em várias frentes na capital nestas autárquicas, mas Fernando Medina decidiu, esta madrugada, puxar para si os prejuízos e assumir que se tratou de uma derrota "pessoal". Segundo o presidente da Câmara de Lisboa, que não disse se fica como vereador, o partido deu-lhe "todos os recursos" para levar a melhor. "Infelizmente não fui capaz de prosseguir esse desígnio", disse, avisando que a esquerda está em maioria

Autárquicas 2021

A noite eleitoral de Rio: um abraço para Moedas e um riso de escárnio para as sondagens

Na sede do PSD cantou-se vitória. Lisboa, Coimbra, Portalegre, Funchal deram ao líder dos sociais democratas os argumentos de que precisava para festejar

Autárquicas 2021

O Porto mordeu pela calada e Rui Moreira perdeu a maioria

A influência do "caso Selminho" pode ter pesado. Autarca independente deixa de ser “absoluto” e vai precisar de negociar. Muito

Autárquicas 2021

Autárquicas: Ventura admite que "vitória não foi total" ao falhar objetivo de ficar em terceiro

O líder do Chega admitiu hoje que a "vitória não foi total" nas autárquicas de domingo, ao falhar o objetivo de ser a terceira força política, mas defendeu que se "fez história" em Portugal

Autárquicas 2021

Autárquicas: Isaltino Morais ganha em Oeiras e dedica vitória à juventude

O candidato independente Isaltino Morais foi reeleito presidente da Câmara Municipal de Oeiras nas eleições autárquicas de domingo, dedicou a vitória à juventude e sublinhou o reforço da maioria absoluta, após conquistar todas as freguesias do concelho

Autárquicas 2021

Autárquicas/Resultados: Movimento de Pedro Santana Lopes ganha a câmara de Figueira da Foz

O movimento "Figueira a Primeira" (FAP), de Pedro Santana Lopes, venceu as eleições autárquicas de domingo na Figueira da Foz, com 40,39% dos votos, segundo os dados do Ministério da Administração Interna