Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugal proibido de realizar análises anti-doping

Desporto

A suspensão do Laboratório de Análises de Dopagem ocorre menos de três dias depois de ser conhecida a demissão do secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Wengorovius Meneses

Rui Tavares Guedes

Rui Tavares Guedes

Diretor Executivo

A Agência Mundial Anti-Dopagem (WADA) suspendeu hoje, 15, a acreditação do Laboratório de Análises de Dopagem (LAD), em Lisboa, o único organismo nacional responsável pela deteção de substâncias proibidas no desporto.

Em comunicado, a agência mundial afirma que a suspensão é imediata, proibindo o laboratório português de “realizar quaisquer atividades relacionadas com a WADA, incluindo todas as análises a amostras de urina e de sangue”.

De acordo com o Código Mundial Anti-Dopagem, citado no mesmo comunicado, o laboratório português tem agora 21 dias para poder apelar da decisão, junto do Tribunal Arbitral do Desporto.

Com esta suspensão, as amostras de sangue e urina recolhidas a atletas em Portugal terão que ser analisadas, necessariamente, noutro país, onde exista um laboratório credenciado pela WADA.

O comunicado não especifica as razões porque decidiu suspender a acreditação do LAD. No entanto, a possibilidade de suspensão do laboratório já tinha sido avançada pelo presidente da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP), Rogério Jóia, numa audição parlamentar, em 24 de março, reivindicando maior autonomia e independência para o organismo que dirige.

A 15 de março, o jornal "A Bola" também tinha noticiado a possibilidade da suspensão ocorrer, devido à “falta de independência do laboratório por força do funcionamento dentro de uma autoridade nacional”. Fonte da Secretaria de Estado da Juventude e Desporto citada, no mesmo jornal, culpou o anterior executivo desse problema e anunciou a contratação, para breve, de seis novos técnicos especialistas para o laboratório.

A suspensão do Laboratório de Análises de Dopagem ocorre menos de três dias depois de ser conhecida a demissão do secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Wengorovius Meneses, que tinha a tutela direta do Instituto Português da Juventude e Desporto, junto de quem funciona a Autoridade Antidopagem de Portugal.