Opinião

Esperança de renovação

Em entrevista recente a um jornal o novo presidente da Conferência Episcopal Portuguesa disse claramente ao que vinha, sem rodeios, o que alimenta alguma esperança de renovação no catolicismo português

José Brissos-Lino
Opinião

O pior é ninguém querer ouvir

“O pior ainda está para vir”, fez questão de sublinhar Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, mas sem conseguir que essa afirmação tivesse o impacto que se justificaria num momento destes. Há explicação para esse silêncio geral que se escutou no planeta perante um aviso tão sério: após meses de confinamento e de paragem, as atenções estão agora cada vez mais voltadas para o retomar das atividades económicas

Rui Tavares Guedes
Opinião

Princípios e valores, “mas”...

Há comentadores que entendem não haver hoje em Portugal uma oposição à altura e se entendem à altura de ser

José Carlos de Vasconcelos
Opinião

Os populistas já não andam sós

A Ordem dos Médicos quer afirmar que se a lei em causa for aprovada carece de legitimidade. Acontece que este ruído faz esquecer que a Assembleia da República representa os cidadãos e as cidadãs verdadeiramente, isto é, todos eles, na pluralidade das correntes políticas e sensibilidades existentes e tem competência reservada na matéria em causa. O lugar da legitimidade, quando falamos de morte assistida, chama-se Parlamento e mal estaríamos se uma ordem profissional, que recebe poderes delegados do Estado, o questionasse

Isabel Moreira
Opinião

Pandemia, psicologia social e política

Os governos que se comportem com cautela e bom senso têm vantagem, porque nunca poderão ser acusados de deixar as pessoas à sua sorte, mesmo quando a economia e o emprego se vão esfarelando. Os que optem por manobras de alto risco no campo da Saúde ou que desvalorizem e ignorem a pandemia pagarão, tarde ou cedo, uma fatura muito elevada

Manuel Delgado
Opinião

Planos, para que vos quero?

Sem pretender desvalorizar o papel do Estado e a importância de um plano de recuperação económica num momento tão crucial como o do pós- pandemia, sou daqueles que acredita que o melhor plano que poderemos dar aos empresários e agentes que criam riqueza, será o de posicionar Portugal, a 5 anos, como um dos 10 melhores destinos mundiais para o investimento internacional

António Pires de Lima
LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Vergonhas repetidas

É humilhante, como sempre foi, o anda, que não anda, da União Europeia, e os fabulosos milhares de milhões que ninguém sabe quando chegarão. Eventualmente, quando já ninguém der por isso. Porque já não serão necessários. Porque o país já estará em fase terminal.

Luís Delgado
Silêncio da fraude

A fraude, a Lei e o “efeito cobra”

Devemos crer na intenção do bem coletivo pelo legislador, da mesma forma que devemos expectar pelas consequências do interesse economicista individual

Raquel Brito
Em sincronização

Aprender a dançar esta dança

Vamos ter de nos habituar a viver assim: ao sabor do ritmo imposto pela evolução da Covid. E não é descabido pensar numa estratégia de desconfinamento que é diferente entre regiões, tendo em conta o risco de contágio e o valor de R0, que indica a taxa de reprodução da infeção, tal como acontece já, por exemplo, no país vizinho

Mafalda Anjos
Opinião

A religião e os outros

Os profissionais de saúde são dos sectores da população mais atingidos pela Covid-19 em todo o mundo, quer pelo perigo de infecção quer pelas consequências do stresse. Mas há formas de combater essa vulnerabilidade emocional

José Brissos-Lino
Opinião

Um momento refundador da UE?

Temos uma Alemanha a recuperar uma liderança positiva na Europa, em aparente redenção do egoísmo irracional austero da crise de 2008. Sem pretensões de se recandidatar, a Chanceler Angela Merkel, em fim de mandato no governo alemão e a braços com o crescimento da extrema-direita no seu país, tem avivado a memória histórica dos alemães e europeus sobre os perigos das crises económicas com graves repercussões sociais culminarem em extremismos políticos

Dina Sebastião
Férias escolares no outono impõem-se na Europa... mas em Portugal não!
Crónicas d.C.

Deseducação para a Cidadania

Portugal figura nos últimos lugares do índice europeu que mede a cidadania activa (Measuring Active Citizenship in Europe). Em suma, somos geralmente dos que menos participam, dos que menos se organizam e dos que menos querem saber. Dói, mas é verdade, pelo menos até deixarmos que seja

Henrique Costa Santos
Criança de nove anos vai ser julgada nos EUA por cinco homicídios em primeiro grau
Bolsa de Especialistas

Justiça: A razão de todos os males

A prevenção da criminalidade não se pode bastar, apenas, com a exigência de uma atuação eficiente e célere do sistema judiciário, exige todo um conjunto de medidas destinadas a reduzir ou a contribuir para a redução da criminalidade e dos sentimentos de insegurança dos cidadãos

Adão Carvalho
Opinião

O antirracismo é sério demais para ser entregue aos radicais

Sou dos que acreditam que Portugal tem um problema com o racismo. Julgo que qualquer pessoa de boa-fé pode constatar com facilidade que certas minorias étnicas estão absolutamente sub-representadas na política, na academia, na comunicação social, nas empresas

Pedro Norton
Opinião

COVID-19: Portugal no contexto europeu

A COVID deixa um rasto característico em cada um dos países, em múltiplas dimensões e em tempo, e é este ciclo que conta e que, seriamente, importa comparar

Manuel Delgado
Saramago: Nobel "doido por mulheres" em nova biografia
Opinião

Lembrar Saramago e os Deveres Humanos

Naquele dia 10 de dezembro de 1998, assinalavam-se também exatos cinquenta anos sobre a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e muito se comemorava a efeméride, mas José Saramago fez questão de sabiamente lembrar que "a atenção se cansa quando as circunstâncias lhe pedem que se ocupe de assuntos sérios"

Rui Couceiro
Silêncio da fraude

Do apoio excecional à família ao layoff simplificado

Qual a razão para que uma determinada entidade tivesse comunicado aos seus trabalhadores, que estavam em casa ao abrigo do regime de apoio excecional à família, a passagem para layoff simplificado?

Jorge Alves
Opinião

Estátuas não resolvem a desigualdade

Derrubar estátuas não resolve qualquer problema relacionado com o racismo e o crescimento das desigualdades, essa, sim, a causa maior dos protestos atuais. E a desigualdade não se resolve atingindo símbolos do passado com argumentos de hoje e que, no limite, poderão também ser modificados no futuro

Rui Tavares Guedes
Editorial

Racistas, nós?!

O tema do antirracismo não pode ser da esquerda nem da direita. Tal como a igualdade, este tema tem de ser de todos. E não, não pode bastar-nos não sermos racistas, temos de ser ativamente antirracistas

Mafalda Anjos
Opinião

Os derrubadores

Quem anda a vandalizar e derrubar as estátuas de mercadores de escravos, colonizadores e até de missionários, como o padre António Vieira, não é moralmente superior aqueles que diaboliza, pela simples razão de que muitos dos que se notabilizaram por práticas hoje condenadas eram legais à época, socialmente aceites e apoiadas

José Brissos-Lino
A escolha e o contexto
Crónicas d.C.

Padre António já se acabou, o São Pedro está-se a acabar

Não se trata de “apagar a história”, mas de a questionarmos. Continua a fazer sentido homenagear um traficante de escravos num jardim público, em 2020? Seja qual for a nossa opinião, esta é uma base de diálogo viável e honesta. É interessante pensar nisto. Na verdade, a interrogação é importante, remexendo a nossa relação com o passado no sentido de construir o presente

Henrique Costa Santos