Catarina de Albuquerque: “A água contribui para o empoderamento das mulheres”

Foto: Gonçalo Rosa da Silva

Catarina de Albuquerque é uma das pessoas que mais têm contribuído para levar a água onde ela é mais escassa. Após ter sido, durante seis anos, relatora especial das Nações Unidas para o direito a água potável e saneamento, em 2014, passou a liderar a Sanitation and Water for All, uma iniciativa global que junta governos e organizações da sociedade civil de todo o mundo.

Morrem milhares de pessoas todos os dias devido à falta de acesso a água de qualidade. Porque é tão difícil resolver isto?

As razões mais imediatas são a falta de vontade política e de financiamento. O tema não é prioritário, e isso vê-se na composição do governo e nas dotações orçamentais que recebem os ministérios responsáveis pela água e saneamento.

O facto de os países mais desenvolvidos darem a água como um bem adquirido faz com que não compreendam o alcance do problema noutras regiões do globo?

Vou mais longe: como é possível termos tido de esperar até 2010 para a água e o saneamento serem reconhecidos como direitos humanos? Em 1948, quando se anunciou a declaração universal, não estava lá o direito à água. Os países onde há maiores problemas de água, na altura, eram colónias e nem sequer se sentaram à volta da mesa. Os que tinham lugar, diplomatas dos países ricos, faziam parte de uma classe social que nem sabia que esses problemas existiam. Hoje, os países do Norte têm de ajudar os do Sul, mas a ajuda pública ao desenvolvimento tem vindo a diminuir e é uma gotinha no oceano.

Muitas vezes, é um problema invisível…

Sim. Conheci pessoas no Bangladesh a beberem água transparente que estava a matá-las a longo prazo: água poluída com arsénico. Não davam por nada. Tive, com um senhor de uma aldeia, uma das conversas que mais me chocaram na vida. “Então mas e o arsénico?” E ele: “Nós estamos preocupados é com a sobrevivência hoje, sei lá eu onde vou estar daqui a 20 anos.” Vi também miúdos em Angola de cócoras a pôr um pano nas poças de água cheias de terra e a torcê-lo para a boca. Têm água para beber, sim. Depois vão estar cheios de diarreia, e alguns morrem, mas se calhar nem associam à água

Qual é o papel da Sanitation and Water for All no combate a esta situação?

A nossa missão é trabalhar com o poder político, chefes de Estado, chefes de Governo, agências da ONU, para aumentar a visibilidade do setor. Tentamos criar uma faísca, de forma a mobilizar a vontade política para o tema de água e saneamento, para aumentar os investimentos e melhorar a governança da água. Isto porque construir uma bomba de água ou uma latrina não é suficiente. Se não houver uma política pública para o setor, daí a um ano já lá não estão. Contamos as bombas de água instaladas, mas não as que se estragam.

Tem de ser uma aposta sustentada?

Tal como na Educação ou na Saúde, não basta construir o edifício da escola ou do hospital, também aqui precisamos de planos nacionais que consigam ver tudo de uma maneira integrada. E há também que perceber os impactos positivos do acesso à água potável noutras áreas. Por exemplo, na Educação: conheci umas miúdas fantásticas no Quénia, na aldeia onde nasceu o pai do Obama, que depois de um dia de escola ainda tinham de estar horas a carregar água, porque é um trabalho de mulheres e de raparigas, e quando chegavam a casa já não havia luz e não podiam fazer os trabalhos de casa. Portanto, a água contribui para o empoderamento das mulheres, para o direito à Educação. E para a Saúde – metade das camas de hospitais em África está ocupada com pessoas que sofrem de doenças transmitidas pela água.

É possível conciliar a iniciativa privada com a necessidade de providenciar água e saneamento a todos?

Não é fácil, mas é possível. Não é obrigatório os serviços serem públicos. Importante é haver um regulador forte e independente, e ter tarifas sociais para quem não pode pagar as contas da água. Se eu não pagar a conta da Netflix, é legítimo que a Netflix me corte a conta. Mas o acesso à água e ao saneamento é um direito humano, por isso, quando eu não puder pagar a conta, o Governo tem de entrar em ação e arranjar forma de eu não ficar privada do acesso a este direito fundamental só porque perdi o emprego.

LEIA TAMBÉM: Vamos ficar sem água?

Mais na Visão

Exame Informática
EILive

F5: Chips, software polémico e homens que voam

As notícias que marcaram a semana, as recomendações da redação da Exame Informática e muito mais para ver e ouvir nesta transmissão (em direto, às 17h30)

Quando sintomas comuns escondem um problema mais grave que pode provocar outros mais graves ainda Exame Informática
Ciência

Associação quer criar base de dados nacional sobre risco de cancro

Evita prepara plataforma para registo pessoal, com acesso a aconselhamento relativo ao risco genético, esclarecimento de dúvidas, teleconsulta e apoio psicológico

Economia

"Não podemos esperar até final do Verão". Restaurantes, alojamento e transportes com a corda na garganta

Há cada vez mais empresas a ficar em situação de falência técnica, diz o Banco de Portugal, que aconselha selecionar as empresas viáveis antes da injeção de fundos públicos. AEP espera ansiosamente pelo Banco de Fomento

Mundo

Von der Leyen fala em enfermeira portuguesa para destacar "força" da Europa

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, falou hoje numa carta de uma jovem enfermeira portuguesa chamada Vitória para lembrar que "a Europa é mais forte junta"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal tem 36 concelhos com incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes

Portugal tem hoje 36 concelhos com incidência do novo coronavírus superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, menos cinco em relação ao boletim anterior

Mundo

Cerca de 9 mil passageiros testados à Covid-19 com zagaratoas usadas em aeroporto da Indonésia

O esquema, que se prolongou durante quatro meses, rendeu milhares de dólares a uma farmacêutica indonésia

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Governo está a preparar contestação de providência cautelar sobre Zmar

Eduardo Cabrita disse que já está a ser preparada a contestação à providência cautelar que suspende a requisição civil das casas do complexo Zmar e que o Ministério não foi ainda notificado

Irrevogável

Suzana Garcia: "Irei fazer coligações com Deus e com o Diabo"

Suzana Garcia não afasta de uma coligação pós-eleitoral nenhum partido, à exceção do BE, para chegar ao poder na Amadora. A polémica advogada, que é a aposta do PSD e que conta com o apoio do CDS, promete não só transformar o concelho no "mais seguro do país", como a "erradicar" parte da Cova da Moura

Se7e
Se7e Newsletter

VISÃO Se7e: À descoberta de jardins que contam histórias

Mundo

Quando a estação espacial Skylab se despenhou na superfície terreste

Norte-americanos parodiaram a NASA por não ter previsto o regresso e por não conseguir antecipar o local da queda. Até capacetes protetores inventaram – mas só para ficar bem na “fotografia”

Exame Informática
Software

Microsoft vai abandonar ícones da era Windows 95

Empresa de Redmond tem vindo a fazer várias alterações a nível gráfico no sistema operativo e a próxima atualização do Windows 10 deve terminar o processo e cortar ‘amarras’ com as versões anteriores

Oceanário de Lisboa tem dois novos tubarões Exame Informática
Ciência

Tubarões usam campo magnético da Terra como bússola

Há muito que se sabe que os tubarões realizam periodicamente grandes travessias nos oceanos e se desconfiava que usassem o campo magnético terrestre para se orientar. Agora, surgem evidências científicas que o comprovam