Igualmente desiguais

Odemira: não há pior cego do que aquele que não quer ver

Odemira não é, nem nunca foi, um caso único. Odemira não é, nem nunca foi, um caso desconhecido. A exploração laboral de imigrantes não é exclusiva do setor agrícola, nem mesmo do setor primário. Odemira foi o abcesso que rebentou, é tudo!

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Filhos de um Deus menor

De entre todas as problemáticas associadas aos fluxos migratórios e a posterior integração dos imigrantes nos países de acolhimento, a situação dos menores não acompanhados (ou falsamente acompanhados) é a mais preocupante

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Menores em fuga

Um miúdo, que conheceu por acaso devido à sua profissão e por breves minutos, veio ao seu encontro desesperado. Trata-se dum menor do Kuwait, à guarda do Estado Português e que fugiu da instituição onde estava. Depois de ter dormido ao relento e cheio de fome, foi esperá-la à porta do trabalho e pediu ajuda

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Cruel jogo de crianças

Ainda ninguém inventou uma vacina contra a estupidez do racismo e da xenofobia

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Votar: A integração completa

Não há grande informação sobre a forma de recenseamento ou os requisitos para o fazer. Resultado: temos um potencial eleitorado que fica de fora desta participação local

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Cabo Delgado: ver o filme ao contrário

O que se passa em Cabo Delgado não tem muito que ver com radicalismo islâmico. Esse é o argumento, a desculpa. O que se passa é uma luta pelo poder duma terra rica em matérias primas nobres. Os senhores da guerra não nascem de debaixo das pedras! São criados, apoiados, defendidos às vezes por governos ditos democráticos

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Passaporte Covid: Sim, não, assim-assim...

Contra ventos, marés e tempestades, continuo a considerar que a solidariedade é o que nos distingue dos animais (e se estes são solidários entre si!). Ora, um “passaporte” é, por definição, um documento de viagem e, como tal, olhando mais de perto a proposta, não se me afigura assim tão boa, porque é totalmente discriminatória para os cidadãos de países onde a vacina não existe

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

SNS: Um serviço ao nosso serviço

Há uma faixa de cidadãos que tem sido um pouco esquecida e que me parece ser hora de olhar com um mais atenção: trata-se dos sem-abrigo e dos imigrantes que ainda se encontram em situação irregular, muitos deles por culpa da Administração

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Limpar a História, conspurcar o presente

Mais do que os brasões da Praça do Império ou derrubar o Monumento aos Descobrimentos, deveria preocupar-nos muito mais os indícios atuais de xenofobia e intolerância que surgem um pouco por todo o lado

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Radicalização "Made in Portugal"

Portugal é a minha “terra” como é do Sr. Ventura, como é de Mamadou, da Joacine , do Igor, do Mohammad ou outro qualquer que tenha decidido pedir a nacionalidade portuguesa e esta lhe tenha sido concedida

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Médicos imigrantes em Portugal: o esbanjar de uma mais-valia preciosa

A decisão política foi optar pela ajuda de profissionais europeus e não se socorrer dos (muitos) médicos e enfermeiros que se encontram em Portugal como imigrantes sem possibilidade de exercerem

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Os vírus do nosso desassossego

Qual a percentagem de RSI que é concedida à comunidade cigana? Que propostas de inclusão têm esses senhores para estes portugueses (porque SÃO portugueses)? Em quanto montam as contribuições dos imigrantes para os cofres do Estado?

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Onde falhou, onde falha, a democracia?

A grande questão é esta: a democracia, os grandes partidos, deixaram de saber ler os sinais e sobretudo tornaram-se surdos relativamente ao que o povo precisa e quer

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Uma palavra para definir 2020? Náusea, a náusea versão 2020

Vejam-se os números de infetados com o bacilo da tuberculose, doença praticamente erradicada na Europa, em países como o Senegal, Moçambique e até alguns países do Leste não-União Europeia. E continuamos a olhar para os nossos ecrãns encherem-se de “picadas”, de números e estatísticas que, francamente, já enjoam

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Postais de Natal: Carta a Oksana Homeniuk, viúva de Ihor

O que lhe peço, Oksana, é que faça dos seus filhos um homem e uma mulher bons, de coração aberto, mesmo que com mágoa. Que os ajude a que não guardem rancor contra todo um povo

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Manuel Lourenço, o irmão anónimo de Eduardo Lourenço

O Ti Manuel da Amália era irmão deste grande pensador cuja perda Portugal agora chora. E, tal como o seu célebre irmão, também ele era um homem de uma cultura fora de série, sobretudo se tivermos em conta que toda a vida viveu naquela terra infértil de barrancos, que é a raia da Beira Alta

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Este vírus não é para velhos (e este País também não)

Quem tem alguma experiência em fluxos de mobilidade, apercebe-se que, entre alguns povos ou etnias, sobretudo em situações de perigo eminente, é impensável deixar para trás os mais fracos e os mais idosos

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

As pessoas primeiro (ou de como, neste País, um cão vale mais do que um homem)

O que me faz espécie é que se faça (e bem!) tanto alarido em torno de 70 animais que morrem e que se cale este facto vergonhoso dum homem que é morto em cirscunstâncias que fazem lembrar as práticas do Estado Novo de má memória

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

Rótulos, anátemas e ódios

Os ataques à França não podem nem devem ficar impunes, no que respeita a quem os levou a cabo. Nenhum de nós, são de espírito, pode deixar de os condenar, mas a forma como os mesmos foram noticiados é perigosa porque rotula, aumenta o fosso entre etnias, fomenta estereótipos

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

O silêncio dos inocentes – o mercado do tráfico de órgãos

Há crianças, sobretudo as desacompanhadas, as que ninguém reclamará, que são retalhadas até à morte para “abastecer” este mercado

Manuela Niza Ribeiro
Igualmente desiguais

O novo pacto europeu para a migração e asilo é um copo que está a meio

Uma palavra de congratulação para a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que teve a coragem de encarar o grave problema da pressão migratória sobre a Europa, de forma sistemática e coerente

Manuela Niza Ribeiro