Casos a aumentar e confusão nas indicações para isolamento: Médicos dizem que melhor caminho é testar massivamente

Getty Images

Com o número de infeções diárias a aumentar, o R (índice de transmissibilidade) em 1,20 e a incidência a 14 dias em 228 casos por 100 mil habitantes faz sentido que as regras de testagem emanadas da Direção-Geral da Saúde (DGS), a 1 de outubro, se mantenham iguais? E as medidas impostas pelo Governo?

Perguntámos a dois médicos de Saúde Pública se a norma 015/2020 da DGS sobre o Rastreio de Contactos e testagem deveria ser alterada e, nas vésperas de um Conselho de Ministros que poderá ditar algumas alterações, se deveriam ser impostas outras limitações.

Gustavo Tato Borges e Bernardo Mateiro Gomes são da opinião de que as atuais regras da DGS são adequadas e que o problema não está aí.

Mateiro Gomes ressalva que a única “circunstância que poderia ser revista para minimizar os danos na comunidade” é o caso das escolas, quando turmas inteiras são enviadas para casa. O médico lembra que, por exemplo, nos EUA, se recorre ao “test to stay” (“testar para ficar”).

Ambos concordam que os testes rápidos deviam ser mais vulgarizados. “Temos de incluir estes testes na nossa rotina e haver recrutamento ativo, como postos móveis”, diz Mateiro Gomes.

“A regulamentação da DGS é muito abrangente, pode ir-se à farmácia, ligar para a linha SNS24 e em pouco tempo ter uma receita para fazer teste PCR. Não é por causa da norma em causa que o número de casos diários está a aumentar”, nota Gustavo Tato Borges. O especialista diz que “as pessoas estão a assumir que, como estão vacinadas, não precisam de ligar logo para o SNS24 e só o fazem alguns dias depois”. Tem relatos de infetados que diziam “estar só com o pingo no nariz, e como estamos no outono e costumam constipar-se e tal…”.

Quanto ao isolamento profilático de turmas inteiras ou contactos com infetados no trabalho, Tato Borges explica que a norma é clara. A avaliação de risco tem de ser feita pelo Delegado de Saúde e “tem-se sempre em conta a proximidade de cada uma das pessoas envolvidas”.

Em relação às medidas de uso de máscara nalguns locais e em outros não, este médico atesta que “não faz sentido que seja exigida máscara nas escolas e em concertos, mas em bares e discotecas não”, sendo que essa medida tem de ser revertida já na quinta-feira. “Ainda por cima, estamos numa altura de tempo mais frio, as pessoas mais tempo espaços fechados.”

Mateiro Gomes admite “que existam algumas incongruências”, mas que “também é difícil pensar que numa discoteca se utilize máscara”. E acrescenta: “A pergunta para o milhão de euros é esta: as discotecas tiveram impacto na transmissão?” O médico diz que os maiores erros foram “a testagem não ter sido alargada” e as falhas de “comunicação” por parte das autoridades de saúde.

Palavras-chave:

Assine uma das suas revistas preferidas e ganhe outra assinatura digital à sua escolha

Assine aqui

Mais na Visão

Sociedade
Exclusivo

As orcas enlouqueceram?

Os “ataques” de orcas a barcos, em Portugal e em Espanha, triplicaram de um ano para o outro, mas os biólogos que estudam este fenómeno inédito ainda não têm uma explicação consensual

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

Rio não purga, só purifica

Não ganhando, ou não sendo o próximo primeiro-ministro, ninguém garante, ou tem a certeza, de que Rui Rio largará a liderança. A dúvida é grande

Mundo

Ex-porta-voz de Boris Johnson demite-se após vídeo embaraçoso

A ex-porta-voz do primeiro-ministro britânico anunciou hoje a demissão, depois de ter sido divulgado um vídeo no qual gracejava sobre uma alegada festa de Natal em Downing Street que terá violado as regras anti-covid

VISÃO VERDE
VISÃO Verde

“Ser vegan não é a solução para um ambiente mais sustentável. A solução é comer com equilíbrio”

Comer carne com moderação contribui para que os ecossistemas sejam mais resilientes e completos, diz Cláudia Cordovil, professora do Instituto Superior de Agronomia e autora do livro de receitas sustentáveis "Alimente-se sem deixar pegada"

Sociedade

Covid-19: Vacinação em crianças deverá começar pelos 11 anos

António Costa disse que a vacinação das crianças deverá "provavelmente" começar pelas que têm 11 anos e, progressivamente, avançar até às de cinco anos

Mundo

Covid-19: Pfizer anuncia que a sua vacina "é eficaz" contra variante Ómicron com três doses

Vacina desenvolvida pelas empresas Pfizer e BioNTech "ainda é eficaz" contra a variante Ómicron do vírus com "três doses", mas "provavelmente" insuficiente com apenas duas - BioNTech

VERIFICADO

Fact Check: A Ómicron causa mais reinfeções do que as variantes anteriores?

Os casos são considerados reinfeções se houver um teste positivo com 90 dias de diferença em relação a um teste positivo anterior

Economia

Idade da reforma em Portugal deve aumentar cerca de dois anos até 2050

A idade da reforma em Portugal deverá aumentar em cerca de dois anos até 2050, atingindo nessa altura 68,4 anos, prevê a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico

Mundo

Olaf Scholz eleito chanceler federal pelo Parlamento alemão

O social-democrata Olaf Scholz foi eleito hoje chanceler federal pelo Parlamento alemão, onde o partido que lidera e os aliados na coligação governamental, verdes e liberais, têm maioria

Política

Legislativas: Cerca de 40% dos deputados do PSD eleitos em 2019 vão ficar fora do parlamento

Dos 79 deputados eleitos pelo PSD em 2019, 28 estão fora das listas de candidatos a deputados para as legislativas, a que se somam outros quatro indicados em lugar inelegível, o que corresponde a 40% do total

Sociedade

Os 5 grandes mitos natalícios da língua portuguesa

Água mole em pedra dura tanto bate até que fura. É ao ritmo desta bem conhecida expressão popular que a Língua Portuguesa cresce a olhos vistos! Há muitas palavras que, ao longo do tempo, vão sofrendo alterações fonéticas, gráficas e até semânticas. Neste artigo, A especialista em Linguística Sandra Duarte Tavares aborda 5 palavras que têm sofrido algum tipo de transformação e se tornaram, por isso, verdadeiros mitos na época natalícia

Opinião

Manual do bom ministro, segundo o cidadão comum

O “caso Cabrita” leva-nos a algumas reflexões sobre os requisitos para um bom desempenho como ministro de um governo. Suspeito que não constam de nenhuma formação política dos partidos nem das juventudes partidárias