Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Incêndios: há muita boa gente a querer a ajudar

Coração no centro de Portugal

Paula Lameiras, queijeira de Vila Franda da Beira

Nuno Botelho

A VISÃO está desde o início do mês com o coração a bater no centro de Portugal, e muitos leitores acompanham esse batimento. Alguns, passam à ação e oferecem a sua ajuda.

Quando no início do mês de novembro deslocámos o nosso coração para o centro do país e para essa extensa área queimada, queríamos que as histórias de quem perdeu tudo não se diluíssem na espuma dos dias. Mas também queríamos ajudar, encurtando distâncias entre quem precisa e quem queria fazer alguma coisa por estas pessoas, vítimas das chamas.

Mas os nossos leitores conseguiram surpreender-nos e ir mais além. Foi o caso de Ângela Rodrigues, 37 anos, gestora de projeto da empresa de comunicação Pegada Criativa, com sede no Porto. Enviou-nos um e-mail a pedir o contacto de Paula Lameiras, queijeira de Vila Franca da Beira que entrevistáramos, porque queria oferecer-se para garantir a identidade visual, pro bono, claro.

O momento anterior a este e-mail foi a leitura do texto que saiu na nossa edição de 16 de novembro (Quando Todos Ajudam). "Emocionei-me com a história da Paula, e de outros que de um dia para o outro ficaram sem nada, e falei logo com a restante equipa para tentarmos ajudar", conta.

Ao e-mail para a VISÃO seguiu-se o telefonema para a queijeira, que ficou, claro, super emocionada e agradecida. Porém, avisou que ainda estava a organizar as coisas para recomeçar o negócio, a tentar recuperar o máximo de coisas dos escombros, e só depois pensará na questão da imagem e dos rótulos. Trocaram, por isso, promessas de se falarem mais à frente, quando essa fase estiver no horizonte - até para a impressão dos materiais criativos, a Pegada Criativa conta com a boa vontade das gráficas com que costuma trabalhar.

Sara Dionísio e António Lopes, produtores do vinho Casa Mouraz

Sara Dionísio e António Lopes, produtores do vinho Casa Mouraz

Mais ou menos pela mesma altura, recebemos outro e-mail da Portuguese Conspiracy a pedir-nos para usar os nossos vídeos no lançamento de uma campanha de crowdfunding para ajudar a Casa Mouraz, produtora de vinhos biológicos na região do Dão - história que contámos no site da VISÃO. Quisemos saber mais e falámos para Londres, onde está a sede desta empresa que, desde há 5 anos, divulga produtos nacionais em Inglaterra. José Cardoso, 38 anos, um dos fundadores, explicou que a ideia de alavancar financeiramente estes produtores surgiu quando perceberam que eles tinham ficado sem grande parte da sua vinha. "Conhecemos pessoalmente a Casa Mouraz, a Sara e o António, e os seus vinhos vendem-se muito bem", explica. Pouco tempo depois do incêndio, pensaram em criar este crowdfunding, que será lançado no dia 30, para profissionais do setor, na embaixada portuguesa em Londres. Dois dias depois, haverá um concerto do cantor Mazgani e uma wine party para apresentação pública da campanha que durará dois meses - neste momento os vídeos da VISÃO serão mostrados. O casal Sara Dionísio e António Lopes, à frente da Casa Mouraz, também estarão presentes nestes dois lançamentos.

Dependendo do valor da doação para ajudar na reconstrução de uma nova adega, um dos objetivos deste crowdfunding, haverá recompensas traduzidas em vinho, claro. "Queremos contribuir para uma Casa Mouraz 2.0, para que os próximos 20 anos sejam ainda mais interessantes do que estes até agora."

AS AJUDAS VÊM DE TODOS O LADO

Já passou um mês e meio sobre os últimos incêndios graves, mas as iniciativas da sociedade civil continuam ativas:

- Beja Ajuda: No grande auditório do Teatro Municipal Pax Julia, na quinta-feira, 30 de novembro, haverá uma noite de fados, com bilhetes a 5 euros. A receita reverterá a favor da Cruz Vermelha Portuguesa, para apoiar as vítimas dos incêndios.

- Quinta das Lágrimas: O Chef Vitor Dias, do restaurante deste hotel romântico em Coimbra, organizou para 25 de novembro um jantar solidário em que a totalidade da receita reverterá para ajudar duas famílias que perderam as suas casas. Cada refeição custa 50 euros.

- Castelo de Paiva: Quase uma centena de estudantes do 3º ano da licenciatura em Gestão de Marketing do IPAM vão ajudar a reconstruir esta vila, no sábado, 25 de Novembro, juntando-se a um grupo de cidadãos denominado Re Start. Vão limpar três espaços afetados pelos incêndios, distribuir bens, ouvir e conversar com a população.

- Marcadores de livros: A Quercus uniu-se ao El Corte Inglés e lançou uma campanha solidária chamada Hoje Ofereci uma Árvore, para angariar fundos destinados à reflorestação de Portugal, com a venda de marcadores de livros, a dois euros cada. O valor angariado irá para o projecto Criar Bosques (por cada marcador vendido será plantada uma árvore na Serra do Açor).

- Pinheiros reutilizados: A Rnters lançou hoje o projeto #PinheiroBombeiro para reutilização de pinheiros verdadeiros nas decorações natalícias, juntando solidariedade e sustentabilidade. Além de ajudar a Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários, a iniciativa permite dar uma vida nova a estes pinheiros cujo corte é obrigatório para manter o terreno limpo e evitar a disseminação de incêndios.