O maravilhoso mundo da inteligência das plantas. Sim, leu bem, inteligência

A New Yorker considerou-o um dos “world changers” da década, foi vencedor do Prémio Galileu 2018 e os seus livros são best-sellers internacionais. Stefano Mancuso, professor associado da Universidade de Florença, é um dos maiores especialistas do mundo em neurobiologia vegetal. O que é isso? A ciência que estuda a inteligência das plantas. Se por esta altura estiver a revirar os olhos e a pensar – só faltava mais esta! –, não será o único. Os estudos de Mancuso abordam o que durante séculos era considerado impensável: a ideia de que as plantas têm habilidade cognitiva. Diferente da dos humanos e dos outros animais, é certo, mas não necessariamente inferior. Um trabalho com tanto de controverso, como de absolutamente fascinante.

Ouvi-lo – como vai poder fazer no VISÃO FEST, no próximo dia 24, sábado-, e ler os seus livros (a maior referência é a Revolução das Plantas, uma leitura deliciosa) é entrar num maravilhoso mundo vegetal até agora desconhecido. É preciso começar por perceber que as plantas são 85% da biomassa do planeta – todos os animais da Terra juntos representam apenas 0,3%. De um ponto de vista quantitativo, a vida neste planeta é verde. No entanto, a evolução fez crescer no Homem o que ele chama de “cegueira vegetal”.

A ideia de que, porque temos um cérebro muito desenvolvido, somos mais inteligentes e fortes do que todas as outras espécies – facto que ainda está para comprovar. A média de vida de uma espécie na Terra é de dois a cinco milhões de anos. O Homo sapiens viveu apenas 300 mil anos, escreve Mancuso. Já fomos capazes de quase destruir o nosso meio ambiente, como podemos dizer que somos espécies melhores ou mais avançadas?

Stefano Mancuso é professor na Universidade de Florença

Mancuso explica que as plantas são um modelo de modernidade. “Dos materiais à autonomia energética, da capacidade de resistência às estratégias de adaptação, desde os primórdios que as plantas fornecem as melhores soluções para a maioria dos problemas que afligem a Humanidade.” Como não se podem movimentar – e fugir do problema como os homens –, adaptam-se e encontram estratégias para resolver esses problemas.

“Com o intuito de ultrapassar os problemas relacionados com a predação, as plantas evoluíram por um caminho único e insólito, desenvolvendo soluções de tal modo distintas das dos animais. São organismos tão distintos que podiam ser extraterrestres: os animais deslocam-se, as plantas estão imóveis; os animais são velozes, as plantas são lentas; os animais consomem, as plantas produzem; os animais emitem CO2, as plantas fixam CO2… e assim por diante até à síntese concludente que se traduz em dispersão versus concentração. Qualquer função que nos animais esteja confiada a órgãos específicos, nas plantas está dispersa por todo o corpo. Trata-se de uma diferença fundamental, cujas consequências são difíceis de compreender inteiramente.”

Dois dos livros mais conhecidos do especialista em neurobiologia vegetal. Em Portugal são editados pela Pergaminho

Uma coisa é certa. A abordagem dos humanos nunca foi a de tentar ir longe neste entendimento, porque procuramos replicar a nossa forma de ser e ver o mundo, através das nossas funções humanas. “Na prática, o Homem procurou sempre replicar o essencial da organização animal na construção dos seus instrumentos. Tudo o que o Homem projeta tende a ter, de um modo mais ou menos evidente, esta arquitetura: um cérebro central que controla os órgãos que executam os seus comandos. Até as nossas sociedades estão construídas segundo este desenho arcaico, hierarquizado e centralizado.” Um modelo cuja única vantagem é fornecer respostas rápidas. Já as plantas, não possuindo um órgão equiparável a um cérebro central, conseguem percecionar o ambiente envolvente com uma sensibilidade superior à dos animais e respondem a esses estímulos de forma descentralizada e radicular, explica Mancuso.

“A complexa organização anatómica das plantas e as suas principais funcionalidades exigem um sistema sensorial muito desenvolvido que permita ao organismo explorar com eficiência o ambiente circundante e reagir com prontidão a acontecimentos potencialmente prejudiciais. Deste modo, a fim de utilizarem os recursos ambientais, as plantas recorrem entre outras coisas a um complexo sistema radicular formado por ápices em constante desenvolvimento, que exploram de um modo ativo o solo. Não é por acaso que a internet, o principal símbolo da modernidade, está construída como uma rede radicular”, sublinha.

É com este pressuposto que partimos com Mancuso, sem preconceitos, à descoberta de factos fascinantes. Coisas como a memória das plantas. Através da Mimosa pudica, uma planta cujas folhas se fecham quando é tocada ou abanada, percebemos que as plantas podem distinguir tipos de estímulos e memorizá-los até 40 dias. Como é que isso acontece em seres desprovidos de cérebro ainda é um mistério. Ou como dominam a arte da manipulação dos animais para as servir em seu bel-prazer, e propagar e fazer perdurar as espécies. Ou como conseguem ver sem olhos, à sua maneira, percecionar o ambiente e mimetizar o que têm à sua volta: uma trepadeira como a Boquilla trifoliata, consegue ter, ao mesmo tempo na mesma planta, três aspetos de folhas completamente diferentes porque copia e adapta-se, “camaleonicamente”, aos arbustos pelos quais trepa para se dissimular. Ou como se movem sem ter músculos, através de sistemas hidráulicos de transporte de água e vapor.

Garantimos – nunca mais vai olhar para as suas plantas da mesma forma.

Venha ouvir Stefano Mancuso no VISÃO FEST Verde no dia 24 de outubro, ou acompanhe por streaming. Saiba tudo sobre o VISÃO FEST Verde aqui.

Saiba mais sobre o VISÃO FEST VERDE aqui.

Como assistir e quais as medidas de segurança.

A bp está a compensar as emissões de carbono deste evento. Saiba mais em bp.pt

Para saber mais

Adira ao evento no Facebook


Leia todos os conteúdos exclusivos da VISÃO no site. E experimente a nova app, mais completa, com podcasts, newsletters diárias, alertas noticiosos e muitos conteúdos só para assinantes

Tenha mais VISÃO

Assinar

Mais na Visão

Mundo

Confrontos na Esplanada das Mesquitas: Depois da violência, arregaçar as mangas, limpar e voltar a rezar

Depois dos ataques à mesquita Al-Aqsa, na segunda-feira, os devotos arregaçaram as mangas, limparam os escombros e voltaram a rezar

Mundo

Segundo atacante da escola russa de Kazan abatido pelas forças policiais

Um dos atiradores envolvidos no ataque numa escola de Kazan, Rússia, que fez pelo menos oito mortos, foi abatido, tendo outro sido detido pela polícia, referem as agências de notícias

Hackers | Hacking | Pirata informático Exame Informática
Mercados

Hackers pedem desculpa depois de ataque a oleoduto nos EUA. Não queriam criar problemas, dizem

O grupo de hackers que perpetrou um ataque de ransomware contra o oleoduto da Colonial Pipeline nos EUA pediu desculpa pelo caos provocado e reforça ter motivações monetárias e não políticas

Bolsa de Especialistas

Como escolher a cor certa para o interior da sua casa

Numa primeira opção e de uma forma transversal, há geralmente uma grande tendência em escolher o branco. No entanto, a minha opinião sobre esta cor não é assim tão favorável uma vez que se revela fria e sem personalidade. É a antítese de tudo o que um lar deve carregar

VISÃO DO DIA
Exclusivo

VISÃO DO DIA: Tristezas não pagam dívidas

Mundo

Exército israelita ataca 130 alvos do Hamas em Gaza e mata 15 pessoas

O Exército israelita disse hoje que conduziu 130 ataques contra alvos militares do Hamas na Faixa de Gaza, durante a madrugada, em resposta ao lançamento de foguetes, matando 15 membros de grupos armados palestinianos

Visão Saúde
VISÃO Saúde

A imunidade de grupo pode simplesmente não acontecer

Vista como uma luz ao fundo do túnel, a imunidade de grupo é um desejo mundial que pode não ser concretizado num futuro tão próximo, ou mesmo não chegar a verificar-se, defendem agora os especialistas. O termo poderá mesmo deixar de ser utilizado

Mundo

Covid-19: Manifesto assinado por Chico Buarque e artistas brasileiros pede destituição de Bolsonaro

Cerca de 2.500 artistas brasileiros, incluindo o cantor e escritor Chico Buarque e o ator Gregório Duvivier, lançaram na segunda-feira um manifesto pela destituição de Jair Bolsonaro da Presidência do Brasil, devido à gestão da pandemia

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Qual é a diferença entre as mortes de George Flyod e Ihor Homeniuk?

Um foi esganado com o joelho, e o outro levou pancada, durante dois longos dias, até morrer. Um praticou um homicídio, e os outros três apenas um resultado agravado. Sem palavras!

Apple óculos realidade aumentada Exame Informática
Mercados

Apple investe 45 milhões de dólares na fabricante de Gorilla Glass

A Corning vai receber mais 45 milhões de dólares vindos da empresa de Cupertino. Esta soma adiciona aos 450 milhões já investidos nos últimos quatro anos

Política

Luís Filipe Vieira: "Tenho outros negócios, tenho uma boa reforma. Vivo bem"

O presidente da Promovalor, Luís Filipe Vieira, assumiu hoje que vive bem, com uma "boa reforma" e outros negócios, tendo a sua conta sido reforçada recentemente com cerca de dois milhões de euros recebidos do fisco

Mundo

Covid-19: OMS classifica variante com origem na Índia como "variante de preocupação"

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a variante do coronavírus identificada na Índia como uma "variante de preocupação ou de interesse global", por ser mais contagiosa