Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Mulher lambe gelado em supermercado e volta a colocar caixa na prateleira. Agora, pode enfrentar 20 anos de prisão

Sociedade

Uma mulher americana começou o desafio de lamber caixas de gelados em supermercados. Agora, segundo a polícia, pode enfretar uma pena de até 20 anos de prisão

Um vídeo viral nas redes sociais mostra uma mulher, a retirar uma caixa de gelado das arcas frigoríficas de um Walmart, em Lufkin, no Texas a lambê-lo, e a colocá-lo novamente na prateleira. A protagonista das imagens ainda desafiou os outros a repetir a sua proeza, e a partilhar vídeos semelhantes na internet, com a hashtag #icecreamchallenge (desafio do gelado).

A polícia ainda está a confirmar a identidade da suspeita, agora conhecida como a "Lambedora de Lufkin", e deverá depois proceder à emissão de um mandado de captura sob a acusação de adulteração de um produto de consumo. A pena de prisão poderá ir de 2 a 20 anos. Já a potencial multa pode chegar aos 10 mil dólares (cerca de 9 mil euros). Nas redes sociais, já houve quem afirmasse ser a autora do desafio, e até que estava com gripe na altura em que afirma ter lambido o gelado.

Além da mulher que aparece nas imagens, a polícia também está à procura de um suspeito do sexo masculino, que deverá ter filmado e incentivado o seu comportamento.

A marca de gelados em causa, a Blue Bell, removeu todas as caixas de gelado da loja onde as imagens foram filmadas, por precaução, e afirma que acredita ter conseguido recuperar o gelado adulterado. Numa declaração, escreveram: "A segurança dos nossos gelados é nossa maior prioridade, e trabalhamos arduamente para manter o mais alto nível de confiança dos nossos clientes." "A adulteração de alimentos não é uma brincadeira e não toleraremos a adulteração dos nossos produtos. Somos gratos aos clientes que nos alertaram e nos forneceram as informações".

Gerald Williamson, diretor de segurança pública de Lufkin, afirma que a sua "maior preocupação é a segurança do consumidor", e que estão "felizes em ver o produto contaminado fora das prateleiras". Contudo, admite estar "chocado por alguém fazer isto". "Levamos isto incrivelmente a sério e estamos a agir sobre o sucedido como o crime grave que é", acrescenta.

Segundo a empresa de gelados, todos as caixas dos seus produtos são seladas, portanto, qualquer tentativa de as abrir deverá ser percetível para os clientes. Contudo, no Twitter foram partilhadas fotografias de várias lojas que optaram por selaram as arcas frigoríficas, onde estão os gelados, sendo o seu acesso restrito a funcionários.