Brasil em Lisboa: Roteiro pela cidade com “aquele” jeitinho brasileiro

Brasil em Lisboa: Roteiro pela cidade com “aquele” jeitinho brasileiro

Vestida com uma saia rodada em tons de amarelo e de azul e com um turbante branco na cabeça, Carol Brito, 39 anos, sai da cozinha para nos receber. No Acarajé da Carol, o restaurante que abriu há cinco anos no Bairro Alto, a especialidade é… o acarajé, o “bolinho” feito de massa de feijão-fradinho, cebola e sal, e frito em azeite de dendê. A receita, oriunda do golfo de Benim, na África Ocidental, foi levada para o Brasil pelos escravos daquela região. “É uma comida afro-brasileira com muita história e significado”, diz a sempre sorridente Carol, que pertence à Associação Nacional das Baianas de Acarajé (em 2012, as baianas foram reconhecidas como Património Cultural Imaterial do Brasil). Por volta das seis da tarde, já havia clientes sentados à mesa. A maioria pede a versão para comer à mão (€5/€6, com ou sem camarão), mas o acarajé também pode ser saboreado no prato, em dose individual (€7) ou para partilhar (€12,90), acompanhado por camarão frito, vatapá e vinagrete. E se os “bolinhos” já nos tinham enchido as medidas, agradecemos também cada garfada na moqueca de camarão preparada por Carol. A próxima visita fica agendada para um domingo, para uma prova da famosa feijoada à brasileira.

Depois deste samba de sabores, descemos o Bairro Alto em direção à Praça Luís de Camões, onde fica O Boteco, de Kiko Martins. “Nasci no Rio de Janeiro e vivi lá até aos meus 10 anos; teve muita influência”, há de dizer-nos. Não será, pois, de estranhar que o chefe de cozinha de 42 anos tenha decidido aventurar-se com este boteco de assinatura (“boteco” é uma espécie de tasca, de porta aberta para a rua, onde se pode beber uns chopes, petiscar um pastel de vento ou comer algo mais substancial, como uma feijoada). Na ementa, consta o escondidinho (espécie de empadão, mas de mandioca) com pernil estufado, costeletão gaúcho e assado de tira confitada, bem como pratos tradicionais com um toque de autor, como o bobó de carabineiro e de bacalhau e o rosbife de maminha com tártaro de vieiras. Para sobremesa, os apreciadores saberão que só pode ser quindim, ali servido com tapioca e maracujá.

Salgadinhos tropicais

Enquanto aguardamos pelo pastel de feira preparado pela paulistana Carol Thomé, 39 anos, dona d’ A Pastelaria, no Saldanha, damos por nós (e não somos os únicos!) a cantarolar a música, que sai das colunas, Tiro ao Álvaro, na voz de Elis Regina. Um entusiasmo apenas interrompido para saborear esta iguaria nascida nas feiras de São Paulo e que depressa se espalhou pelo Brasil. E basta uma simples dentada para se perceber a sua qualidade. A massa artesanal, produzida diariamente, chega com um recheio generoso (e delicioso, é preciso dizê-lo). A ementa inclui várias opões, desde os recheios mais tradicionais, afixados no cardápio, como queijo (€3), carne (€3,20), frango com queijo Catupiry caseiro (€3,50), aos mais originais e que aparecem esporadicamente, como o pastel hot-dog. “Cresci comendo pastel de feira. Adoro comida de rua e tudo o que está em volta dessa cultura”, diz Carol Thomé, autora do livro Portugal à Brasileira.

Com identidade paulistana, tal como o pastel de feira, as coxinhas são igualmente populares no Brasil. Por cá, este salgadinho ganha cada vez mais adeptos e sítios onde apreciá-lo. A Coxinharia, em Alcântara, é disso um exemplo. Quando saiu do Interior de São Paulo, em 2015, para viver em Lisboa, Glauco Junqueira, 37 anos, trouxe na bagagem a receita da avó. À massa, preparada com farinha, leite e caldo caseiro de galinha e sovada à mão, juntam-se diferentes recheios, nomeadamente os de carne, camarão, bacalhau, queijo e legumes (€3). “As nossas coxinhas são sempre fresquinhas e fritas no momento ou, para quem preferir, assadas no forno”, explica Glauco que, juntamente com Carlos Rebolo, gere a casa dedicada a este salgado (mas não só!).

Na hora de matar as saudades do país irmão, há mais petiscos a ter em conta. Como o quibe, introduzido no Brasil pelos emigrantes árabes, no final do século XIX, bastante apreciado e presença obrigatória em festas. Para provar este bolinho preparado com massa de trigo, recheado com carne e temperado com ervas (€1,90), entre outras sugestões, basta passar pelo Feel Rio, uma lanchonete com alma carioca, na Baixa, bem perto da saída de metro, com opções para comer à mão.

Em Belém, entramos n’ A Lanchonete, aquela palavra que nos habituámos a ouvir nas telenovelas dos anos 80 e que quer dizer, mais ou menos, o mesmo que os nossos snack-bares. Todos os dias, entre as 11h e as quatro da tarde, serve-se aqui um brunch brasileiro. Há duas opções (€13 e €16), dependendo se tem fome ou muita fome. Depois há que escolher entre o que se quer comer – pão de queijo ou minicoxinhas, tapioca ou crepioca (com ovo), pão grelhado com requeijão ou pastel de feira, acompanhado, por exemplo, de chá-mate Leão. A ideia é de Pedro Bento, 32 anos, que decidiu dar continuidade ao negócio dos pais, ex-emigrantes no Brasil, transformando-o, há três anos, numa lanchonete, agora com morada também em Benfica.

Mitigar a distância

Desde maio de 2019 que a literatura brasileira encontrou um lugar no Príncipe Real. Chama-se Livraria da Travessa e trata-se de um projeto de Rui Campos, o mineiro que, em 1986, abriu uma livraria na Travessa do Ouvidor, no Rio de Janeiro, transformando-a, desde então, num dos polos culturais mais conhecidos do Brasil. Por cá, tem como objetivo aumentar a presença em Portugal dos livros publicados no Brasil, e vice-versa.

Também a Baobá, na Rua de São Paulo, atravessou o Atlântico. Servem café produzido na fazenda Baobá, localizada em São Sebastião da Grama, no estado de São Paulo, região cafeeira de excelência pelo clima e pelo solo. Dos pés cultivados até 1 400 metros de altitude, extrai-se, num processo artesanal e manual, a variedade arábica. Na loja lisboeta (esperam abrir, em breve, mais duas na capital), vendem os grãos moídos para fora e os clientes podem pedir café de filtro (€3 a €5,50), expresso de máquina (€1), latte (€3) e cappuccino (€3).

Se o café pede um doce, não há ninguém melhor do que a paulistana Carolina Henke, 38 anos, proprietária da Brigadeirando, na LX Factory, para falar sobre deste doce do Brasil. Quando chegou a Portugal, para fazer o mestrado, a ideia era voltar para casa, mas a vida trocou-lhe as voltas e ficou por cá. “Sempre gostei de cozinhar e mais ainda de criar”, diz. Na loja, decorada com flores secas e com uma esplanada, não faltam diferentes combinações, do tradicional brigadeiro de chocolate ao de amendoim, caramelo salgado, flor de sal e lima.

Chegados aqui, e se a ideia for aventurar-se na cozinha, vale a pena espreitar as prateleiras da Made in Brazil, na Rua Morais Soares, do casal Rozana e Renato Pinto. Na mercearia, não faltam ingredientes, desde tapioca, açaí, pamonha, arroz-agulhinha, feijão-carioca, melaço de cana e pão de queijo, temperos, linguiça calabresa, carne seca e um kit de feijoada à brasileira, estas últimas embaladas em vácuo.

“Tira o pé do chão”

Falar do Brasil significa começar imediatamente a trautear um sambinha e a sentir um formigueiro que nos obriga a dançar. E que felicidade ter os nossos irmãos por aí, a darem-nos música em restaurantes e bares. Difícil é só mesmo acertar a agenda com a variada oferta.

Mas, às vezes, falta-nos a alma certa para entrar no espírito da roda de samba. Bem sabemos que as restrições pandémicas comprometeram a proximidade que este conceito implica, mas nada nos impede de dançar, isso é certo.

Na Casa da Pedra, no recinto do Rock in Rio, no Parque da Bela Vista, os jantares de sábado são acompanhados pelas melodias de Higor, Everaldo, Daniel, Eduardo e Fabrício (o quinteto com o nome O Samba é 1 Só) que se esforçam por tirar os portugueses das cadeiras.

Aos domingos, ao final do dia, repetem a dose no Okah, no Cais Rocha Conde d’ Óbidos, e nunca perdem o otimismo e a confiança na animação. “Cada vez queremos mais ser um formato de roda, com energia brasileira, que implica uma maior interação com o público do que um concerto normal”, conta o porta-voz do grupo que aposta numa mistura de bossa nova com algum samba, à custa da junção da sonoridade do cavaquinho com a do pandejo e a do violão.

Não muito longe dali, o domingo continua animado e com sotaque brasileiro. O Boteco da Dri, quase a chegar à estação dos comboios do Cais do Sodré, é poiso garantido para uns chopinhos, algumas caipirinhas e muito pé rodopiante. Seja dentro ou fora, a animação musical deste restaurante arregimenta muita gente da comunidade residente em Portugal, que gosta de gozar o fim de semana até à última gota. Neste boteco, com vista para o nosso Cristo-Rei, além da comida de inspiração brasileira, há música garantida, de quarta a domingo – há que dançar como se estivéssemos no Brasil.

Aqui, pode fazer-se um compasso de espera para se entrar na roda de samba mais antiga de Lisboa. Umas portas ao lado, e também ao domingo, a partir das 21 horas (o horário nunca é muito certo), o projeto Viva o Samba Lisboa reúne-se no Titanic Sur Mer, para embalar a noite ao som da melhor música brasileira improvisada. Com um bocadinho de sorte, e algum talento, até se consegue chegar ao microfone para, espontaneamente, se alegrar a sala que está quase sempre cheia de gente disposta a sambar pela noite adentro, como se a semana não começasse daqui a umas horas.

A porta está encostada n’ Água de Beber, na Rua Poiais de São Bento, mas o ambiente é convidativo por causa da música ao vivo. De sexta a domingo, das oito às 11 da noite, a banda sonora é sempre garantida entre “MPB [Música Popular Brasileira], bossa nova, e samba de raiz”, resume Marco Silva, o dono, entre as canções de Gal, Elis e Tim Maia que acompanham a nossa conversa. O bar, que durante seis anos animou o Cais do Sodré, cresceu em tamanho e na oferta gastronómica, sem perder o espírito de boteco que Marco, brasileiro natural de Goiânia, imaginou.

Espírito é o que não falta na Fábrica Braço de Prata, na outra ponta da cidade. Se andar à procura de um bom forró, saiba que sexta sim, sexta não, o andar de cima fica reservado ao Espaço Baião e à festa com sotaque brasileiro. E a partir deste mês, começa um ciclo de roda de samba, todas as quartas, às dez da noite, com o músico carioca Júlio Brechó. Brindemos a isso, com uma caipirinha, pois claro, e já com um pézinho no ar.

Moradas com sabor a Brasil

COMER

Acarajé da Carol > R. da Rosa, 63, Lisboa > T. 21 342 1073 > ter-sex 17h-23h, sáb 13h-23h, dom 13h-18h

O Boteco > Pç. Luís de Camões, Lisboa > T. 21 314 8071 > seg-dom 12h-16h30, 19h-23h30

A Pastelaria > Av. Praia da Vitória, 47, Lisboa > T. 21 352 1202 > seg-sáb 12h-20h, 12h-16h

Coxinharia > R. de Cascais, 31A, Lisboa > T. 21 590 3039 > seg-sex 11h-22h, sáb-dom 11h-19h

Feel Rio > R. do Crucifixo, 108, Lisboa > T. 21 346 0654 > seg-dom 10h-21h

A Lanchonete > R. Pinto Ferreira, 5A, Lisboa > T. 21 364 8755 > seg-sáb 8h-19h, sáb 9h-19h > Av. Gomes Pereira, 104A, Lisboa > T. 21 716 2250 > seg-sáb 9h-20h

Brigadeirando > LX Factory, R. Rodrigues Faria, 103 > T. 96 348 1132 > seg-sex 12h-19h, sáb-dom, fer 10h-19h

COMPRAR

Livraria da Travessa > R. da Escola Politécnica, 46, Lisboa > T. 21 346 0553 > seg-sáb 10h-22h, dom 11h-20h

Baobá > R. de São Paulo, 256 > T. 93 060 3277 > seg-dom 9h-18hMade in Brazil

Made in Brazil > R. Morais Soares 126A, Arroios, Lisboa > T. 21 813 9172 > seg-sáb 9h30-20h

SAIR

Água de Beber > R. Poiais de São Bento, 73, Lisboa > T. 91 158 1413 > seg-ter, qui-dom 18h-2h > música ao vivo sex-dom 20h-23h

Casa da Pedra > Parque da Bela Vista, Av. Dr. Arlindo Vicente, Lisboa > T. 91 080 0326 > roda de samba sáb 19h-23h

Okah > Cais Rocha Conde d’ Óbidos > T. 91 411 0791 > roda de samba dom 19h

Boteco da Dri > Cais Gás, 19 > T. 92 668 2323 > ter-qui 18h-24h, sex 18h-1h, sáb-dom 12h-1h > música ao vivo qua-dom 19h-23h

Titanic Sur Mer > Cais do Gás, Armazém B, R. da Cintura do Porto de Lisboa > roda de samba dom 21h

Fábrica do Braço de Prata > R. da Fábrica de Material de Guerra, 1, Lisboa > T. 92 573 7045 > roda de samba qua 22h, forró sex 21h (15 em 15 dias)

Mais na Visão

Mais Notícias

10 casacos de pelo que a ajudam a estar na moda, mas sempre quente

10 casacos de pelo que a ajudam a estar na moda, mas sempre quente

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Moda: Esquiar com estilo

Moda: Esquiar com estilo

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Em “Flor Sem Tempo”: Catarina impede que um incêndio destrua a quinta

Em “Flor Sem Tempo”: Catarina impede que um incêndio destrua a quinta

Catarina Furtado despediu-se dos cabelos compridos

Catarina Furtado despediu-se dos cabelos compridos

Georgina vai às compras

Georgina vai às compras

Uma vénia ao ovo

Uma vénia ao ovo

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Conheça as empresas distinguidas nas 1000 PME

Conheça as empresas distinguidas nas 1000 PME

IRA: Os métodos, as polémicas e as suspeitas dos defensores radicais dos animais

IRA: Os métodos, as polémicas e as suspeitas dos defensores radicais dos animais

iServices lança campanha de reparações com o mote do dia de São Valentim

iServices lança campanha de reparações com o mote do dia de São Valentim

Já começou a campanha eleitoral de 'Miúdos a Votos'!

Já começou a campanha eleitoral de 'Miúdos a Votos'!

A vida longa da baronesa italiana amiga dos escritores

A vida longa da baronesa italiana amiga dos escritores

Quando a arte desaparece

Quando a arte desaparece

Portugal em EXAME: Venha discutir a economia, a 16 de Fevereiro

Portugal em EXAME: Venha discutir a economia, a 16 de Fevereiro

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Conheça 5 inimigos da perda de peso

Conheça 5 inimigos da perda de peso

Sem-abrigo do Porto refugiados em tendas para fugir ao frio

Sem-abrigo do Porto refugiados em tendas para fugir ao frio

Já a pensar no Dia de Namorados

Já a pensar no Dia de Namorados

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

Letizia dá uma nova vida à sua saia branca plissada (que demorou três anos a estrear!)

Letizia dá uma nova vida à sua saia branca plissada (que demorou três anos a estrear!)

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Sem-abrigo do Porto refugiados em tendas para fugir ao frio

Sem-abrigo do Porto refugiados em tendas para fugir ao frio

O que tem de especial a nova arma dos EUA para a Ucrânia e porque pode ser decisiva

O que tem de especial a nova arma dos EUA para a Ucrânia e porque pode ser decisiva

Bacia do Barlavento algarvio continua com quantidade de água abaixo da média

Bacia do Barlavento algarvio continua com quantidade de água abaixo da média

BE quer faltas justificadas para mulheres que sofrem de endometriose

BE quer faltas justificadas para mulheres que sofrem de endometriose

O corte de cabelo de Catarina Furtado que parou a Internet

O corte de cabelo de Catarina Furtado que parou a Internet

Downloads cósmicos

Downloads cósmicos

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Schiaparelli leva

Schiaparelli leva "O Inferno" de Dante à Semana da Alta Costura de Paris

38 fotografias de Cristiano Ronaldo no dia em que celebra o 38.º aniversário

38 fotografias de Cristiano Ronaldo no dia em que celebra o 38.º aniversário

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Passa o dia sentado? Especialistas descobrem fórmula ideal de pausa para reverter o impacto negativo

Passa o dia sentado? Especialistas descobrem fórmula ideal de pausa para reverter o impacto negativo

Livros: 7 novidades e um passatempo

Livros: 7 novidades e um passatempo

Fevereiro na CARAS Decoração

Fevereiro na CARAS Decoração

As fotos de Selena Gomez sem maquilhagem

As fotos de Selena Gomez sem maquilhagem

Quem trabalha na televisão?

Quem trabalha na televisão?