Flor de Sal

Não viver cansa

O mundo tem de abrir, nós temos de saltar. Os abraços virão quando puder ser. Mas a voz, a presença, o olhar, nada disso é igual num encontro de Zoom ou numa chamada de FaceTime. Nada se compara à energia vital da proximidade física

Margarida Rebelo Pinto
Mapeador de Ilhas

A imortal quarentena

A angústia fica-lhe bem, é uma marca de distinção dos mais lúcidos, uma ruga na alma dos condenados a sentir a existência como uma doença

Mia Couto
Crónicas

Acreditar

O meu maior embaraço ocorria sempre no fim dos concertos . Todos cantavam o “Avante” com o punho fechado bem erguido. Por coerência, eu que não era comunista, permanecia calada e de braços ao lado do corpo. Uma memória da neuropediatra Teresa Temudo

Teresa Temudo
Flor de Sal

O Quarto Pastorinho

André Ventura não é louco, é muito esperto e profundamente manipulador. Esta semana, Margarida Rebelo Pinto não fala de amor e relações, mas de comportamento e de bom senso

Margarida Rebelo Pinto
Autobiografia Não Autorizada

O abismo

Há uns anos cruzei-me com o Professor Eduardo Lourenço nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian. Estava um belo dia, eu sentia-me bem. Como está, Senhor Professor?, cumprimentei-o animada, uma fiada de árvores atrás de nós a compor o cenário do prazeroso encontro. Ele esperou uns segundos para me responder com outra pergunta, Como acha que se sente um homem que fita o abismo que o levará?

Dulce Maria Cardoso
Crónicas

53 Dias

Do dia 12 em diante, fiquei em casa. Faz hoje 53 dias; 53 dias preso a uma existência rotineira que em quase nada foge àquela que já era a minha, nos dias sem compromissos com concertos e afins

Miguel Araújo
Paralelo 38

Os homens não se medem aos palmos

Fica o tributo necessário e a memória de quem parte. Fica a emigração, a viagem e o luto. Fica mais um embalo no berço da açorianidade

João Gago da Câmara
Crónicas d.C.

A desinformação matou o gato

Em Portugal, ainda o vírus vinha no adro, já circulavam áudios do cunhado de um primo de uma amiga que, reza a lenda, trabalhava no Hospital Santa Maria, ou no Hospital de Santo António, tanto faz, e que tinha verdades inconvenientes para revelar

Henrique Costa Santos
Flor de Sal

Tudo aquilo que a pandemia nos tirou

A pandemia roubou margem aos intervalos da vida, aqueles durante os quais nos dávamos ao luxo de desligar de tudo para ir ao cinema ou namorar às escondidas. Agora somos todos soldados de um exército que se vai armando o melhor que sabe, uns mais conscientes do que outros

Margarida Rebelo Pinto
Nem Tudo É Ficção

O amor mascarado

As ruas de Lisboa, agora desertas, limpas e desafogadas, pareciam mais largas. A cidade inteira resplandecia, lavada e escovada, sob um doce sol de primavera. À porta da padaria encontrou uma fila de umas dez pessoas, a rigorosos dois metros de distância umas das outras, todas equipadas com máscaras e luvas. À frente dele postava-se uma mulher elegante. Pedro costumava vê-la ali

José Eduardo Agualusa
Have a Nice World

Uma máscara para os surdos

Em vez de ficar aprisionada no tempo, suspensa na ansiedade do confinamento (como se a ansiedade se pudesse descontinuar carregando no botão “pausa” no filme da vida), Ashley Lawrence pôs-se em campo. Fez da sua casa o umbigo do mundo, do seu mundo, e começou a costurar

Ana Rita Ramos
Crónicas

Quarentena IV

Aos quarenta e tal dias fui-me abaixo e percebi que o disco novo, que fiz com tanto esforço, grávida ou com um recém--nascido no colo, já não será novo daqui a um ano

Capicua
Boca do Inferno

Efeitos secundários da covid

As pessoas que não são afectadas pelo brutal aumento do desemprego, pelas falências em massa e pela recessão económica, agradecem muito à covid estes tempos de reclusão, que têm sido tão bons para intensificar o contacto com a família, meditar no sentido da vida e alinhar os chacras

Ricardo Araújo Pereira
Crónicas d.C.

O essencial é visível aos olhos

O que aconteceu nos últimos meses é demasiado visível e importante para ser esquecido: há novos meios para equilibrar trabalho e qualidade de vida, há trabalhos fundamentais que merecem respeito e recompensação urgente. Vem aí uma tempestade, já se sabe, mas observar e aprender é o mínimo ao nosso alcance

Henrique Costa Santos
Autobiografia Não Autorizada

Isto que nos une

Nunca me senti tão próxima dos outros. O mundo era enorme, incontáveis os humanos e eu existia perdida dos que vivem no outro lado do planeta ou mesmo no meu país, na minha cidade, no meu bairro, na minha rua, na minha casa. Afinal é tão simples ligarmo-nos

Dulce Maria Cardoso
Crónicas

Praia, poemas, etc.

As praias selvagens com vegetação virgem por trás oprimem-me a alma. Gosto mais de praias com pombas do que praias com gaivotas. Prefiro praia de cidade e a Praia de Gondarém é a melhor praia do mundo

Miguel Araújo
Boca do Inferno

A nacionalidade do coronavírus

Nutro profunda admiração por quem tem espírito científico, e mais ainda por todos aqueles em quem o espírito científico surge associado a uma vocação para controlador aduaneiro. Conhecer o vírus do ponto de vista científico é importante, mas dar uma vista de olhos no seu passaporte também dá jeito

Ricardo Araújo Pereira
Flor de Sal

A minha mulher não deixa

Há famílias que estão mais unidas que nunca, antigas amizades foram que recuperadas, enquanto em outros lares e ambientes só não foram consumados mais homicídios por falta de planeamento

Margarida Rebelo Pinto
Silêncio da fraude

Rendimento Básico Incondicional: O tempo é agora

O principal impacto desta (e de outras) crises surge não por motivos superficiais e de curto prazo, mas sim devido às deficiências estruturais que os nossos atuais paradigmas de organização social e económica apresentam. É necessário mudar as regras do jogo

Pedro Moura
Have a Nice World

Paraisópolis, a favela que parece um paraíso

Se a vida já era difícil antes de o novo coronavírus desembarcar em terras brasileiras, agora com a pandemia e sem uma política governamental organizada para combater o vírus, a comunidade de Paraisópolis sentiu-se ameaçada. Mais uma sombra entre as muitas que pairam por ali

Ana Rita Ramos
Paralelo 38

Abril do lado norte da ilha

Quem não gosta de Abril? Os que discordam do autoritarismo desajeitado de Ferro Rodrigues, que impôs uma comemoração dando um mau exemplo aos que vivem há semanas entre quatro paredes?

João Gago da Câmara