Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Uma coisa em forma de lifestyle para apagar - pms

  • 333

O admirável poder de síntese da língua inglesa é, neste caso, muito útil, uma vez que um eventual nome português da secção Lifestyle teria de ser qualquer coisa como Repositório de Curiosidadezinhas Meio Parvas Extraídas da Internet, Dicas de Beleza e Charlatanices Pseudo-Científicas em Geral

João Fazenda

Tenho dedicado alguma atenção à nova secção de Lifestyle, que cada vez mais jornais têm. Como, infelizmente, a minha life possui pouquíssimo style, esperava recolher ali informações preciosas. Até agora, porém, não posso dizer que tenha conseguido. O primeiro facto saliente das secções de Lifestyle é o próprio título. Já tínhamos Política, Economia, Sociedade, Internacional, Cultura e Desporto. Fazia falta, ao que se constata agora, uma categoria em estrangeiro, que albergasse uma série de notícias rejeitadas pelas rubricas tradicionais. O admirável poder de síntese da língua inglesa é, neste caso, muito útil, uma vez que um eventual nome português da secção Lifestyle teria de ser qualquer coisa como Repositório de Curiosidadezinhas Meio Parvas Extraídas da Internet, Dicas de Beleza e Charlatanices Pseudo-Científicas em Geral, o que seria demasiado comprido, com muita pena minha e de todos os amantes do nosso idioma.

Vale a pena fazer uma pesquisa rápida pelo Lifestyle dos media portugueses, para percebermos melhor como o mundo mudou. Uma publicação propõe a seguinte peça jornalística: “25 razões para gostar do Outono”. Não sei como foi possível, mas houve um tempo em que as pessoas passavam pela vida sem que os meios de comunicação social lhes dessem razões para apreciar estações do ano. Entre as 25 razões para gostar do Outono, o artigo destaca “Ficar em casa” e “Batons” que, de facto, são o tipo de coisa que, na Primavera, Verão e Inverno, faz menos ou nenhum sentido. Um jornal publica um interessante artigo intitulado “O que são os pontinhos brancos que temos nas unhas?” e depois dedica 1100 caracteres a apresentar a seguinte resposta: “Nada de especial.” Outro jornal, na mesma edição em que apresenta um “iPod para cães que sofrem de ansiedade”, avança com uma questão central: “Setembro é o melhor mês para fazer anos?” E responde afirmativamente à pergunta, justificando com um conjunto de 13 motivos (menos 12 do que as razões para gostar do Outono, mas ainda assim um trabalho de fundo) entre os quais sublinharia, e cito: “Os signos mais fixes.”

Anseio pelas excelentes investigações que esta nova categoria vai proporcionar, e por conhecer as figuras maiores do jornalismo lifestyliano, os Woodward e Bernstein da ninharia, e cá estarei para os aplaudir, quando vencerem o Pulitzer da pepineira.