Nem Tudo É Ficção

O exílio do senhor Palácios

Ivete lembrava-se dele quando ainda eram sete pessoas em casa, toda a gente falando ao mesmo tempo durante as refeições, e aquele silêncio sólido crescendo como uma nuvem negra à cabeceira da mesa

José Eduardo Agualusa
Jornal de Letras
Ideias (JL)

Esperar como um Rocky Balboa

Patrícia Portela
Crónicas

Conselhos sensatos

Grande parte dessas sábias entidades cheias de boas práticas a disseminar não tem sequer filhos, ou então é de uma casta de mulheres--Bree-van-de-Camp

Capicua
Autobiografia Não Autorizada

Longos anos têm catorze dias

Mudara-me para a casa da minha mãe depois de ela me ter confessado envergonhada que não se sentia capaz de continuar a viver sozinha, Tenho medo do vírus, ouço as informações que passam na televisão, há muita coisa que não entendo, tu sabes o que temos de fazer para não apanharmos o vírus? Sei, mãe, respondi, não te preocupes. Como se veio a provar, menti-lhe. Mas que importância tem a verdade nas coisas do amor?

Dulce Maria Cardoso
Crónicas

Os braços engessados do Sérgio Mendes

O Jobim padecia de nostalgia. Se a natureza chegou ao ponto de permitir que o macaco nu, na sua marcha inexorável de progresso, lhe meta as patas peludas nas moléculas mais ínfimas, ela lá saberá

Miguel Araújo
Boca do Inferno

Ética para totós

Manifestar no Twitter o desejo de que Trump morra é vudu cibernético. Tenho a forte suspeita de que é inútil exprimir esse desejo – e, também por isso, igualmente inútil proibir que ele seja expresso

Ricardo Araújo Pereira
Boca do Inferno

Como perder um debate de snack-bar

– Esta malta, pá, só quer é mamar. Percebi imediatamente que o senhor queria encetar um debate de snack-bar: a referência àquele grupo proverbial, designado por “esta malta”, e à sua qualidade de mamífero, não deixava dúvidas

Ricardo Araújo Pereira
Autobiografia Não Autorizada

O sol quando se põe não é para todos

Antigamente era obrigada a abordá-los na rua, Sabe dizer-me, por favor, como faço para ir para…, adivinhando--lhes o desdém ou a complacência no sorriso que me dispensavam, atarantava-me ao decorar o emaranhado de indicações cheio de esquerdas e direitas em que invariavelmente me perdia

Dulce Maria Cardoso
Crónicas

Rosa Irene 2 (fim)

A camioneta despejou os indesejados viajantes em Champigny-sur--Marne, uma aldeia em lata. Compensava. No apeadeiro estava a tia Olga Irene, num automóvel que serviria como portal mágico de acesso à Paris dos livros do tio Ernesto

Miguel Araújo
Nem Tudo É Ficção

A menina que colecionava espantos

Desde bebé que Kalumba-Tubia conversa com vaga--lumes. Na verdade, com todo o tipo de animais, mas especialmente com aqueles capazes de voar. No início, os pais riam-se muito ao ouvi-la dialogar com os pássaros, os besouros e as borboletas. Depois, começaram a ficar preocupados. Um psicólogo tranquilizou-os: “Não há nada de errado com a menina. Conversar com os animais é uma forma que ela encontrou de estabelecer vínculos com o mundo que a rodeia”

José Eduardo Agualusa
Crónicas

Realidade virtual

Poderão a música ao vivo, o desporto no estádio, o turismo como o conhecemos competir com a realidade virtual?Só por pouco tempo

Capicua
Boca do Inferno

Uma visão estratégica sobre a visão estratégica

Não é exactamente uma carta ao Pai Natal, na medida em que nós não revelamos como nos portámos bem este ano, mas sim como nos vamos portar bem nos próximos dez. Nessa medida, talvez seja mais parecido com uma carta a uma tia rica a quem pedimos dinheiro porque tivemos uma ideia infalível para um negócio

Ricardo Araújo Pereira
Autobiografia Não Autorizada

Setembro, setembro, setembro

Se um ano fosse um dia, setembro seria o seu fim de tarde. Dou-me bem com fins de tarde

Dulce Maria Cardoso
Boca do Inferno

O covidioma

Neste momento, cada um de nós é um escanção de álcool-gel

Ricardo Araújo Pereira
Mapeador de Ilhas

A outra

Ntavase esperou que a mãe saísse para buscar água e suplicou por clemência: o homem que a engravidara era de fora. Começou por prometer. E acabou por ameaçar. Para o homem aquilo foi um momento. Para ela foi um tormento sem fim

Mia Couto
Crónicas

Controlo

Chegar ao aeroporto com antecedência tornou-se ainda mais importante para quem não tem malas a despachar, porque mesmo saltando a fila do check-in, há que estar na fila do controlo de segurança, disposto a mostrar as entranhas da sua mala

Capicua
Boca do Inferno

Porn Hubanco

O melhor é publicar a auditoria num dos jornais económicos e as pessoas fazerem como antigamente: vão à banca, compram o jornal, dobram, e depois compram uma publicação respeitável, como a revista Hustler, e escondem o jornal discretamente lá dentro. A seguir, já em casa, o contribuinte certifica--se de que não há crianças por perto e lê a auditoria, desdobrando as páginas centrais, onde vem o buraco financeiro. E depois agarra-se à caneta e passa o cheque

Ricardo Araújo Pereira
Autobiografia Não Autorizada

No andar de cima

O sr. Adérito ressonava no quarto grande. Bebemos o chá, comemos pastéis, dali a pouco rimo-nos e tornámo-nos três mulheres a fumar e a confidenciar segredos numa noite de temporal

Dulce Maria Cardoso
Crónicas

Novelo

Os dias foram-se comendo a eles próprios e agora o tempo é o mesmo só que mais gordo, como eu

Miguel Araújo
Crónicas d.C.

Já chegámos aos Açores?

O acórdão do Tribunal de Ponta Delgada deixa bem claro que, do ponto de vista jurídico, encerrar pessoas num quarto de hotel não é diferente de as fechar numa cadeia. No mesmo acórdão lê-se inclusive que um preso “tem mais conforto, melhores condições, sem dúvida, maior liberdade de circulação” do que os turistas confinados neste regime. Ou seja, antes ser preso

Henrique Costa Santos
Nem Tudo É Ficção

Meu amigo Waldemar

Nunca se calou. Nunca se deixou comprar, nem pelo regime, nem pela principal força da oposição. Ao mesmo tempo, foi apoiando sempre todas as iniciativas visando a pacificação e a democratização do país. Marchei ao lado dele, em manifestações que não reuniam mais de quinze almas inconformadas, e noutras, muito mais raras, entre centenas de pessoas

José Eduardo Agualusa