Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Estação espacial chinesa desacelera queda e só entra na atmosfera entre domingo à tarde e segunda de manhã

Sociedade

O lançamento, em setembro de 2011

PETAR KUJUNDZIC/ Reuters

A Agência Espacial Europeia (ESA) esclarece que a estação espacial chinesa Tiangong-1 está a progredir mais lentamente do que o previsto

De acordo com um comunicado citado pela agência de notícias francesa AFP, a nova janela de tempo para a queda da estação espacial chinesa situa-se agora entre as 13:00 de domingo (horário de Lisboa) e as 12:00 de segunda-feira.

A agência explica a desaceleração da queda da Tiangong-1 pela manutenção de um fluxo de partículas que devia ter aumentado de densidade na atmosfera superior e precipitado a queda, mas tal não aconteceu.

A janela de reentrada na atmosfera da Terra, no entanto, permanece "altamente variável", disse a ESA, salientando que também há uma grande incerteza sobre onde os detritos vão cair.

Na sexta-feira, a China já tinha minimizado as preocupações sobre o impacto da entrada na atmosfera, e prometeu mesmo que será um espetáculo magnífico, semelhante a uma chuva de meteoros.

"As pessoas não têm motivos para se preocupar", assegurou a entidade chinesa responsável pela conceção dos voos espaciais tripulados (CMSEO, na sigla em inglês), numa mensagem publicada nas redes sociais.

Este género de estação espacial "não cai violentamente sobre a Terra como nos filmes de ficção científica, mas desintegra-se como uma magnífica chuva de meteoros num belo céu estrelado, à medida que os respetivos destroços avançam em direção à Terra", explicou a entidade chinesa.

A Tiangong-1 foi colocada em órbita em setembro de 2011.

A estação espacial chinesa deverá efetuar uma entrada controlada na atmosfera terrestre, mas o facto de ter deixado funcionar em março de 2016 está a levantar preocupações sobre a sua queda na Terra.

O risco de um ser humano ser atingido por um fragmento espacial com mais de 200 gramas é de um em 700 milhões, segundo indicou a CMSEO.