Opinião

Os 5 grandes mitos natalícios da língua portuguesa

Água mole em pedra dura tanto bate até que fura. É ao ritmo desta bem conhecida expressão popular que a Língua Portuguesa cresce a olhos vistos! Há muitas palavras que, ao longo do tempo, vão sofrendo alterações fonéticas, gráficas e até semânticas. Neste artigo, A especialista em Linguística Sandra Duarte Tavares aborda 5 palavras que têm sofrido algum tipo de transformação e se tornaram, por isso, verdadeiros mitos na época natalícia

Bolsa de Especialistas

Quatro dicas preciosas para ser claro quando comunica

Há oradores que falam, falam e dizem pouco ou então usam palavras tão difíceis e um discurso tão opaco, que a mensagem não passa da primeira fila. Há também e-mails que mais parecem enigmas da Agatha Christie, com frases longas, parêntesis intermináveis, parágrafos que são autênticos labirintos. Para descomplicar, as dicas da especialista em Linguística Sandra Duarte Tavares

90 por cento das línguas vão-se extinguir no próximo século
Sociedade

90 por cento das línguas vão-se extinguir no próximo século

Hoje em dia existem mais de 6 mil línguas faladas a nível global, mas menos de 600 deverão manter-se até 2115

"Resignar", uma falsa questão Jornal de Letras
Jornal de letras

"Resignar", uma falsa questão

A questão foi levantada por alguns leitores. Nós esclarecemos. "Resignar", utilizado na aceção de demissão ou renúncia, é inequivocamente correto, não se tratando de um anglicismo. Não existe sequer qualquer polémica a nível de linguística, uma vez que todos os dicionários de referência de língua portuguesa, do século XIX até à atualidade, estão de acordo. Em nenhum dicionário de referência, de ontem e de hoje, o verbo transitivo 'Resignar' é descrito como anglicismo ou estrangeirismo. A palavra é portuguesa de pleno direito há vários séculos e o facto de em inglês existir uma palavra semelhante não deve ser impeditivo de a utilizarmos