Make Terceira great again: A nova vida das Lajes

O que têm em comum Portugal, Marrocos, Guiné Equatorial e Uruguai? Para acertar na adivinha, é preciso ter o mapa-múndi em mente. Independentemente da dimensão, do regime político ou do PIB per capita, todos estes países são banhados pelas águas do Atlântico – o suficiente para alimentar uma relação que se quer pacífica e profícua, acredita-se nos corredores do Ministério da Defesa Nacional.

Sobre as águas serenas da baía da Praia da Vitória, na ilha Terceira, a dança entre o helicóptero Merlin, da Força Aérea Portuguesa, e uma corveta da Marinha, durante um exercício de simulação de resgate, marcou o lançamento do Atlantic Centre – a organização idealizada pelo Governo português para juntar todos os países tocados pelo Atlântico. Na foto que ficará para a posteridade, marcam presença os governantes nacionais, com o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, à cabeça. Mas também lá estão os representantes de algumas das primeiras nações a dizer “sim” ao apelo lançado pela diplomacia portuguesa, como é o caso dos EUA, Senegal, França e Cabo Verde.

Assinatura O Miradouro de Santa Rita, sobre a baía da Praia da Vitória, foi o local escolhido para a apresentação do Atlantic Centre

Uma imagem e um propósito bem diferentes dos que juntaram, há quase 20 anos, na mesma ilha e na mesma Base da Lajes (onde está sediado o novo organismo), os dirigentes dos Estados Unidos da América, Reino Unido, Espanha e Portugal, na famosa Cimeira das Lajes. Em 2003, assinava-se a guerra, quando as quatro nações se decidiram pela invasão do Iraque. A 14 de maio de 2021, prometeu-se a paz e a prosperidade, baseadas numa filosofia abrangente. Nela, inclui-se o combate às alterações climáticas, a investigação, a monitorização da Terra a partir do Espaço – daí a parceria com o AIR Centre (Centro de Investigação Internacional do Atlântico) –, a formação, além de, obviamente, estarem previstas ações relacionadas com questões de segurança (o primeiro curso ministrado nas Lajes será direcionado para o Golfo da Guiné, assolado por pirataria e sequestros).

“O objetivo é contribuir para a paz e a estabilidade na região do Atlântico, o que inclui questões como ciência, ambiente ou até pesca ilegal, que tem um enorme impacto, ao afetar a capacidade de pequenas comunidades se dedicarem a esta atividade, o que depois, mais cedo ou mais tarde, leva à prática de pirataria, como aconteceu na Somália”, exemplifica João Gomes Cravinho.

A reação dos potenciais aderentes – 66, ao todo – tem sido muito positiva. “Tradicionalmente, os países da América do Sul não gostam da ideia de ter países da América do Norte a trabalhar temas do Sul. Mas a visão, agora, é a de que o Atlântico é um só”, defende o ministro.

O objetivo é contribuir para a paz e a estabilidade na região do Atlântico”

João Gomes Cravinho
Ministro da Defesa

É no colo da diplomacia portuguesa que estes países, localizados nos quatro pontos cardeais, conseguirão conversar, trocar conhecimento e vigiar a saúde deste mar que nos alimenta. A casa de família não precisou de grandes obras – um investimento de dois milhões de euros para renovar e adaptar as instalações, deixadas quase ao abandono pela desmobilização do contingente norte-americano da Base das Lajes. Mas nem o ministro, nem o presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, pretendem dar a entender que os novos postos de trabalho, alguns deles para pessoas altamente qualificadas, irão compensar o desemprego – com estimativas que oscilam entre 500 e mais de dois mil – criado pela saída dos militares norte-americanos, que viviam, na Terceira, numa espécie de “pequena América”.

“Sem azul não há verde”
O que está agora em causa é a reputação do País e a sua relevância na política internacional. “A partir dos Açores, será possível dar uma centralidade a Portugal, que de outra forma não teríamos. A posição geopolítica do arquipélago permite tratar o Atlântico como um todo. É a única organização que o faz”, observa o brigadeiro-general Nuno Lemos Pires, que está à frente do Atlantic Centre. “A NATO ocupa-se do Atlântico Norte, outras organizações dedicam-se ao Atlântico Sul, há muitas de cariz regional, especializadas. Mas só há uma organização que junta 66 países, de forma igual, em torno do mesmo projeto”, reforça.

No momento da assinatura, foram já 16 os subscritores: Alemanha, Angola, Brasil, Cabo Verde, Espanha, Estados Unidos da América, França, Gâmbia, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, Marrocos, Reino Unido, Senegal, São Tomé e Príncipe, Uruguai e, claro, Portugal, numa contagem atualizada quase diariamente.
Com tão nobre missão na declaração de intenções, não há quem se atreva a contestar. Muito menos o social-democrata José Manuel Bolieiro, de um partido político de cor diferente do Governo da República. “O valor acrescentado destas medidas não se reduz aos valores do investimento”, diz o advogado, pelo que não faz qualquer sentido estabelecer comparações com os anos dourados da vida americana na ilha. “Esta não é uma resposta ao downsizing na Base das Lajes. É uma iniciativa própria”, reforça Bolieiro. Mesmo assim, os dividendos chegarão, acredita. “Seremos uma centralidade em vez de uma periferia”, acredita o açoriano. “Não será mensurável num dia, mas sim a longo prazo, pela notoriedade dos Açores e também de Portugal e da Europa.”

Apesar de estar na dependência do Ministério da Defesa, esta é uma estrutura que deverá juntar esforços – e recursos – de vários quadrantes, porque, como diz Lemos Pires, “o oceano tem de ser sustentável, bem gerido e seguro”. Sem vida no mar, não pode haver vida em terra. Ou, como afirma o brigadeiro: “Sem azul não há verde.”

Foto: Luís Coelho

De olho no lixo espacial

Há quinze dias, pudemos sentir-nos como os valentes gauleses da aldeia de Astérix, com medo de que o céu nos caísse na cabeça. No caso, a ameaça materializou-se nas sobras do foguete chinês Longa Marcha, que regressava à Terra desgovernado e sem poiso definido. Acabou por cair no oceano Índico, mas Portugal fazia parte da rota prevista. Com a entrada dos privados na corrida ao Espaço, tornou-se essencial desenvolver um sistema de vigilância capaz de manter um catálogo atualizado de todos os objetos postos lá em cima, bem como daqueles que caem. Desde 2014 que a Europa tem um programa de seguimento espacial – o SST – do qual Portugal faz parte. Na Terceira, foi agora inaugurado o centro de operações de toda a rede, da responsabilidade da Elecnor Deimos, que inclui dois telescópios óticos na Madeira, outro em Santa Maria e ainda um radar na Pampilhosa da Serra, Coimbra.

Palavras-chave:

Mais na Visão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Cientista descobre dados genéticos sobre a origem do coronavírus que tinham sido apagados

Um investigador americano descobriu dados importantes sobre o SARS-CoV-2, que tinham sido apagados do arquivo digital dos Institutos Nacionais de Saúde e gerou uma onda de reações entre a comunidade científica

História

VISÃO História: grandes exploradores

Está nas bancas um novo número da revista

Exame Informática
Software

Windows 11: já é oficial e traz alterações de fundo

A nova versão do Windows chama-se mesmo 11 como indicado pelos rumores e a primeira versão de testes vai começar a ser distribuída já na próxima semana. Mas será preciso esperar mais tempo para a versão final, onde vão aparecer as novidades mais importantes.

Sociedade

Covid-19: Reino Unido deverá reintegrar Madeira no 'corredor verde'

O vice-presidente do Governo da Madeira, Pedro Calado, afirmou haver "boas perspetivas" de que a região volte a integrar o 'corredor verde' de viagens internacionais do Reino Unido, vincando que a decisão deverá ser comunicada hoje pelo executivo britânico

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Modalidade 'casa aberta' disponível para maiores de 50 anos a partir de sexta-feira

Os maiores de 50 anos sem agendamento da vacina podem, a partir de sexta-feira, deslocar-se ao centro de vacinação pertencente ao centro de saúde onde estejam inscritos para receber a primeira dose, anunciou hoje a 'task force'

Política

Ministério Público abre inquérito à manifestação do Movimento Zero

O Ministério Público abriu um inquérito à manifestação realizada na segunda-feira, em Lisboa, por elementos da PSP e da GNR pertencentes ao Movimento Zero, indicou hoje a PGR

EURO2020

Euro2020: Nuno Mendes integrado no treino de Portugal, titulares com França em recuperação

O defesa Nuno Mendes integrou hoje o treino da seleção portuguesa de futebol, após debelados os problemas físicos, enquanto os titulares diante da França (2-2), no derradeiro desafio do Grupo F do Euro2020, realizaram trabalho de recuperação

EURO2020

Euro2020: Portugal-França foi o mais visto do campeonato até agora

O jogo do Euro2020 entre Portugal e França foi o mais visto do campeonato europeu de futebol e desde a final do Euro2016 "que não havia um programa na televisão portuguesa com audiências tão elevadas", segundo a Universal McCann

Mundo

Mais de 50 pessoas desaparecidas após colapso de prédio em Miami

Cinquenta e uma pessoas estão desaparecidas depois do desabamento parcial de um prédio de 12 andares em Miami, Florida, disse fonte local à cadeia de televisão CBS, enquanto as autoridades admitem a possibilidade de mais vítimas mortais

EURO2020

Euro2020: Alderweireld diz que Bélgica "respeita" Portugal, mas tem "fome" de títulos

O defesa Toby Alderweireld disse hoje que a Bélgica "respeita" Portugal, seu adversário nos oitavos de final do Euro2020 de futebol, mas que tem "muita fome" de títulos e qualidade suficiente para vencer no domingo

VISÃO VERDE
Ambiente

Praga de 'piolho do pombo' encerrou enfermarias de uma ala do Hospital do Funchal

Os doentes do primeiro andar nascente do Hospital do Funchal tiveram de ser deslocados devido a uma praga do 'piolho do pombo' detetada naquele serviço, disse hoje fonte do Serviço Regional de Saúde da Madeira

Política

Travão no desconfinamento, 25 concelhos em risco elevado, Lisboa "fechada" ao fim-de-semana e a via verde que lhe dá (alguma) liberdade

O Conselho de Ministrou reuniu-se, como é habitual, nesta quinta-feira, para atualizar as regras sanitárias do País. Quer primeiro as boas ou as más notícias?