“Tudo parece descrever a nossa espécie como a mais estúpida que alguma vez apareceu no nosso planeta”

O Homem é dependente das plantas, e só as negligencia porque se habituou a olhar o mundo do ponto de vista exclusivamente humano, desvirtuado por uma “cegueira vegeta”. Este é um dos pontos que Stefano Mancuso, professor da Universidade de Florença, sublinhou na sessão de abertura do VISÃO FEST Verde.

“Se as plantas desaparecessem do planeta amanhã por algum evento catastrófico que não vou desenvolver, a temperatura subiria a um nível tal que a água evaporaria e, dentro de pouco tempo, a Terra apareceria como uma massa de planeta estéril, como Mercúrio ou Vénus”, explica Stefano Mancuso. “De um ponto de vista quantitativo, a vida deste planeta é uma vida verde. Nós, animais, somos dependentes, completamente dependentes das plantas. Tudo orbita em torno da vida vegetal. Isto é algo que deveríamos compreender, algo que deveríamos ter aprendido nas nossas escolas”. 

“Imagine se eu tentasse contar-lhe uma história sobre Lisboa sem lisboetas. É impossível. Ou uma história sobre Roma sem os romanos. É a forma como estamos a agir, quando contamos a história do nosso planeta. Contamos a nossa própria história. E cada história que não tenha a planta como personagem principal está errada.” E porque não somos capazes de compreender a importância da planta para o nosso planeta?

“Existe um tipo de preconceito cognitivo no nosso cérebro que se chamada de cegueira vegetal e que nos incapacita de ver o verde que nos rodeia. É impossível imaginar que somos incapazes de compreender que a totalidade do nosso planeta é feita por planta. Portanto, somos realmente cegos por plantas. Isto é algo que provavelmente está ligado à maneira como o nosso cérebro se defende de uma enorme quantidade de dados vindos de uma planta, por isso estamos no curso da nossa evolução.” A ideia é simples: aprendemos como evoluir, como filtrar todos estes dados verdes que possam ser úteis para a nossa sobrevivência e focarmo-nos mais nos animais e humanos, que podem ser mais perigosos para nós. “Assim, provavelmente no início da nossa evolução, para evitar e não olhar para as plantas. Filtrar estes dados verdes era uma vantagem, mas agora não olhar para as plantas, não ser capaz de ver as plantas é uma desvantagem.” O segundo problema é o facto de que as plantas serem tão diferentes de nós. “Por isso, somos incapazes de ver plantas porque somos incapazes de as compreender. Somos apenas capazes de ver o que é realmente semelhante a nós”, elabora Mancuso.

Uma das ideias feitas dos humanos é que as plantas são incapazes de resolver problemas. Mancuso discorda. “Nós, animais, estamos a dizer que somos capazes de resolver problemas quando, na realidade, o que estamos a fazer é evitá-los. Por isso, usamos o movimento para nos afastarmos, e normalmente dizemos que resolvemos o problema quando, pelo contrário, apenas o evitamos. Para as plantas isto é completamente diferente. As plantas não são capazes de evitar problemas. Se não houver água, se tiverem de encontrar nutrientes no solo, se tiverem de se reproduzir, se tiverem de comunicar, para existirem as plantas têm de resolver problemas sem se moverem. De certo modo as plantas são muito mais inteligentes do que os animais porque se definirmos inteligência como a capacidade de resolver problemas, o que eu diria ser uma definição muito boa, muito inclusiva de todos os organismos, nesse sentido as plantas são muito melhores do que nós porque são realmente capazes de resolver problemas, ao passo que os animais são na sua maioria capazes de os evitar.”

Outra coisa que nos distingue é a nossa arquitetura muito “primitiva e antiga”. “Somos constituídos por uma cabeça, com um cérebro que é a pirâmide e governa hierarquicamente um ou dois órgãos especializados em funções específicas. Por isso respiramos com dois pulmões, comemos com um estômago, vemos com dois olhos. Esta é a forma como somos feitos e tudo o que produzimos, a nossa história foi uma reprodução da nossa arquitetura. Todas as nossas sociedades, as nossas empresas, as nossas universidades, os nossos jornais são feitos da mesma forma que nós. A nossa cabeça governa funções específicas. Grupos específicos que realizam funções específicas. Esta não é uma boa arquitetura, a nossa principal vantagem é a capacidade de produzir respostas rápidas.”

Agora, vamos olhar atentamente para as plantas. “Porque é que as plantas não têm dois pulmões, um cérebro, um estômago? Porque são incapazes de respirar, de ver e de pensar. Não. A razão pela qual as plantas não têm um ou dois órgãos para cada função é porque ter apenas um ou dois órgãos capazes de realizar determinada função é um ponto fraco. E isto é algo que todos sabemos, basta que um dos nossos órgãos funcione mal para que, no final, toda a organização do corpo humano colapse”, continua.

“A planta tem uma organização muito diferente, feita por uma organização difusa e descentralizada. As plantas e os animais deste ponto de vista são o oposto um do outro. Enquanto nós animais concentramos funções essenciais a um ou dois órgãos, as plantas dividem a mesma função por todo o seu corpo. Por outras palavras, as plantas são capazes de ver com todo o seu corpo, são capazes de ouvir com todo o seu corpo, são capazes de respirar com todo o seu corpo, são capazes de pensar, de comunicar, de se defender com o seu próprio corpo e esta é uma forma revolucionária de organizar o seu corpo”. Portanto, segundo Stefano Mancuso, “é tudo muito mais sólido, muito mais robusto, muito mais resistente”.

“É possível remover até 80% do corpo de uma planta sem a matar. Isto é suficiente, é apenas o começo, mas é suficiente para vos explicar como somos diferentes dos animais.”

Uma das coisas que o homem se habituou a acreditar é que o seu cérebro desenvolvido é uma vantagem. “Todas as pessoas que estão a ouvir a minha palestra estão convencidas de que somos muito melhores do que quaisquer outros animais. Para não falar de qualquer outra planta. E porquê? Porque temos este grande cérebro que é algo que é diferente. Porque pensamos que o nosso cérebro é único, que é algo que não partilhamos com nenhum outro ser vivo. Com o nosso grande cérebro fomos capazes de realizar feitos inacreditáveis. Conseguimos imaginar a teoria da relatividade. Conseguimos rezar na Capela Sistina. Conseguimos escrever a Divina Comédia ou os Irmãos Karamazov. Fomos capazes de realizar feitos espetaculares e isto fez-nos pensar em nós próprios como a melhor espécie do planeta”.

Mas esta ideia necessita de comprovação. “O objetivo primordial da vida é a reprodução da espécie. A nossa espécie sábia tem apenas 300 000 anos de idade. A vida média de uma espécie viva no nosso planeta é de cinco milhões de anos. Por outras palavras, antes de saber se o nosso cérebro é realmente uma vantagem e não uma desvantagem na evolução, precisamos de esperar mais 4 milhões e 700 000 anos. Se conseguirmos estar aqui, como espécie, durante mais 4 milhões e 700 000 anos, isto significaria que o nosso cérebro não está a afetar completamente a nossa capacidade de sobrevivência.”

O problema está aqui: será que vamos conseguir sobreviver tanto tempo, com toda a destruição que estamos a infligir no nosso habitat? “Parece muito improvável que pudéssemos sobreviver durante tanto tempo se pensarmos que tudo o que fizemos neste planeta Terra foi feito nos últimos 300 000 anos.” Ainda assim, Mancuso está otimista: “tudo parece descrever a nossa espécie como a espécie mais estúpida que alguma vez apareceu no nosso planeta. Mas acredito que o nosso grande cérebro é, na verdade, uma vantagem. É uma ferramenta extraordinária e que estamos a usar essa ferramenta da uma forma estúpida, porque somos uma das espécies mais jovens. Porque somos como os bebés. Quando se põe uma ferramenta na mão dos bebés, eles tentam, no início, destruir a casa. Só depois de crescerem vão ser capazes de construir casas. Penso que é isto que nos está a acontecer. Espero que dentro de algum tempo compreendamos que, com o mesmo cérebro, com a mesma ferramenta, possamos construir outras casas.”

ASSISTA AQUI À EMISSÃO EM DIRETO 

Saiba mais sobre o VISÃO FEST VERDE aqui.

A bp está a compensar as emissões de carbono deste evento. Saiba mais em bp.pt

Palavras-chave:

Leia todos os conteúdos exclusivos da VISÃO no site. E experimente a nova app, mais completa, com podcasts, newsletters diárias, alertas noticiosos e muitos conteúdos só para assinantes

Tenha mais VISÃO

Assinar

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Qual é a diferença entre as mortes de George Flyod e Ihor Homeniuk?

Um foi esganado com o joelho, e o outro levou pancada, durante dois longos dias, até morrer. Um praticou um homicídio, e os outros três apenas um resultado agravado. Sem palavras!

Política

Luís Filipe Vieira: "Tenho outros negócios, tenho uma boa reforma. Vivo bem"

O presidente da Promovalor, Luís Filipe Vieira, assumiu hoje que vive bem, com uma "boa reforma" e outros negócios, tendo a sua conta sido reforçada recentemente com cerca de dois milhões de euros recebidos do fisco

Mundo

Covid-19: OMS classifica variante com origem na Índia como "variante de preocupação"

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a variante do coronavírus identificada na Índia como uma "variante de preocupação ou de interesse global", por ser mais contagiosa

Crónicas d.C.

E abolir a escravatura?

O litoral alentejano não é idílico para todos. A Polícia Judiciária tem investigações em curso há anos por suspeitas de escravatura, tráfico de seres humanos e auxílio à imigração neste nosso paraíso-de-alguns. A investigação decorre sobre empresas intermediárias que recrutam trabalhadores estrangeiros, principalmente do Bangladesh, da Tailândia e do Nepal

Atualidade

Preços das casas continuam a subir

Por dia estão a ser transacionadas mais de 400 casas, uma dinâmica que está a manter os preços, apesar da pandemia

Sociedade

“O que nos dá mesmo saúde é sentir que encontramos alguém com quem temos intimidade partilhada, em que as pessoas aguentam e suportam as diferenças individuais”

Depois da privação da liberdade e da fome de contactos próximos, é tempo de arriscar encontros seguros e sinceros, com as nossas qualidades e defeitos, afirma Patrícia Câmara, psicoterapeuta e Vice-presidente da Sociedade de Portuguesa de Psicossomática

Política

SEF/Ihor: Inspetores condenados a nove e sete anos de prisão

Os três inspetores do SEF acusados do homicídio do ucraniano Ihor Homeniuk, em março de 2020, foram hoje condenados a nove e sete anos de prisão

Exame
Inconsistência problemática

Precisamos mesmo de um barco maior? O Canal de Suez e os problemas do transporte marítimo

O bloqueio do Canal de Suez alertou o mundo para a importância do transporte marítimo. Mas o incidente é apenas a ponta do iceberg de uma indústria que tem problemas a resolver

Política

Covid-19: Costa adverte contra riscos de quebrar proteção da propriedade intelectual nas patentes

O primeiro-ministro advertiu hoje que o princípio da propriedade intelectual é muito importante para o sistema científico de inovação e que está por demonstrar que haja bloqueios de fornecimento pelos titulares de patentes das vacinas anticovid-19

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Índice de transmissibilidade (Rt) estabiliza, incidência com nova descida em Portugal

O índice de transmissibilidade (Rt) do coronavírus SARS-Cov-2 em Portugal mantém-se hoje nos 0,92, enquanto a incidência de casos de infeção por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias desceu para 53,8

Desporto

Rali de Portugal condiciona circulação e estacionamento no Porto

A circulação automóvel e o estacionamento estão condicionados desde hoje em algumas artérias da cidade do Porto, devido aos preparativos para a Super Especial do rali de Portugal, agendada para o dia 22, junto à Foz do Douro

Mundo

Mais de 300 palestinianos feridos em confrontos com polícias em Jerusalém

Mais de 300 palestinianos ficaram hoje feridos em confrontos com a polícia israelita na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental, segundo um novo balanço feito por fontes médicas locais