Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Aqui se conta a incrível vida de Antónia Rodrigues, a amazona de Aveiro

Sociedade

D.R.

No final do século XVI, disfarçou-se de António, foi grumete de caravela e bravo oficial-cavaleiro em Mazagão

No início do século XX, a Rua de São Roque, no casco histórico de Aveiro, passou a chamar-se Rua Antónia Rodrigues. Ainda lá está a placa justificativa da mudança toponímica: “A célebre Antónia de Aveiro que, fugindo de casa aos 15 anos, foi, vestida de homem, combater gloriosamente os Mouros em Mazagão, onde obrou prodígios de valor, conservando durante anos, com a sua virtude, o segredo do seu sexo.” Por exemplo, apertando com um pano 
os seios contra o peito.

Mas o ceticismo sobre a existência de tal figura durou décadas. Desses desconfiados, o vereador da Cultura da Câmara de Aveiro, Capão Filipe, habituou-se a ouvir, em tom sarcástico, que “cada país teve a sua Joana d’Arc”, como conta à VISÃO. A descrença, porém, foi deixando de fazer sentido.

O primeiro a atacar os céticos foi o artista plástico Marcos Muge. Em 2001, criou e pintou um painel de azulejos de 4,50 por 2,40 metros, em homenagem a uma “mulher à frente do seu tempo”. O artista estudou a indumentária militar da época (fins do século XVI) e, sobretudo, a Descrição do Reino de Portugal, texto publicado em 1610. A obra é de Duarte Nunes de Leão, contemporâneo de Antónia Rodrigues, 
e relata com riqueza de pormenores a vida 
e os feitos da heroína aveirense, confirmando o que está resumido na placa toponímica – hoje muito degradada.

Marcos Muge só por duas vezes teve oportunidade de exibir o seu painel de azulejos em Aveiro, a última das quais em 2010. “Como Antónia Rodrigues veio do povo, não é lembrada, na cidade, com uma obra plástica digna”, critica. Pouco depois, ouvimos uma frase idêntica: “Era uma mulher do povo e, por isso, não faz parte das narrações da História”, diz Mário Silva Carvalho, autor do romance 
A Amazona Portuguesa (Saída de Emergência, 256 págs., €16,60), lançado recentemente. Lê-se na capa que a obra é inspirada na “história verídica de uma jovem que, disfarçada de rapaz, conquistou honras e regalias no Exército português”, ou seja, Antónia Rodrigues.

Pobreza e glória

Antónia nasceu em março de 1580 numa casa pobre de pescadores, fora das muralhas da vila de Aveiro. Tinham passado quase dois anos sobre a trágica derrota de Alcácer-Quibir, na qual morreu o rei D. Sebastião, solteiro e virgem. Na atribulada crise sucessória que se seguiu, 
o rei de Castela, Filipe II, seria designado rei de Portugal, sob o título de Filipe I.

A menina seria, aos nove anos, entregue aos cuidados da irmã mais velha, Inácia, que se casara com um carpinteiro naval e vivia num cubículo em Lisboa. Em 1610, Duarte Nunes de Leão relatava a “aspereza” e o “mau tratamento” de Inácia para com a irmã mais nova. Aos 15 anos, com algum dinheiro ganho em biscates, comprou roupa masculina e, num casebre abandonado, vestiu-a. Depois, com uma tesoura surripiada à irmã, desfez-se das tranças castanhas alouradas e ajeitou o corte de cabelo ao dos grumetes. De seguida, conseguiu embarcar numa caravela que transportava trigo para Mazagão, dizendo chamar-se “António Rodrigues”. Mas, quando o barco fundeou em Setúbal, 
o novo grumete testemunhou, à noite, que o mestre e a tripulação desviavam parte do cereal para botes que se encostaram ao navio. Detetado o ilícito após a chegada à praça-forte, o “rapaz” confirmou-o às autoridades, sem identificar os autores. O governador, D. Diogo Lopes de Carvalho, entendeu que o grumete não devia voltar à caravela. Temia que, “na primeira noite de mar”, o mestre o destinaria a “pasto para peixes”. Ficava melhor como praça da guarnição de Mazagão

Licenciado em História, Mário Silva Carvalho mergulhou ao longo de quase quatro anos na busca de documentos sobre a destemida aveirense (outro exemplo: o livro Theatro heroino – Abcedario historico, e catalogo das mulheres Illustres em Armas, Letras, Acçoens Heroicas, e Artes Liberaes, do Frei João de São Pedro, publicado em 1736). E acabou por escrever um romance em que é ténue a fronteira entre a ficção e o rigor histórico. Mas o documento crucial da obra é o Alvará de Mercê do rei Filipe II que, em dezembro de 1602, concede uma tença (pensão) vitalícia de “cinco mil réis” por ano “a Antónia Rodrigues”, pelos feitos que durante cinco anos alcançou na praça-forte de Mazagão, em Marrocos, enfrentando os ataques diários dos mouros, como “espingardeiro de cavalo e de pé, em trajos de soldado”.

Naquele ano, a nossa heroína foi obrigada a despir a carapaça com a qual teve artes de enganar, nas casernas, “homens belicosos, beberrões, gabarolas e brigões”, como descreve Mário Silva Carvalho. Sucedeu que a filha de um nobre se apaixonou perdidamente pelo cavaleiro-sargento António Rodrigues e, na ausência de correspondência amorosa, caiu à cama doente, recusando alimentar-se. O governador da praça-forte, D. Diogo Lopes de Carvalho, coagiu-o a casar-se com a jovem. E Antónia Rodrigues entregou-se, em confissão, ao padre Malafaia, que acabou por conseguir amenizar a ira inicial das autoridades e que a urbe (cerca de dois mil habitantes, 500 dos quais militares) a amnistiasse.

Ainda em Mazagão, Antónia casar-se-ia, em 1603, com um oficial, de quem teve um filho. Em 1607, regressou a Lisboa com a família. Depois, já viúva, ingressou na corte, em Madrid, de Filipe II (III de Espanha). Com a morte do monarca, em 1621, sentiu-se marginalizada pelo sucessor e voltou a Portugal. Aqui, perde-se o seu rasto. Terá morrido em 1641 ou 1642, com 61 ou 62 anos. Mas, no seu romance, Mário Silva Carvalho dá-lhe um final glorioso – que, claro, não desvendamos.