SNS em rutura: “Há cada vez mais pessoas de 40 anos a precisar de Cuidados Intensivos. Quem escolhemos salvar?”

Hospital de Santa Maria

Desde o início do fim-de-semanam, dia em que o recorde de mortos e internamentos foi atingido, que a capacidade dos principais hospitais públicos portugueses está mesmo a chegar ao limite. Nos hospitais de Santa Maria, em Lisboa, e Torres Vedras chegaram imagens de filas formadas pelas ambulâncias à porta das urgências, com doentes com covid-19.

O diretor do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN), Daniel Ferro, disse, este sábado, que o hospital de Santa Maria está em “sobre esforço”, que a adaptação aos picos de atendimento “tem limites” e que está a trabalhar além da capacidade instalada.

“Na realidade, alguns serviços já estarão a enviar para os Cuidados Intensivos só os doentes com melhor hipótese de sobreviver e não todos, como sucedia antes, porque não há camas”

Também este sábado, o Hospital Garcia de Orta, em Almada, referiu em comunicado que tinha atingido a sua capacidade máxima e alertou para o risco de “pré-catástrofe”. “Hoje, dia 16 de janeiro de 2021, e em enfermaria, o hospital volta a registar um crescimento dos doentes internados positivos para a infeção por SARS-Cov-2 e a ajustar a lotação afeta à covid-19, de modo a acomodar a necessidade do número de doentes internados positivos”, informou o hospital.

Outros hospitais da região de Lisboa estão, também, no limite ou perto de lá chegar. E as previsões são de que o cenário vá piorar muito. “Em Lisboa, com as ambulâncias, começa a ver-se o que se passou em Nova Iorque, uma cidade tão desenvolvida que não tinha como escoar os cadáveres. Acredito que vai acontecer o mesmo cá. As pessoas não estão a perceber o que se está a passar”, diz à VISÃO António Marinho, diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar Universitário do Porto, que garante que o que se viu acontecer em Itália, no início da pandemia, vai passar-se agora em Portugal, já que os serviços “estão no limite”. “Nós, médicos, vamos ter de começar a escolher quem salvamos, quem mandamos para os Cuidados Intensivos”, lamenta.

Tomás Lamas, médico intensivista do Egas Moniz e da Cuf Tejo, também está muito preocupado com o cenário a que tem assistido diariamente. “Há cada vez mais pessoas de 40 anos a precisar dos Cuidados Intensivos. Como vamos fazer quando, à nossa frente, estiver uma pessoa de 40 anos diabética e outra obesa? Quem escolhemos salvar?”, desabafa à VISÃO.

“Não há como escondê-lo, a situação é muito preocupante”, admite, também, o coordenador de várias Unidades de Cuidados Intensivos Cirúrgicos (UCIC) do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO), António Pais Martins.

O número de vagas em enfermarias e em cuidados intensivos “tem vindo a escassear nos últimos dias” devido à elevada afluência de doentes aos hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo. “As imagens que vamos vendo da quantidade de ambulâncias às portas das urgências revelam uma pressão enorme sobre os serviços”, constata Pais Martins. “As urgências são a verdadeira linha da frente no presente momento”, acrescenta.  

Os números da evolução da pandemia confirmam os relatos desesperados dos médicos nacionais. Portugal ultrapassou o Reino Unido em novos casos diários por milhão de habitante.

“Estamos esgotados e não estamos a ver como isto vai parar”

“Na realidade, alguns serviços já estarão a enviar para os Cuidados Intensivos só os doentes com melhor hipótese de sobreviver e não todos como sucedia antes, porque não há camas”, afirma Tomás Lamas.

No Hospital de Santo António, no Porto, sobram apenas 8 de 76 camas que existem nas Unidades de Cuidados Intensivos, que foram sendo ocupadas com doentes Covid e não Covid. “Os hospitais só ainda têm conseguido dar resposta porque, nos últimos meses, foi-se reforçando a sua capacidade. Nas unidades de Cuidados Intensivos, quase triplicou a capacidade em todo o País”, explica António Marinho.

A taxa de mortalidade nas UCI era de 18%, mas o valor está, neste momento, nos 40%

E se, antes, a taxa de mortalidade nas UCI era de 18%, o valor está, neste momento, nos 40%. “Das pessoas que são ventiladas, quase metade morre. Das que não morrem, 70% ficam sem qualidade de vida, em situações miseráveis. Mas o que se passa nos Cuidados Intensivos parece que está escondido, como antigamente estavam os lares e o que lá se passava”, lamenta o especialista.

“É exasperante receber telefonemas de outros médicos desesperados, a pedirem vagas para um doente que precisa de Cuidados Intensivos, e eu ter de lhes dizer que não há”, diz Tomás Lamas.

Neste momento, o CHLO dispõe de 26 camas de cuidados intensivos para doentes infetados com o SARS-CoV-2 no Hospital São Francisco Xavier e mais 11 no Egas Moniz. Este domingo, todas as 37 camas estavam ocupadas.  

“Os planos de contingência e de catástrofe do centro hospitalar vão, hipoteticamente, implicar a abertura de mais camas, nomeadamente no hospital Egas Moniz”, avança Pais Martins, “E ainda conseguimos abrir cerca de uma dezena de camas de cuidados intensivos no São Francisco Xavier”, contabiliza.

“Está a ser feito um enorme esforço de planeamento e de alocação de profissionais”, nota, antes de acrescentar: “Uma cama de cuidados intensivos é muito mais do que um ventilador, implica uma organização funcional e uma alocação de recursos humanos e materiais de difícil execução”.  

Devido à escassez de médicos de Medicina Interna nas enfermarias, que não “cobrem” a quantidade de doentes que chegam diariamente, tem-se recorrido a médicos menos diferenciados, como neufrologistas ou cirurgiões, que auxiliam no tratamento dos doentes. Mas todos os profissionais estão demasiado cansados. “Estamos esgotados e não estamos a ver como isto vai parar”, afirma António Marinho.

O pior, afirma Tomás Lamas, será quando começarem a faltar os ventiladores não invasivos, utilizados para estabilizar os doentes fora dos Cuidados Intensivos, ou seja, quando começar a faltar o oxigénio.

A situação também está a complicar-se no Hospital de Cascais, onde Ricardo Baptista Leite, médico especializado em infecciologia, deputado e vice-presidente da bancada do PSD, faz trabalho voluntário como médico desde o início da pandemia. Na sua conta de Twitter, referiu que a situação não estava “nada fácil”.

Umas horas depois, lamentou novamente a situação vivida nos hospitais. “Nunca vi tanta gente a morrer em tão curto espaço de tempo como nestas 12 horas de urgência”, pode ler-se na sua publicação.

“Estamos em confinamento e não há confinamento nenhum”

No primeiro fim-de-semana de confinamento, muitas pessoas aproveitaram o sol de Lisboa para irem passear. Viu-se gente sem máscara e com pouco distanciamento físico, um contraste muito grande relativamente ao primeiro confinamento geral, em março de 2020. As campanhas presidenciais continuaram na rua em ações por todo o País.

“Estamos em confinamento e não há confinamento nenhum”, afirma António Marinho. “O vírus está cada fez mais indestrutível. Já teve três fortes mutações e, um dia destes, a vacina deixa de as cobrir e teremos de recomeçar tudo de novo. Estamos a perder a luta contra o vírus. Tem de se fechar mesmo tudo. Tudo”, garante.

Tomás Lamas afirma, ainda, que se chegou ao momento em que “a catástrofe está a acontecer à nossa frente e as pessoas não reagem”.

Veja as imagens das filas de ambulâncias à porta de Santa Maria esta manhã.

Leia todos os conteúdos exclusivos da VISÃO no site. E experimente a nova app, mais completa, com podcasts, newsletters diárias, alertas noticiosos e muitos conteúdos só para assinantes

Tenha mais VISÃO

Assinar

Mais na Visão

Desporto

LC: Final com adeptos testados e em solo luso menos de 24 horas

Os adeptos estrangeiros que viagem até ao Porto para assistir à final da Liga dos Campeões de futebol vão ficar menos de 24 horas em Portugal e serão todos testados à covid-19, anunciou hoje o Governo

Sociedade

Covid-19: Arganil critica recuo no desconfinamento e frisa que público no Rali mantém-se

A Câmara de Arganil, no distrito de Coimbra, criticou hoje as regras que determinam o recuo do concelho no processo de desconfinamento, mas salientou que a decisão não terá reflexo na passagem do Rali de Portugal pelo município

VISÃO Saúde

Covid-19: Duas freguesias de Odemira avançam no desconfinamento mas a ritmos diferentes

A freguesia de São Teotónio vai avançar "um passo" no desconfinamento, enquanto a freguesia de Longueira-Almograve, ambas no concelho de Odemira (Beja), vai juntar-se ao patamar de desconfinamento da generalidade de Portugal continental, anunciou hoje o Governo

Economia

Covid-19: Arganil e Lamego recuam e outros três concelhos avançam no desconfinamento

Os concelhos de Arganil e Lamego vão recuar no processo de desconfinamento, enquanto outros três municípios e uma das freguesias de Odemira avançam e ficam a par da generalidade do país

VISÃO Saúde

Covid-19: Diversão itinerante e parques infantis privados permitidos nas zonas em maior desconfinamento

A atividade de diversão itinerante e os parques infantis e aquáticos privados vão poder entrar em funcionamento nos concelhos do continente incluídos no nível mais avançado do plano de desconfinamento, anunciou hoje a ministra da Presidência

VISÃO Saúde

Covid-19: Teletrabalho mantém-se obrigatório em todo o território continental até final de maio

O teletrabalho vai continuar a ser obrigatório em todos os concelhos de Portugal continental até ao final de maio indicou hoje a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva

Política

Presidente do Supremo aponta gestão dos megaprocessos como a "grande impotência" do sistema

O presidente do Supremo Tribunal de Justiça apontou hoje a gestão dos megaprocessos dos crimes económicos como a "grande impotência" do sistema, pondo em causa o funcionamento e a credibilidade da justiça e da democracia

Em atualização
Política

Situação de calamidade até 30 de maio. O que muda e o que se mantém no País

Há apenas quatro concelhos com um nível de desconfinamento inferior ao nacional, revelou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva. Multas nas praias e teletrabalho obrigatório até ao final de maio, saiba o que muda, esta semana

Política
Exclusivo

Cabrita pôs na gaveta investimento de milhões na rede do SIRESP

Governo foi alertado, em 2019, para a necessidade de preparar antecipadamente a transição da parceria público-privada do SIRESP, que termina dentro de mês e meio. Mas muitas das recomendações ficaram no papel, como a contratação de uma solução por feixes hertzianos, que tornasse o Estado menos dependente das ligações satélite da Altice. A incógnita sobre o que acontecerá a 1 de julho, em plena época de incêndios, mantém-se, com a operadora a acusar o Ministério da Administração Interna de silêncio

Sociedade

"Era uma mulher absoluta, em tudo o que fazia, em cada coisa a que se comprometeu". As reações à morte de Maria João Abreu

Várias personalidades já lamentaram a morte da atriz de 57 anos, que não resistiu a um aneurisma cerebral

OLHO VIVO

Sporting: “Usaram aquela cola que colava cientistas ao teto para colar Eduardo Cabrita à cadeira"

Tudo o que falhou nos festejos do Sporting e as consequências que aí vêm, as revelações das audições parlamentares aos devedores do Novo Banco e os resultados da Cimeira Social europeia estarão em debate no Olho Vivo desta semana

Política

Sporting campeão: PSP apresentou propostas alternativas para festejos que não foram aceites

A PSP apresentou propostas alternativas para as comemorações do Sporting como campeão nacional de futebol, que não foram aceites, e deu parecer negativo à festa que se realizou junto ao estádio, segundo o sindicato dos oficiais desta polícia