Sociedade

PGR não foi informada das vigilâncias a jornalistas

Nem Joana Marques Vidal nem Lucília Gago estavam a par das diligências movidas contra jornalistas no âmbito do processo por violação do segredo de Justiça no caso E-Toupeira. A antiga PGR não foi avisada de nada e a atual PGR apenas foi informada previamente das operações que visavam elementos da Polícia Judiciária.

Nova PGR: Um Mercedes a diesel chamado Lucília
Sociedade

Ministério Público viola a lei e manda transcrever para processo mensagens telefónicas de jornalista da VISÃO

É um ataque sem precedentes à liberdade de imprensa e ao direito de reserva das fontes. No âmbito de um processo por violação do segredo de justiça, e quando Joana Marques Vidal ainda era PGR, o DIAP de Lisboa montou operações de vigilância a jornalistas, devassou as suas contas bancárias e mandou transcrever sms trocados entre estes e supostas fontes de informação. Tudo isto sem sequer autorização de um juiz.

PJ afastada das investigações à invasão da Academia de Alcochete
Desporto

PJ afastada das investigações à invasão da Academia de Alcochete

A direção da Judiciária "não compreendeu" a incriminação de terrorismo gizada pela procuradora-geral distrital de Lisboa, Maria José Morgado, e pela procuradora Cândida Vilar, titular do processo. Mas a procuradora-geral da República, Lucília Gago, autorizou aquela estratégia acusatória e Maria José Morgado colocou de lado a PJ - que tem a competência exclusiva na investigação de crimes de terrorismo

J. Plácido Júnior
Nova PGR: Um Mercedes a diesel chamado Lucília
Editorial

O País é maior do que aquele que vemos

É positivo e salutar que o nome escolhido para PGR não seja, por si só, fator de clivagens

Rui Tavares Guedes
Nova PGR: Um Mercedes a diesel chamado Lucília
Política

Lucília Gago é a nova procuradora-geral da República

O Presidente da República aceitou a indicação do primeiro-ministro. Nova PGR entra em funções no dia 12 de outubro. António Costa defende "mandato único e longo". Passos Coelho fala em "falta de decência"

Procuradora do caso dos Comandos processada por arguido
Sociedade

Procuradora do caso dos Comandos processada por arguido

O tenente-coronel Mário Maia, diretor da "Prova Zero" na sequência da qual morreram dois instruendos, visa processualmente Cândida Vilar onde e como pode, tentando anular a acusação e a pronúncia para julgamento. Até agora, só conseguiu que a magistrada fosse alvo de uma "advertência"

J. Plácido Júnior