Covid-19: Afinal, o que é a segunda vaga? Já há uma definição

Getty Images

A definição do que é uma segunda onda da pandemia de Covid-19 foi esta semana publicada pela Aspher (acrónimo em inglês para Associação de Escolas de Saúde Pública da Região Europeia). No documento, refere-se que uma “verdadeira segunda vaga” deve ser definida como um “ressurgimento” que deve conter dois pressupostos fundamentais e cumulativos: aumento exponencial de casos num determinado período e zona territorial e que esse crescimento se siga ao quase desaparecimento de novos infetados ou à modificação de comportamento do agente infeccioso. Henrique Lopes, especialista em Saúde Pública e professor na Universidade Católica Portuguesa, é um dos quatro signatários do texto, tendo sido o autor do conceito epidemiológico.

Esta explicação do que é a segunda onda está, naturalmente, ligada à preparação do inverno, altura em que a gripe sazonal se faz sentir e que, desta vez, irá coincidir com a Covid-19.

É EXPETÁVEL QUE A GRIPE SEJA MAIS SEVERA DO QUE NOUTROS ANOS

A instituição europeia sugere a possibilidade da segunda vaga acontecer nos países do hemisfério norte a partir do outono e que o impacto será agravado por outros problemas sociais, económicos e dos sistemas de saúde.

“Ainda não sabemos como vai ser a segunda onda pandémica. Há quem diga que é entre uma a seis vezes pior do que a anterior, eu sou da opinião que poderá ser uma a duas vezes pior”, nota Henrique Lopes. O especialista diz que é possível “reduzi-la para metade, qualquer que seja a sua dimensão” através do uso correto da máscara. O facto do vírus da gripe circular ao mesmo tempo que o coronavírus tem “uma externalidade positiva” que é a utilização da máscara, mas, nota, “há que aumentar a vacinação para a gripe, nomeadamente nos profissionais de saúde”.

De acordo com o relatório, há necessidade de os países se prepararem para o que aí vem tendo em conta seis pontos. Aumentar a vigilância sobre os casos e cadeias de transmissão, fazer testagem e ter stock de máscaras e outro material de proteção; preparar a época de gripe através da vacinação; aproveitar esta época de menos infeções para fazer exames de diagnóstico que ficaram por realizar, nomeadamente casos de cancro ou doenças cardíacas graves; olhar para os distúrbios que aconteceram durante o confinamento, como a solidão, consumo exagerado de comida processada e álcool, stress mental e violência doméstica; ter em conta o impacto da Covid-19 nos profissionais de saúde, como os casos de exaustão, stress e ansiedade; agir económica e socialmente.

As prioridades, concluem, passam por restabelecer e reforçar os serviços sociais e de saúde essenciais e manter os idosos e os grupos de risco em segurança.

Este verão assine 6 meses a VISÃO, em papel ou digital, e receba mais 3 meses de leitura grátis

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

Mais na Visão

Sociedade

Alimentar pombos pode torná-los mais agressivos

Alimentar os pombos na via pública é proibido em muitos concelhos e pode valer-lhe uma multa. Agora, tem mais uma razão para não o fazer

Sociedade

Como uma marca de lingerie escolhe as modelos sem as ver

A The Underargument escolhe as modelos sem as ver. O critério de seleção: as histórias de vida que contam

Sociedade

Beirute/Explosões: Carga tinha como destino Moçambique e foi substituída por outra encomenda

A Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM) confirmou hoje que encomendou as 2,7 toneladas de nitrato de amónio que estiveram na origem das explosões em Beirute, salientando que a carga apreendida pelas autoridades libanesas foi substituída por outra remessa

Sociedade

Lições da pandemia: Aprender a pensar como um epidemiologista

Antes de mais, recorde-se que as verdades dadas como absolutas acabam muitas vezes, e mais depressa do que se julga, por serem muito, muito relativas

Política

Nagasaki assinala 75.º aniversário do bombardeamento com apelos a um mundo sem armas nucleares

Nagasaki assinalou hoje o 75.º aniversário do bombardeamento atómico da cidade japonesa com apelos às potências nucleares para abrirem o caminho para um mundo sem estas armas, cuja ameaça se está a tornar mais real

VISÃO Saúde

Covid-19: Nova Zelândia marca hoje o centésimo dia sem contágios locais

A Nova Zelândia atingiu hoje a marca dos 100 dias sem qualquer contágio local no país por coronavírus, embora as autoridades tenham advertido que baixar a guarda estava fora de questão

Ambiente

Para salvar o panda gigante, a China está a pôr em risco as outras espécies?

Os especialistas descobriram que as medidas de conservação do habitat dos pandas gigantes, podem não ser benéficas o restante ecossistema da região

Sociedade

O poder do boicote, da escravatura ao Facebook

Temido pelas marcas, tem a sua génese na luta contra o tráfico de escravos. O Facebook é o mais recente alvo, mas não faltam outros entre quem agora boicota a rede social. Em Portugal, o bloqueio da Ponte 25 de Abril não é caso isolado

Pode parecer egoísmo, mas a ciência diz que não
Sociedade

11 apps grátis para aumentar os seus conhecimentos, escolhidas por um painel de especialistas

Cada vez mais procuradas, as aplicações móveis oferecem um universo gigantesco de aprendizagens, desde lições de guitarra a respostas para quase todas as perguntas. Para a VISÃO, especialistas selecionaram um conjunto de apps que ensinam e, ao mesmo tempo, divertem

Sociedade

Quem é Lourenço Lucena, o único português membro da Sociedade Francesa de Perfumistas

O mais óbvio seria dizer que Lourenço Lucena é um nez, o único português membro da Sociedade Francesa de Perfumistas. Por defender que devíamos dar mais atenção àquilo que vemos, ouvimos e sentimos, prefere que se diga que é um sensorialista

Mundo

Mais que muito rico: Mark Zuckerberg acaba de se juntar ao clube mais exclusivo do mundo

A sua fortuna está agora estimada em mais de cem mil milhões. À frente, apenas Jeff Bezos, da Amazon, e Bill Gates, da Microsoft

Sociedade

Cruzeiros no Douro à espera dos portugueses (e 27 imagens para aguçar o apetite)

Os cruzeiros fluviais pela primeira região vinhateira demarcada do mundo só transportavam estrangeiros. Agora, em época de Covid-19, há revisão de preços em baixa e uma vontade de conquistar o mercado português. Está pronto para a viagem?