Em sincronização
Exclusivo

Bem-vindos à luta pelos direitos no Sudoeste Alentejano

Há anos que se encolhe os ombros na esperança de que as estufas continuem a produzir e que eles lá se arranjem, mesmo quando, perante uma pandemia, as condições de salubridade fossem particularmente preocupantes, colocando em risco não apenas as suas vidas, mas também a saúde e a economia da região

Editorial

A cultura do cancelamento e os novos guetos sectários

Antigamente, era preciso coragem para se ser radical. Hoje, neste caldo em que cresce a intolerância, tornou-se um exercício de imensa coragem ser-se moderado

Em sincronização

Enriquecidos, justificai-vos!

O tema é sensível, e os equilíbrios são frágeis. Tal como no sigilo bancário e nos acessos aos dados pessoais, estas são matérias no fio da navalha da defesa das liberdades dos cidadãos. Mais vale ponderar e fazer uma boa lei do que legislar à pressa uma má lei

Editorial

O mercadejador de São Bento

É o Estado de direito a funcionar, estúpidos!, dirão alguns. Ao que os estúpidos, legitimamente também, responderão que então algo vai mal com o Estado de direito em Portugal

Em sincronização

Razão formal sem razão política

Sou, é verdade, por princípio, muito sensível a argumentos de princípio. Só me custa mais a entendê-los quando defendemos a primazia dos princípios às segundas, quartas e sextas mas às terças, quintas e aos fins de semana encontramos formas de os enfiar na gaveta

Editorial

Pequena apologia da empatia

A razão e a empatia, que tanta falta faz neste mundo polarizado, podem, e devem, andar de braços dados. E Rui Nabeiro é a prova viva disso

Em sincronização

A grande desilusão das vacinas

Está na hora de encarar o que é por demais evidente: a estratégia de vacinação europeia está a revelar-se um fracasso. Um falhanço só equivalente à forma tão calamitosa como a União Europeia geriu a crise das dívidas soberanas

Em sincronização

Um lobo cada vez mais solitário

A sintonia de Marcelo Rebelo de Sousa com o Governo já viu melhores dias. Ou António Costa prova o Presidente – um lobo cada vez mais solitário – não perdoará

Editorial

Governo planeia de menos e poupa de mais

O nosso forte sempre foi o improviso. Mas precisamos de planeamento e de gastar mais e melhor

Em sincronização

Ainda não deu para perceber que as reuniões do Infarmed não funcionam?

Estas reuniões não são mais do que uma espécie de conferência, onde todos vão apresentar os seus pontos de vista. São audições técnicas, mas servem apenas para deixar ideias soltas, pontos numa folha em branco. Para unir estes pontos e traçar um desenho coerente de resposta, o Governo fica sozinho. E isso não faz sentido algum

Editorial

Esta angústia que não nos larga

Olho à minha volta e vejo uma outra pandemia que toma proporções dramáticas: a da ansiedade e depressão. Silenciosa, cresce quase sem que se dê conta

Em sincronização

Chega, Senhora Bastonária?

É cada vez mais claro que Ana Rita Cavaco é uma bastonária com ambições políticas e qual é o território pelo qual alinha

Editorial

O pequeno e triste espetáculo da vacinação

Com ajudas destas, não tenhamos dúvidas de que este tema será, durante largos meses, território de demagogia e populismo. Com milhares de doses a serem ministradas, há milhares de oportunidades de pequena fraude e compadrio

Em sincronização

Ventura, a Maria da Avenida e a voz do desalento

Tenho também muitos amigos e conhecidos que votam no Chega. Pessoas que conheço há décadas, de classe média e alta, que tinham grandes sonhos, mas, na sua maioria, a quem a vida não correu pelo melhor. Muitas carregam consigo frustrações contidas. A maior parte são ex-eleitores do PSD e do CDS, todos com uma coisa em comum: um certo desalento e uma sensação de desilusão com os políticos e as elites em que nunca conseguiram realmente entrar

Editorial

Escolas, trilemas e falhanços

Quando as escolas reabriram em setembro, foi anunciado que tudo estava pronto para se regressar ao ensino à distância ou a um regime misto se necessário. Foi dito que seriam colmatadas as necessidades das famílias desfavorecidas, esforço este que, digo eu, as empresas de telecomunicações deviam solidariamente comparticipar. E o que foi feito até agora? Se não foi feito o suficiente para se poder agora fazer este recuo, é grave. Como são preocupantes os sinais de algum desnorteio do Governo e de falta de capacidade de antecipação e resposta

Em sincronização

Trumps e Frankensteins

Trump foi bloqueado do Twitter, Facebook e YouTube, e as suas contas e vídeos apagados, tal como foram retiradas das lojas de aplicações as redes alternativas como o Parler. O Presidente dos EUA é considerado capaz para deter os códigos nucleares, mas não para se comportar nas redes onde qualquer criança com 14 anos pode ter uma conta

Editorial

Ministros, responsabilidade e alienação

Estamos de acordo que nem sempre a demissão dos ministros é a melhor solução, se estes agirem como lhes é devido: atuando, sem delongas, sobre o problema de forma eficaz e responsável

Editorial

Vade retro 2020

2020, que preferíamos esquecer e riscar do calendário, foi em tudo o período mais memorável da História Contemporânea: o ano que nos matou, assustou, fechou em casa, acossou, empobreceu, desumanizou… o ano que o diabo amassou

Em sincronização

O Espírito dos Natais Futuros

Não devia competir ao Governo decidir como podemos passar as nossas festas de família, e a que riscos devemos, cada um de nós, estar sujeitos. Não é preciso ser médico ou epidemiologista para perceber que a situação está ainda muito complexa, basta olhar para os gráficos e relatórios diários. Não é só em Portugal, é em toda a Europa

Editorial

Assim se vê o conservadorismo do PC

Tudo no PCP se rege por mecânicas rígidas, ordens pré-definidas, procedimentos e ideias de base quase imutáveis. O mundo gira e o tempo passa, mas não pelo PCP

No reino do “entãoeaquilismo”
Editorial

A democracia vai autodestruir-se em 3, 2...

Se olharmos para a democracia como um grande ecossistema natural que se autorregula, podemos tentar acreditar que, depois de as pessoas provarem a água e não gostarem, o bem, a decência e a civilidade acabarão sempre por vencer. O problema é que os humanos são peritos a destruir ecossistemas antes considerados indestrutíveis