O maravilhoso mundo da inteligência das plantas. Sim, leu bem, inteligência

A New Yorker considerou-o um dos “world changers” da década, foi vencedor do Prémio Galileu 2018 e os seus livros são best-sellers internacionais. Stefano Mancuso, professor associado da Universidade de Florença, é um dos maiores especialistas do mundo em neurobiologia vegetal. O que é isso? A ciência que estuda a inteligência das plantas. Se por esta altura estiver a revirar os olhos e a pensar – só faltava mais esta! –, não será o único. Os estudos de Mancuso abordam o que durante séculos era considerado impensável: a ideia de que as plantas têm habilidade cognitiva. Diferente da dos humanos e dos outros animais, é certo, mas não necessariamente inferior. Um trabalho com tanto de controverso, como de absolutamente fascinante.

Ouvi-lo – como vai poder fazer no VISÃO FEST, no próximo dia 24, sábado-, e ler os seus livros (a maior referência é a Revolução das Plantas, uma leitura deliciosa) é entrar num maravilhoso mundo vegetal até agora desconhecido. É preciso começar por perceber que as plantas são 85% da biomassa do planeta – todos os animais da Terra juntos representam apenas 0,3%. De um ponto de vista quantitativo, a vida neste planeta é verde. No entanto, a evolução fez crescer no Homem o que ele chama de “cegueira vegetal”.

A ideia de que, porque temos um cérebro muito desenvolvido, somos mais inteligentes e fortes do que todas as outras espécies – facto que ainda está para comprovar. A média de vida de uma espécie na Terra é de dois a cinco milhões de anos. O Homo sapiens viveu apenas 300 mil anos, escreve Mancuso. Já fomos capazes de quase destruir o nosso meio ambiente, como podemos dizer que somos espécies melhores ou mais avançadas?

Stefano Mancuso é professor na Universidade de Florença

Mancuso explica que as plantas são um modelo de modernidade. “Dos materiais à autonomia energética, da capacidade de resistência às estratégias de adaptação, desde os primórdios que as plantas fornecem as melhores soluções para a maioria dos problemas que afligem a Humanidade.” Como não se podem movimentar – e fugir do problema como os homens –, adaptam-se e encontram estratégias para resolver esses problemas.

“Com o intuito de ultrapassar os problemas relacionados com a predação, as plantas evoluíram por um caminho único e insólito, desenvolvendo soluções de tal modo distintas das dos animais. São organismos tão distintos que podiam ser extraterrestres: os animais deslocam-se, as plantas estão imóveis; os animais são velozes, as plantas são lentas; os animais consomem, as plantas produzem; os animais emitem CO2, as plantas fixam CO2… e assim por diante até à síntese concludente que se traduz em dispersão versus concentração. Qualquer função que nos animais esteja confiada a órgãos específicos, nas plantas está dispersa por todo o corpo. Trata-se de uma diferença fundamental, cujas consequências são difíceis de compreender inteiramente.”

Dois dos livros mais conhecidos do especialista em neurobiologia vegetal. Em Portugal são editados pela Pergaminho

Uma coisa é certa. A abordagem dos humanos nunca foi a de tentar ir longe neste entendimento, porque procuramos replicar a nossa forma de ser e ver o mundo, através das nossas funções humanas. “Na prática, o Homem procurou sempre replicar o essencial da organização animal na construção dos seus instrumentos. Tudo o que o Homem projeta tende a ter, de um modo mais ou menos evidente, esta arquitetura: um cérebro central que controla os órgãos que executam os seus comandos. Até as nossas sociedades estão construídas segundo este desenho arcaico, hierarquizado e centralizado.” Um modelo cuja única vantagem é fornecer respostas rápidas. Já as plantas, não possuindo um órgão equiparável a um cérebro central, conseguem percecionar o ambiente envolvente com uma sensibilidade superior à dos animais e respondem a esses estímulos de forma descentralizada e radicular, explica Mancuso.

“A complexa organização anatómica das plantas e as suas principais funcionalidades exigem um sistema sensorial muito desenvolvido que permita ao organismo explorar com eficiência o ambiente circundante e reagir com prontidão a acontecimentos potencialmente prejudiciais. Deste modo, a fim de utilizarem os recursos ambientais, as plantas recorrem entre outras coisas a um complexo sistema radicular formado por ápices em constante desenvolvimento, que exploram de um modo ativo o solo. Não é por acaso que a internet, o principal símbolo da modernidade, está construída como uma rede radicular”, sublinha.

É com este pressuposto que partimos com Mancuso, sem preconceitos, à descoberta de factos fascinantes. Coisas como a memória das plantas. Através da Mimosa pudica, uma planta cujas folhas se fecham quando é tocada ou abanada, percebemos que as plantas podem distinguir tipos de estímulos e memorizá-los até 40 dias. Como é que isso acontece em seres desprovidos de cérebro ainda é um mistério. Ou como dominam a arte da manipulação dos animais para as servir em seu bel-prazer, e propagar e fazer perdurar as espécies. Ou como conseguem ver sem olhos, à sua maneira, percecionar o ambiente e mimetizar o que têm à sua volta: uma trepadeira como a Boquilla trifoliata, consegue ter, ao mesmo tempo na mesma planta, três aspetos de folhas completamente diferentes porque copia e adapta-se, “camaleonicamente”, aos arbustos pelos quais trepa para se dissimular. Ou como se movem sem ter músculos, através de sistemas hidráulicos de transporte de água e vapor.

Garantimos – nunca mais vai olhar para as suas plantas da mesma forma.

Venha ouvir Stefano Mancuso no VISÃO FEST Verde no dia 24 de outubro, ou acompanhe por streaming. Saiba tudo sobre o VISÃO FEST Verde aqui.

Saiba mais sobre o VISÃO FEST VERDE aqui.

Como assistir e quais as medidas de segurança.

A bp está a compensar as emissões de carbono deste evento. Saiba mais em bp.pt

Para saber mais

Adira ao evento no Facebook


Assine a VISÃO em digital ou papel, a partir de 1,90 por edição. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade.

É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Previsões assustadoras

As medidas do Governo e do PR certamente que se basearão, minuciosamente, nos modelos nacionais e nas métricas do IHME. Sem medidas não há País, nem pessoas, nem economia. Apenas medo

Economia

Global Media vai avançar com despedimento coletivo de 81 colaboradores

A Global Media, dona do DN, JN e TSF, entre outros, vai "iniciar um processo de despedimento coletivo que abrange 81 colaboradores, 17 dos quais jornalistas, em diferentes áreas" - empresa

Política

Covid-19: PAN afirma que Governo pondera confinamento geral na primeira quinzena de dezembro

O PAN afirmou hoje que o Governo pondera decretar confinamento geral na 1.ª quinzena de dezembro para preservar o período de Natal, mas adiantou que essa medida não é certa

Oceano de Esperança

“É uma atrocidade contra o planeta e contra a espécie humana”

Descobriu uma nova espécie invasora nos mares à qual deu um nome científico inspirado: Plasticus Maritimus. Desde então que a bióloga Ana Pêgo se dedica a combater este flagelo

Brasil, dos índios a Bolsonaro
História

O império americano

O número da VISÃO História que está nas bancas recorda como os Estados Unidos da América se tornaram a maior potência do mundo

Eleições EUA 2020

Trump em desvantagem cada vez maior: "É a pandemia, estúpido!"

Veja o comentário às eleições norte-americanas e perceba os cenários que podemos assistir na noite eleitoral de dia 3 de novembro

Mundo

Como se desloca um edifício de cinco andares dezenas de metros sem o danificar

Com a ajuda da robótica mais recente, a China acaba de levantar do chão uma antiga escola com mais de cinco andares e movê-la mais de 60 metros sem a danificar

Sociedade

Covid-19: Portugal com recorde de casos, mortes e internamentos

Portugal ultrapassou hoje todos os recordes desde o início da pandemia covid-19 com o registo de 40 mortos, 4.656 infetados e 1.927 doentes internados, 275 dos quais em cuidados intensivos

Sociedade

Há cem anos também houve resistência organizada contra o uso obrigatório de máscaras para enfrentar a pandemia

O que podemos aprender com a experiência da gripe espanhola de 1918

Bolsa de Especialistas

A Lei da Manada

Se muitas pessoas partilharem uma ideia, outras tendem a segui-la. É semelhante à escolha de um restaurante. Quando não há nenhuma informação e passa por um e esse está vazio e logo ao lado tem outro com quatro casais, intuitivamente, a tendência vai ser escolher o que maior ocupação tem. Na verdade, o resultado desta escolha surge, porque acredita que se os outros o fizeram, deve haver alguma razão para isso

Nós Lá Fora

Lusofonia, lugar dos afetos

é também ali que, todos os anos, nos sentimos parte de alguma parte do mundo. Que somos resultado desta troca entre cá e lá. Entre o ser de lá cá. Que seremos para sempre um bocadinho de cá no lugar para onde quer que sigamos

GPS neurocirurgia Exame Informática
Ciência

GPS para neurocirurgia e rede neuronal que deteta cancro vencem Fraunhofer Challenge 2020

Final da 11ª edição da competição consagra projetos de tecnologias aplicadas à saúde. Investigadoras do Instituto Superior Técnico e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto vencem o primeiro lugar nas suas categorias