Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

As escolhas profissionais podem estar relacionadas com a ordem de nascimento

Sociedade

José Caria / Arquivo VISÃO

Pesquisas apresentam ligação entre a ordem de nascimento e a escolha das profissões. Conheça os casos reais que confirmam o estudo

O Dia do Irmão, que se celebrou esta segunda-feira nos Estados Unidos, foi o pretexto para o lançamento de um estudo da Disney que apresenta resultados curiosos sobre o percurso profissional dos irmãos. Segundo as pesquisas, a ordem de nascimento é um fator que influencia a escolha das profissões, refere o The Independent.

Uma equipa de investigadores, liderada pela psicóloga Emma Kenny, analisou uma amostra aleatória, com 500 dos indivíduos mais bem sucedidos de onze segmentos diferente e comparou padrões de personalidade.

A equipa encontrou evidências que sustentam a teoria de que a ordem de nascimento influencia os percursos profissionais.

"A pesquisa realizada no último mês mostrou que a ordem de nascimento é um fator significativo na determinação dos tipos de emprego entre irmãos", afirma Kenny.

Os resultados demonstraram que os filhos do meio são indivíduos que estão habituados a lutar por atenção, o que os torna mais competitivos, flexíveis e diplomatas. Características que justificam que 30% destas crianças estão mais aptas a exercer cargos de poder, como CEO de empresas.

A realidade comprova-o: Mark Zuckerberg, Lord Alan e Bill Gates são todos filhos do meio.

Outros 41% revelaram que os filhos do meio também demonstram propensão para se tornarem atletas olímpicos.

A área das ciências é a que mais seduz os filhos primogénitos. Neste grupo, profissões como astronauta, cientista e engenheiro parecem assentar com o perfil comum das crianças. Nomes como Neil Amstrong ou Stephen Hawking são-lhe familiares? O sucesso do astronauta e do físico pode estar associado a que estes façam parte do grupo de irmãos mais velhos.

Os filhos mais novos são os mais ligados a ritmos e sons. Neste grupo, 50% apresenta "traços de personalidade sensíveis e idealistas", que os conduz para carreiras ligadas às artes, nomeadamente a música clássica. Mozart é um dos exemplos.

O estudo não excluí os filhos únicos. Este grupo, dotado de perfecionismo e maturidade, é composto pelas crianças mais criativas com tendência a optar por profissões ligadas aos espetáculos.