Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Linhas elétricas foram responsáveis por um quinto da área ardida em 2017

Portugal

Luís Barra

Especialista em incêndios da Universidade de Coimbra reitera que os incêndios de Pedrógão e da Lousã tiveram início em linhas elétricas e, em entrevista à VISÃO, defende medidas que ajudem a reduzir o incidentes iniciados pelo contacto da vegetação com as redes da EDP

Os incêndios originados em linhas elétricas de baixa e média tensão foram responsáveis por 20% da área ardida em 2017. As estimativas são avançadas em entrevista à Visão por Domingos Xavier Viegas, líder do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF) e membro do Observatório Técnico Independente, com base em informação compilada entre 2003 e 2018.

O ano de 2017 foi especialmente dramático no que toca a incêndios no território nacional: depois dos fogos de Pedrógão, que vitimaram 66 pessoas, seguiram-se novos fogos na Lousã e noutras localidades da zona centro, que haveriam de matar mais 49 pessoas. Em ambas as tragédias, Xavier Viegas atribui a origem do incêndio ao contacto da vegetação com linhas elétricas. Também o incêndio de Monchique, já em 2018, terá sido, provavelmente, iniciado numa linha elétrica como concluiu o relatório do Observatório Técnico Independente (criado pelo Parlamento para suceder à Comissão Técnica Independente). Em qualquer destes casos as teses de Domingos Xavier Viegas contradizem as teses da EDP. O que confirma a tendência de teses contrárias entre EDP e alguns dos maiores especialistas em incêndios durante os últimos 16 anos.

Os incêndios originados pelas linhas elétricas têm duas características aparentemente contrárias: face ao total de ocorrências são estatisticamente diminutos, mas em contrapartida são responsáveis por uma grande fatia da área ardida. Os números de 2017 confirmam precisamente essa realidade: em 2017 foram contabilizadas mais de 20 mil ocorrências. Desse total, cerca de 100 tiveram início em linhas elétricas – mas essas 100 ocorrências foram responsáveis por um quinto da área ardida no ano que fica para a história pela tragédia de Pedrógão., Lousã e Oliveira do Hospital.

Leia a entrevista de Xavier Viegas e descubra mais sobre este e outros temas que marcam a atualidade na revista VISÃO desta semana.

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade – essencial para a defesa dos valores democráticos em Portugal