O maravilhoso mundo da inteligência das plantas. Sim, leu bem, inteligência

A New Yorker considerou-o um dos “world changers” da década, foi vencedor do Prémio Galileu 2018 e os seus livros são best-sellers internacionais. Stefano Mancuso, professor associado da Universidade de Florença, é um dos maiores especialistas do mundo em neurobiologia vegetal. O que é isso? A ciência que estuda a inteligência das plantas. Se por esta altura estiver a revirar os olhos e a pensar – só faltava mais esta! –, não será o único. Os estudos de Mancuso abordam o que durante séculos era considerado impensável: a ideia de que as plantas têm habilidade cognitiva. Diferente da dos humanos e dos outros animais, é certo, mas não necessariamente inferior. Um trabalho com tanto de controverso, como de absolutamente fascinante.

Ouvi-lo – como vai poder fazer no VISÃO FEST, no próximo dia 24, sábado-, e ler os seus livros (a maior referência é a Revolução das Plantas, uma leitura deliciosa) é entrar num maravilhoso mundo vegetal até agora desconhecido. É preciso começar por perceber que as plantas são 85% da biomassa do planeta – todos os animais da Terra juntos representam apenas 0,3%. De um ponto de vista quantitativo, a vida neste planeta é verde. No entanto, a evolução fez crescer no Homem o que ele chama de “cegueira vegetal”.

A ideia de que, porque temos um cérebro muito desenvolvido, somos mais inteligentes e fortes do que todas as outras espécies – facto que ainda está para comprovar. A média de vida de uma espécie na Terra é de dois a cinco milhões de anos. O Homo sapiens viveu apenas 300 mil anos, escreve Mancuso. Já fomos capazes de quase destruir o nosso meio ambiente, como podemos dizer que somos espécies melhores ou mais avançadas?

Stefano Mancuso é professor na Universidade de Florença

Mancuso explica que as plantas são um modelo de modernidade. “Dos materiais à autonomia energética, da capacidade de resistência às estratégias de adaptação, desde os primórdios que as plantas fornecem as melhores soluções para a maioria dos problemas que afligem a Humanidade.” Como não se podem movimentar – e fugir do problema como os homens –, adaptam-se e encontram estratégias para resolver esses problemas.

“Com o intuito de ultrapassar os problemas relacionados com a predação, as plantas evoluíram por um caminho único e insólito, desenvolvendo soluções de tal modo distintas das dos animais. São organismos tão distintos que podiam ser extraterrestres: os animais deslocam-se, as plantas estão imóveis; os animais são velozes, as plantas são lentas; os animais consomem, as plantas produzem; os animais emitem CO2, as plantas fixam CO2… e assim por diante até à síntese concludente que se traduz em dispersão versus concentração. Qualquer função que nos animais esteja confiada a órgãos específicos, nas plantas está dispersa por todo o corpo. Trata-se de uma diferença fundamental, cujas consequências são difíceis de compreender inteiramente.”

Dois dos livros mais conhecidos do especialista em neurobiologia vegetal. Em Portugal são editados pela Pergaminho

Uma coisa é certa. A abordagem dos humanos nunca foi a de tentar ir longe neste entendimento, porque procuramos replicar a nossa forma de ser e ver o mundo, através das nossas funções humanas. “Na prática, o Homem procurou sempre replicar o essencial da organização animal na construção dos seus instrumentos. Tudo o que o Homem projeta tende a ter, de um modo mais ou menos evidente, esta arquitetura: um cérebro central que controla os órgãos que executam os seus comandos. Até as nossas sociedades estão construídas segundo este desenho arcaico, hierarquizado e centralizado.” Um modelo cuja única vantagem é fornecer respostas rápidas. Já as plantas, não possuindo um órgão equiparável a um cérebro central, conseguem percecionar o ambiente envolvente com uma sensibilidade superior à dos animais e respondem a esses estímulos de forma descentralizada e radicular, explica Mancuso.

“A complexa organização anatómica das plantas e as suas principais funcionalidades exigem um sistema sensorial muito desenvolvido que permita ao organismo explorar com eficiência o ambiente circundante e reagir com prontidão a acontecimentos potencialmente prejudiciais. Deste modo, a fim de utilizarem os recursos ambientais, as plantas recorrem entre outras coisas a um complexo sistema radicular formado por ápices em constante desenvolvimento, que exploram de um modo ativo o solo. Não é por acaso que a internet, o principal símbolo da modernidade, está construída como uma rede radicular”, sublinha.

É com este pressuposto que partimos com Mancuso, sem preconceitos, à descoberta de factos fascinantes. Coisas como a memória das plantas. Através da Mimosa pudica, uma planta cujas folhas se fecham quando é tocada ou abanada, percebemos que as plantas podem distinguir tipos de estímulos e memorizá-los até 40 dias. Como é que isso acontece em seres desprovidos de cérebro ainda é um mistério. Ou como dominam a arte da manipulação dos animais para as servir em seu bel-prazer, e propagar e fazer perdurar as espécies. Ou como conseguem ver sem olhos, à sua maneira, percecionar o ambiente e mimetizar o que têm à sua volta: uma trepadeira como a Boquilla trifoliata, consegue ter, ao mesmo tempo na mesma planta, três aspetos de folhas completamente diferentes porque copia e adapta-se, “camaleonicamente”, aos arbustos pelos quais trepa para se dissimular. Ou como se movem sem ter músculos, através de sistemas hidráulicos de transporte de água e vapor.

Garantimos – nunca mais vai olhar para as suas plantas da mesma forma.

Venha ouvir Stefano Mancuso no VISÃO FEST Verde no dia 24 de outubro, ou acompanhe por streaming. Saiba tudo sobre o VISÃO FEST Verde aqui.

Saiba mais sobre o VISÃO FEST VERDE aqui.

Como assistir e quais as medidas de segurança.

A bp está a compensar as emissões de carbono deste evento. Saiba mais em bp.pt

Para saber mais

Adira ao evento no Facebook


Este verão assine a VISÃO, EXAME, EXAME INFORMÁTICA, entre outras publicações do grupo Trust in News, por 1 ano e receba 6 meses de leitura grátis. Conheça todas as opções, incluindo as versões digitais

Leia 6 meses grátis

Assinar

Mais na Visão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

"Para haver um alcoolismo é preciso que o álcool se transforme no interesse dominante da pessoa"

O especialista em dependências Domingos Neto explica quais os efeitos do consumo excessivo de álcool, os sinais de alerta para a existência de uma dependência e as estratégias de combate ao problema

LUGAR AOS NOVOS

Teclado para quem o trabalha

Esta tendência sindical, de resto bem portuguesa, de aversão à mudança laboral e de receio de perda de força (a que resta) nos meios tradicionais é um dos maiores paradoxos de quem procura representar os trabalhadores: o seu imobilismo, resultante da tentativa desesperada de conservar um modelo que outrora vingou, quando os meios de produção e a estrutura económica eram outros, tem nos próprios trabalhadores as maiores vítimas. Francisco Camacho, da Juventude Popular, na rubrica Lugar aos Novos

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Novo aumento de internados em Portugal, mais 1.610 infeções e nove mortes

Portugal registou, nas últimas 24 horas, um novo aumento no número de pessoas internadas com covid-19, 1.610 novas infeções e nove mortes, segundo dados da Direção-Geral da Saúde

Mundo

Covid-19: Primeiras vacinas produzidas em África para africanos entregues hoje

A empresa farmacêutica sul-africana Aspen, que embala a vacina da Johnson & Johnson's na África do Sul, anunciou que irá entregar hoje o seu primeiro lote de vacina de fabrico local

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Depois da Covid-19, vamos viver como antes ou readaptar-nos a uma nova forma de vida? Especialistas explicam

No Reino Unido, por exemplo, as pessoas estão, finalmente, a voltar a viver como antes: as discotecas e pubs reabriram e a obrigatoriedade de utilização de máscara deixou de existir. Em Portugal, que neste momento tem já metade da população vacinada, o mesmo vai acontecer em breve, ou assim se quer acreditar. E psicologicamente, como vai ser?

Mundo

Interpol prende 286 suspeitos de tráfico de seres humanos em todo o mundo

Uma operação coordenada pela Interpol contra o tráfico de pessoas resultou na detenção de 286 suspeitos em todo o mundo, anunciou hoje a organização com sede em França

Exame Informática
Exame Informática

Samsung prepara-se para trazer o Galaxy S21 FE, topo de gama mais barato

Fabricante coreana tem marcada para 11 de agosto uma apresentação das várias novidades e, além das evoluções do Galaxy Z Fold 2 e Galaxy Z Flip 5G, há uma expetativa de que seja mostrado um topo de gama mais barato, o Galaxy S21 FE

Política

Ex-treinador de futebol condenado por pornografia de menores enfrenta novo julgamento

Um ex-treinador de futebol juvenil que em 2018 foi condenado no Tribunal de Aveiro a seis anos e meio de prisão por pornografia de menores e abuso sexual de crianças enfrenta em setembro um novo julgamento por crimes idênticos

Tóquio 2020

Tóquio2020: Medalhados podem retirar máscara 30 segundos para fotos no pódio

Os atletas medalhados nos Jogos olímpicos Tóquio2020 vão poder retirar as máscaras por 30 segundos para serem fotografados no pódio durante a cerimónia de entrega de medalhas, anunciou hoje o Comité olímpico Internacional

Mundo

Tóquio2020: Dupla britânica surpreende chineses e alcança ouro nos saltos para a água

A dupla britânica Tom Daley e Matty Lee conquistou hoje a medalha de ouro na prova de saltos para a água sincronizados masculina dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, pondo fim à hegemonia da China nesta categoria

Sociedade

Como funcionam, afinal, as patentes e quais são os limites da sua atuação?

Uma publicação na conta de Instagram do jornalista José Alberto Carvalho, onde relata que a filha Joana, empreendedora de uma marca de acessórios de exterior, foi contactada por uma empresa que “reclama ter registado a patente de um objeto de tecido piramidal no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual”, levanta algumas questões. A VISÃO falou com especialistas na área, que esclarecem as dúvidas que podem surgir em relação às patentes

Desporto

Tóquio2020: Marcos Freitas apurado para os oitavos de final no ténis de mesa

O português Marcos Freitas apurou-se hoje para os oitavos de final do torneio de singulares de ténis de mesa dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao vencer o austríaco Daniel Habesohn, por 4-3