Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

EUA avançam sozinhos e lançam ataque contra a Síria

Mundo

  • 333

U.S. Navy

Mesmo sem uma decisão da ONU, os Estados Unidos lançaram na quinta-feira dezenas de mísseis de cruzeiro contra um aeródromo na Síria, no primeiro ataque direto contra o regime de Bashar al-Assad desde que começou a guerra civil

O ataque surge na sequência do bombardeamento com armas químicas contra uma localidade no norte da Síria, que matou mais de 80 civis na terça-feira, noticiou a imprensa norte-americana.

Dezenas de mísseis "Tomahawk" foram disparados contra a base aérea de Shayrat, na cidade síria de Homs, de onde o Governo norte-americano acredita que partiram os caças que executaram ataques aéreos, de acordo com fontes miliares.

O Governo de Donald Trump tomou medidas de forma unilateral contra o Governo sírio, que acusa de uso de armas químicas, apesar de conversações estarem a decorrer no Conselho de Segurança da ONU.

Minutos antes da ofensiva norte-americana, a Rússia tinha advertido os Estados Unidos contra "consequências negativas" de uma ação militar na Síria em resposta ao ataque químico.

"Há que pensar nas consequências negativas. Toda a responsabilidade, se houver uma ação militar, estará sobre os ombros daqueles que a iniciarem", disse aos jornalistas o embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov.

Na ONU, os membros do Conselho de Segurança continuam a negociar uma resolução em resposta ao ataque químico, mas até agora o grupo continua muito dividido.

A representante norte-americana, Nikki Haley, já tinha alertado, no dia anterior, que Washington podia tomar algum tipo de medida unilateral se o Conselho de Segurança continuasse bloqueado.

Trump pede a "nações civilizadas" para travarem banho de sangue

Num breve discurso transmitido pela televisão, Donald Trump acusou "o ditador sírio Bashar al-Assad (de ter) lançado um horrível ataque com armas químicas contra civis inocentes (...) ao utilizar um agente neurotóxico mortal".

Trump afirmou ser "do interesse vital da segurança nacional dos Estados Unidos prevenir e impedir a proliferação e utilização de armas químicas".

O chefe de Estado norte-americano sublinhou que "anos de tentativas de tentar mudar Assad fracassaram e fracassaram dramaticamente".

Ao chegar à Florida (sudeste), na quinta-feira, para uma reunião com o homólogo chinês, Xi Jinping, Trump informou pessoalmente Xi do ataque punitivo contra o regime sírio, de acordo com um responsável norte-americano.

Putin classifica ataque dos EUA contra base aérea como agressão

O Presidente russo classificou hoje o ataque dos Estados Unidos contra uma base síria como "uma agressão" com um "pretexto inventado", e disse que a ação de Washington prejudica as relações entre os dois países.

Vladimir Putin "considera que os ataques norte-americanos na Síria são uma agressão contra um Estado soberano e uma violação do direito internacional, já que aconteceram sob um pretexto inventado", disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O Presidente russo "vê nos ataques uma intenção por parte dos Estados Unidos de desviar a atenção da comunidade internacional das múltiplas vítimas entre a população civil no Iraque", onde as tropas norte-americanas lideram uma operação militar contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI), acrescentou o porta-voz.