O que liga antigos governantes do PS e do PSD ao negócio do cânhamo para fins medicinais?
Atualidade

O que liga antigos governantes do PS e do PSD ao negócio do cânhamo para fins medicinais?

O mercado nacional do “ouro verde” move centenas de milhões de euros e nem sequer lhe falta um cheirinho a bloco central

Miguel Carvalho
Chico Buarque, o perseguido. E a agitada viagem a Lisboa
Opinião

Chico Buarque, o perseguido. E a agitada viagem a Lisboa

"Tanto Mar", a música que ele dedicara ao Portugal livre e democrático, foi assumida de peito aberto. “Mas, quando chegou a hora, a coisa foi ficando 'preta'”, explicou, depois de desesperar com a libertação da cantiga por parte da censura. Foi então que resolveu inventar uma desculpa, dizendo que o tema havia sido feito para Moçambique

Miguel Carvalho
Fundação, Família e Farsa:  Os três “F´s” de Joe Berardo
Opinião

Fundação, Família e Farsa: Os três “F´s” de Joe Berardo

Berardo nunca foi verdadeiramente incomodado pela Justiça: a fundação continuou oficialmente pujante e ele nunca se cansou de exibir a sua “paixão pela cultura” e a coleção de arte, sem se molhar nos pingos de chuva

Miguel Carvalho
As anedotas esquecidas de Salazar e outras histórias de Vasco Queiroz
Opinião

As anedotas esquecidas de Salazar e outras histórias de Vasco Queiroz

Farto, naquele tempo, só mesmo o reportório. Limão que não deitasse gota de sumo já teria sido espremido pelo ditador. Refeição de canjinha “aos modos da Beira” e posta de pescada “grande e fresca” era, por si só, um “bacanal”. Comido o prato de peixe, Salazar pedia à fiel governanta para trazer o peru. E ele lá vinha, realmente, mas vivo e posto sobre a mesa, para que debicasse as migalhas

Miguel Carvalho
O sangrento 1º de  Maio do Porto e os mortos esquecidos de 1982
Opinião

O sangrento 1º de Maio do Porto e os mortos esquecidos de 1982

Durante duas horas, homens fardados e sem freio batem e disparam às cegas. Os jornalistas “comem como os outros”, dirá um deles. Afinal, justifica, estavam ali “para bater e não para chamar ambulâncias”. Nem o serviço de Urgência do Hospital de Santo António é poupado: entram espumando e carregam sobre familiares de feridos

Miguel Carvalho
Os dias revolucionários de Ágata e os seus “heróis trabalhadores”
Opinião

Os dias revolucionários de Ágata e os seus “heróis trabalhadores”

O que poucos conhecem é a faceta “esquerdista” da cantora antes de se tornar a famosa Ágata

Miguel Carvalho
As fotografias esquecidas de Coimbra e a luta académica que “lançou” Abril
Política

As fotografias esquecidas de Coimbra e a luta académica que “lançou” Abril

Um livro recupera quase centena e meia de imagens da crise estudantil de 1969 a partir do espólio da Secção Fotográfica da Associação Académica de Coimbra que sobreviveu até hoje. Uma exposição e vários lançamentos assinalam esta memória

Miguel Carvalho
Cornélia, a vaca do pós-revolução que agitou a esquerda e a direita
Opinião

Cornélia, a vaca do pós-revolução que agitou a esquerda e a direita

A vaquinha foi tema de café, polémica de jornal e pretexto para agitar ainda mais o acalorado debate político, não refeito das fogueiras do PREC, muitas delas ainda acesas

Miguel Carvalho
Berardo: um "escândalo" com nome...
Opinião

Quando Joe Berardo, “português do ouro” queria os “brancos” a ensinar os “negros”

Tal como acontecera com Ricardo “Dono Disto Tudo” Salgado, antigo “patrão” do BES, as figuras da política, da finança e da cultura que antes lisonjeavam o comendador, fogem a sete pés de Berardo, aproveitando agora para glosar, à luz do dia, a sua “chico-espertice”

Miguel Carvalho
Se7e
Comer e beber

Restaurante Rogério do Redondo, no Porto: O regresso do perdigueiro

Já foi um monumento gastronómico este Rogério do Redondo e volta a pedir meças, agora que reabriu no Bonfim. Memória, tradição e familiaridade ainda vão à mesa. E levam-se à boca. Não acredita?

Miguel Carvalho
Vamos brincar aos nazis pequeninos? Da montra do Chiado ao Hitler bebé
Opinião

Vamos brincar aos nazis pequeninos? Da montra do Chiado ao Hitler bebé

O melhor mesmo é recuperar a dita caixa de brinquedos para a Páscoa e talvez, quem sabe, lançar um segundo volume de citações de Hitler, para juntar às amêndoas. Mas agora, por favor, com a foto “queriducha” do pequeno Adolfo em babygrow, na qual se possam apreciar aqueles olhinhos vivos e curiosos

Miguel Carvalho
A PIDE, a mulher traída e a amante francesa
Opinião

A PIDE, a mulher traída e a amante francesa

Sobre o que esse “vendaval de alegria” e “desordem perfumada” de apelido Garnier fez à vida do ditador, muito terá ficado por contar. Nada, porém, que preocupasse o professor de Santa Comba. Como se sabe, morreria celibatário e sem protagonizar, pelo menos oficialmente, qualquer incidente a que PIDE pudesse chamar “desarmonia do lar”

Miguel Carvalho
Quando Duarte Lima não era rico... E quase nos fazia acreditar nisso 
Opinião

Quando Duarte Lima não era rico... E quase nos fazia acreditar nisso 

Acossado, Lima dizia-se vítima de uma “cabala política”, expressão típica do idioma da vitimização que a classe pratica, desde tempos que se desvanecem, em exercícios rotineiros de inimputabilidade. Às suspeitas sobre a alegada fortuna, o antigo deputado contrapunha pudor. “O que é ser rico?”, perguntava, quase filosoficamente

Miguel Carvalho
Quando a incorrigível “Gaiola Aberta” “agrediu” e “perturbou” a revolução
Opinião

Quando a incorrigível “Gaiola Aberta” “agrediu” e “perturbou” a revolução

“O incorrigível e manhoso Vilhena”, termo usado pela polícia política, mas do qual ele se apropriaria mais tarde, nunca cedeu a perseguições, ameaças e intimidações, continuando, desafiante e livre, até às portas que Abril abriu.

Miguel Carvalho
As noites lisboetas de James Baldwin  com Oulman, fados e bifes do Lacerda
Opinião

As noites lisboetas de James Baldwin com Oulman, fados e bifes do Lacerda

Sem saber dizer mais do que “very nice”, Alfredo Lacerda, entretanto falecido, conversava animadamente com os norte-americanos, indo desaguar com eles no Bairro Alto e em Alfama até altas horas. James Baldwin não foi exceção

Miguel Carvalho
Neto de Moura e Ivo Rosa
Política

Quem é Neto de Moura, o juiz das (muitas) polémicas

Joaquim Neto de Moura, que citou a Bíblia e Código Penal de 1886 numa sentença sobre violência doméstica, e agora se propõe propõe processar tudo e todos, já foi seminarista e mais tarde comunista

Miguel Carvalho
A Grândola saiu à rua antes de Abril entre censores e “pides à paisana”
Opinião

A Grândola saiu à rua antes de Abril entre censores e “pides à paisana”

A Grândola, editada em 1971, cantou-se então pela primeira vez, em público, ombro a ombro. Por incrível que pareça, não era uma canção conhecida, passara até quase inofensiva no reportório de Zeca Afonso, mas saiu dessa noite, cantada uma e outra vez em uníssono, escolhida para ser uma das senhas da revolução, dali a poucas semanas

Miguel Carvalho
'A Desfolhada' chegou a Simone em segredo e ela cantou-a entre insultos e GNR a cavalo
Opinião

'A Desfolhada' chegou a Simone em segredo e ela cantou-a entre insultos e GNR a cavalo

Até entrar no palco do Teatro São Luiz, Simone continuou “apavorada”: não sabia os versos todos, não conseguira decorar a cantiga. “Era um lençol, de facto”, acode Nuno Nazareth Fernandes. Mas a Desfolhada ganhou e abalou o País do respeitinho. Com consequências inimagináveis, sobretudo para quem a cantou.

Miguel Carvalho
"Estamos a ficar cada vez mais estúpidos. Somos facilmente enganados por um discurso populista"
Ideias

"Estamos a ficar cada vez mais estúpidos. Somos facilmente enganados por um discurso populista"

"Pensava que o ser humano aprendia com os erros, que evoluía e se tornava mais sábio, mas é o oposto", diz o realizador de cinema Nicholas Oulman, em entrevista à VISÃO

Miguel Carvalho
Quando Salazar, esse “noctívago”, aplaudiu a “criaturinha” do fado
Opinião

Quando Salazar, esse “noctívago”, aplaudiu a “criaturinha” do fado

Nesta como noutras áreas, como se sabe, Salazar revelou-se “duro de ouvido”. Mas naquele momento arrebatador proporcionado por Amália Rodrigues, transfigurou-se, segundo a Imprensa espanhola, num “notívago excecional”

Miguel Carvalho
"O Estado, por demissão, é produtor de ignorância política"
Ideias

"O Estado, por demissão, é produtor de ignorância política"

"Quando os políticos se dizem emprestados à política, ou numa espécie de férias para cumprirem uma missão, alimentam a ideia de que a política não merece ser levada a sério." A entrevista ao sociólogo e investigador da Universidade do Minho Esser Jorge Silva

Miguel Carvalho
Mais artigos