Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Sete passos para quem quiser tornar-se vegetariano ou vegan sem arriscar a saúde (nem as relações)

Sociedade

Enrique Díaz / 7cero/Getty Images

Sim, é possível ser vegetariano, ou mesmo vegan, sem cair em fundamentalismos

Era a melhor decisão de ano novo que se podia ter. Foi assim que, no final de 2017, um grupo de amigos criou o desafio vegetariano, a alternativa portuguesa ao Veganuary, o movimento internacional que desafia as pessoas a aderirem ao veganismo ( ou pelo menos ao vegetarianismo...) durante o mês de Janeiro – da mesma maneira que nos convidam a ficar sóbrios em outubro (Go sober October) em nome da luta contra o cancro ou a aplaudir barbas e bigodes em novembro (Movember) a chamar a atenção para as doenças do homem.

Agora, o movimento parece querer estender-se ao resto do ano e, sim, em princípio, pelo menos nesta zona do globo, será uma boa ideia – ou como diz Andrew Jarvis, do Centro Internacional de Agricultura Tropical, sediado na Colômbia, "é um conto de dois mundos: em países desenvolvidos, traria vários tipos de vantagens para a saúde pública e para o meio ambiente. Mas nas nações em desenvolvimento, poderia haver ainda mais pobreza."

E ainda assim só se souber fazê-lo com bom senso: os alimentos de origem animal têm muito mais nutrientes do que os de origem vegetal – e isso, por exemplo, sabe-se que fez toda a diferença na evolução do cérebro do homem passar a criar animais e deixar de precisar de caçar para comer.

1- Faça-o como deve ser

Uma alteração na nossa alimentação exige um planeamento cuidado – sobretudo porque se sabe que há vitaminas e minerais de que o nosso corpo precisa e que consumimos em geral nos alimentos de origem animal, como por exemplo, a vitamina B12. A sua carência, cuidado!, pode conduzir a anemias e danos no sistema nervoso. Por isso, certifique-se que consome bastantes alimentos fortes em B12, como leites vegetais, soja, flocos de cereais... Pode também vir a precisar de um reforço de omega 3 e 6 (que encontra nas nozes, linhaça e óleo de canola). Se não for suficiente, socorra-se do óleo de peixe ou dos suplementos de algas.

2- Não seja radical

Há quem insista que não se deve comer abacate porque a sua produção envolve a morte de abelhas. Ou figos, porque na verdade o que está a ingerir são vespas mortas. Há quem recuse bolachas porque pode conter óleo de palma e a sua produção é tudo menos sustentável. Não se deve sequer recorrer à soja, dizem outros, porque as plantações estão a dar cabo da floresta tropical. Vamos por passos: tudo isto tem algo de verdade, mas o melhor sempre é tentar manter-se fiel aos seus princípios, provocando o menor dano possível, dentro do que está ao seu alcance.

3- Compre de forma inteligente

Seguir a lista de compras do costume, excluindo apenas a carne, o leite e o queijo, não vai resultar. Se quer mesmo ser sério em relação a isto, consulte um nutricionista – ou pelo menos as Linhas de Orientação para uma Alimentação Vegetariana Saudável da Direção Geral da Saúde.

4- Planear faz toda a diferença

Se a comida pronta e os serviços de take-away da sua zona constituem grande parte da sua alimentação é preciso então que comece a pensar em alternativas. Já há refeições vegetarianas também prontas a comer, mas são bem mais caras – e quando não tiver bem a certeza do que contêm, siga o conselho de sempre: leia os rótulos. Se não lhe apetecer cozinhar em casa, saiba que já há uma lista de restaurantes vegetarianos bem considerável um pouco por todo o lado.

5- Não tente evangelizar os outros

Como é que sabemos que alguém se tornou vegetariano? Bom, geralmente, quem faz uma mudança destas na sua vida não descansa enquanto não o anuncia ao mundo e arredores – um cliché, sim, mas que tem a sua quota parte de verdade. Concordamos que é tentador querer que nos sigam nas nossas escolhas – mas, a não ser que queira irritar as pessoas e, mesmo, perder amigos, fale da sua experiência quando lhe perguntam em vez de desatar a partilhar vídeos horríveis do abate de animais para a indústria.

6- Nem se torne tão radical que ninguém o queira ter como convidado

Espere, antes de mais, que os convites para almoçar ou jantar se reduzam à medida que mais e mais pessoas à sua volta sabem que mudou o seu regime alimentar, sobretudo porque a maioria fica sem saber o que fazer para lhe servir. O que tem a fazer é facilitar-lhes a vida e levar a sua própria comida. Faz como que as pessoas fiquem mais relaxadas sobre o assunto e ajuda também a combater preconceitos.

7 - Certifique-se do que está a beber

Nem todas as bebidas alcoólicas são vegan, como se poderia à partida pensar, porque algumas são filtradas com uma gelatina à base de barriga de peixe. A boa notícia para os amantes de vinho é que grande parte dos vitivinicultores não o fazem. Na dúvida, pode sempre consultar a lista do Barnivore, um guia de bebidas livres de proteína animal.