Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Novo tratamento pode acabar com as 'picadas' dos diabéticos

Sociedade

Media for Medical/Getty

Destruir a membrana mucosa do intestino delgado e fazer com que nasça outra estabiliza os níveis de açúcar dos pacientes com diabetes tipo 2, segundo um novo estudo

Um procedimento médico de apenas uma hora deu resultados “espetaculares” para os doentes de diabetes tipo 2.

Investigadores holandeses apresentaram esta semana, em Viena (Áustria), os resultados de um estudo feito com 50 pessoas.

Nesse procedimento foi introduzido, pela boca, um tubo com um pequeno balão de água quente na ponta. Quando o tudo chega ao intestino delgado a água é libertada e queima a membrana mucosa. Passadas duas semanas nasceu uma nova membrana mucosa no intestino e a saúde destes pacientes melhorou. Em 90% dos casos, e passado um ano, não tiveram de se injetar com insulina.

“Devido a este tratamento, o uso de insulina pode ser adiado ou mesmo evitado. Isso é promissor”, referiu Jacques Bergman, professor de gastroenterologia que acompanhou o estudo.

Os cientistas acreditam que existe uma ligação entre a possível absorção de nutrientes pelo intestino e o desenvolvimento de resistência à insulina em pessoas com diabetes tipo 2.

“Houve uma melhoria espetacular nos níveis de açúcar no sangue logo um dia após a operação, antes mesmo de perderem um quilo”, realçou o investigador.

A questão agora é saber se este tratamento é permanente ou tem de ser repetido.

Além de não terem de tomar insulina, estes pacientes, segundo o estudo, podem ainda beneficiar de um menor risco de desenvolverem doenças cardiovasculares, insuficiência renal e dormência nos pés e mãos.

A equipa de cientistas alertou que esta nova abordagem é recomendada para pessoas que já tomam um medicamento para a diabetes tipo 2, mas cujo nível de açúcar no sangue é alto o suficiente para que os médicos prescrevam a injeção de insulina a curto prazo.

Estão a ser selecionados outros 100 doentes de diabetes tipo 2, com idades entre os 28 e os 75 anos, para continuar a investigação.