8 respostas essenciais sobre a vacina pediátrica contra a Covid-19

Getty Images

8 respostas essenciais sobre a vacina pediátrica contra a Covid-19

A vacina contra a Covid-19 é segura para as crianças dos 5 aos 11 anos?

Qualquer vacina aprovada pelas autoridades de saúde europeias ou norte-americanas passa por um rigoroso processo de escrutínio até ser aprovada. A Covid-19, por ser uma doença recente, teve uma resposta global dos cientistas e investigadores na procura de uma resposta mais rápida à pandemia e à doença, mas sem descurar a segurança dos medicamentos em causa.

Tanto a Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês; agência norte-americana) como a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) aprovaram e recomendaram uma vacina pediátrica contra a Covid-19 depois de investigada a sua segurança e eficácia.

Qual é a vacina que está a ser administrada em crianças dos 5 aos 11 anos?

A vacina pediátrica da Pfizer/BioNTech (comercializada sob o nome de Comirnaty) é a única que, até agora, teve luz verde da EMA e da FDA. Estão a decorrer os estudos científicos da vacina da Moderna.

Como foram feitos os estudos que levaram à aprovação desta vacina?

Os ensaios clínicos dividiram-se em duas partes. Primeiro foi preciso encontrar a dose certa para as crianças dos 5 aos 11 anos e, só depois, na segunda fase, outro grupo foi inoculado. No estudo participaram um total de cerca de 4 500 crianças desta faixa etária.

Como foi feito o perfil de segurança da vacina da Pfizer?

A segurança de Comirnaty foi avaliada em participantes com idade igual ou superior a 5 anos em 3 estudos clínicos que incluíram 24 675 participantes (incluindo 22 026 participantes com idade igual ou superior a 16 anos de idade, 1 131 adolescentes com idade entre os 12 e 15 anos e 3 109 crianças com idade entre os 5 e 11 anos) que receberam, pelo menos, uma dose de Comirnaty.

E o perfil de segurança para a vacina pediátrica?

Das cerca 4 500 crianças que participaram no estudo, 3 109 receberam a vacina Comirnaty de 10 microgramas, duas doses, e 1 538 um placebo. As reações adversas mais frequentes em crianças com idade entre os 5 e 11 anos de idade foram dor no local de injeção (> 80%), fadiga (>50%), cefaleia (> 30%), rubor e tumefação no local de injeção (> 20%), mialgia e arrepios (> 10%). Ressalve-se que as reações adversas são semelhantes tanto na administração entre os 5 e os 11 anos de idade, como acima dos 12 anos. A eficácia da vacina na prevenção de Covid-19 sintomática foi calculada em de 90,7%.

A dose pediátrica é diferente da administrada aos adultos?

A composição da vacina pediátrica é um terço daquela que é dada às pessoas a partir dos 12 anos. A dose dos mais pequenos é de 10 microgramas de substância ativa RNA mensageiro (mRNA).

O que é o mRNA?

O RNA mensageiro (ou mRNA) transporta a informação do DNA do núcleo até o citoplasma, que é o local onde ocorre a síntese de proteínas. Estas são vacinas que usam o RNA mensageiro para mimetizar a proteína spike, específica do vírus SARS-CoV-2, que é a responsável pela entrada do vírus nas células humanas. Essa “cópia”, no entanto, não é nociva como o vírus, mas é suficiente para estimular a reação das células do sistema imunológico, criando defesas no organismo.

A tecnologia de mRNA mensageiro é nova?

Não, tem mais de 10 anos. Estas vacinas, que têm o código genético do vírus que contém as instruções para que as nossas células produzam determinadas proteínas, estão a ser desenvolvidas para combater tipos de cancro agressivos.

A RNA Society, que promove o estudo desta molécula, é atualmente presidida pela cientista portuguesa Maria Carmo-Fonseca.

Assine a VISÃO, apoie o jornalismo, por apenas €6/mês.

ASSINE AQUI

Mais na Visão