As casas da revolta em Pedrógão Grande 7: Ainda ontem estava em França...
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 7: Ainda ontem estava em França...

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
As casas da revolta em Pedrógão Grande 6: Sair da casa da mãe
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 6: Sair da casa da mãe

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
As casas da revolta em Pedrógão Grande 5: A doação da Travessa dos Lopes
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 5: A doação da Travessa dos Lopes

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
As casas da revolta em Pedrógão Grande 4: O milagre de Vila Facaia
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 4: O milagre de Vila Facaia

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
As casas da revolta em Pedrógão Grande 3: Um casal, duas moradas
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 3: Um casal, duas moradas

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
As casas da revolta em Pedrógão Grande 2: O caso de Campelos
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 2: O caso de Campelos

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
Quem são os quatro arguidos no processo sobre a reconstrução de Pedrógão?
Política

As casas da revolta em Pedrógão Grande 1: O truque da alteração das moradas fiscais

A alteração das moradas fiscais em datas posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017 foi o truque utilizado para que casas não permanentes, devolutas ou que, até, nem tenham ardido fossem tratadas como primeiras habitações e as respetivas reconstruções beneficiassem dos donativos dos portugueses. Conheça os casos denunciados em primeira mão pela investigação da VISÃO

Octávio Lousada Oliveira
Já há quatro arguidos no caso dos apoios à resconstrução de casas em Pedrógão Grande
Política

Donativos para Pedrógão Grande: 500 mil euros desviados para obras que não eram urgentes

Cresce a revolta popular: os esquemas para fintar os regulamentos, com alterações das moradas fiscais posteriores aos incêndios de 17 de junho de 2017, fizeram com que reconstruções de casas que não eram prioritárias fossem tratadas como tal. A CCDR Centro admite que podem ter sido recuperadas habitações que nem tenham ardido, embora o Governo garanta que não recebeu denúncias de irregularidades

Octávio Lousada Oliveira Diana Tinoco