Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Venezuela: Juan Guaidó oferece amnistia a militares que mudem de campo

Mundo

Anadolu Agency/ Getty Images

Apoiantes do presidente do parlamento venezuelano, autoproclamado chefe de Estado, distribuíram este domingo uma lei assinada por Juan Guaidó de amnistia aos soldados, tentando convencê-los a mudar de campo, enquanto o Presidente Nicolás Maduro assistiu pessoalmente a exercícios militares

Nicolás Maduro apareceu na televisão a dirigir as manobras militares no Forte Paramacay (norte do país), com as imagens a mostrar carros blindados e soldados em sessões de tiro.

"Joelho em terra para combater o golpe de Estado, digo a todas as tropas bolivarianas: união máxima, disciplina máxima, coesão máxima", afirmou Maduro no início dos exercícios.

Enquanto Maduro se fazia ver na televisão ao lado dos soldados, a oposição - animada pela notícia da deserção do adido militar venezuelano em Washington, coronel José Luis Silva, que no sábado anunciou que deixava de reconhecer Maduro como Presidente e exortou os seus "irmãos militares" a apoiarem Juan Guaidó -, distribuía em vários postos da polícia e quartéis no país uma lei de amnistia dos militares assinada por Juan Guaidó, que foi também divulgada nas redes sociais.

Alguns militares queimaram à frente dos opositores a lei impressa, que oferece "todas as garantias constitucionais" aos militares e funcionários públicos que "colaborarem com a restituição da democracia", de acordo com testemunhos de populares à AFP.

"Nós distribuímo-la porque lutamos para que o exército se coloque ao lado do povo que pede eleições livres. Se eles a queimam, é problema deles, nós não queremos violência", afirmou o deputado da oposição, Ismael Leon, citado pela agência.

Se objetivo de Guaidó é abrir brechas entre o principal apoio de Nicolás Maduro desde que chegou ao poder em 2013, ele não passa despercebido ao Presidente, que usa a televisão estatal para o deixar bem claro.

"Vocês são golpistas?", perguntou Nicolás Maduro a um grupo de soldados reunidos, após as manobras militares, que lhe responderam com um sonoro "não, Presidente!".

Em seguida, Maduro perguntou se eram constitucionalistas e anti-imperialistas e mais uma vez os soldados responderam: "sim".

com Lusa