Sá Carneiro e Salazar entram numa sala

Para quem gosta de ver a democracia a funcionar, o fim de semana passado foi memorável. Teve de tudo: lutas renhidas, guerras intestinas, surpresas, assombro.

No PSD, as eleições diretas de sábado mostraram que não há favas contadas quando os militantes vão a votos: bem se pode ter o aparelho e os barões consigo, como tinha Paulo Rangel, que de nada vale se as bases estiverem voltadas para o outro lado, de olhos postos no poder a acenar ali adiante. O outro lado aqui era Rui Rio, o homem que, após quatro anos de liderança fraca e errática, foi agora bafejado por dois fatores essenciais: 1. O timing de ter as eleições legislativas à porta, para as quais um novo líder teria mais dificuldade de posicionar-se 2. As sondagens, quando, por enorme ironia do destino, o político que mais vociferou contra elas em Portugal sai beneficiado de pelo menos duas que o davam como favorito na corrida a primeiro-ministro, tanto entre os eleitores gerais como entre os simpatizantes do PSD.

Um Rio seco de afluentes, que é como quem diz de apoios das estruturas e do aparelho, lá seguiu viagem no seu caudal, com a ajuda dos pingos da chuva. Não sabemos de que lhe servirão estas gotas de água na hora de se defrontar com os rivais, de ambos os lados, a 30 de janeiro, mas o líder do PSD sai galvanizado e com novo élan. Aliás, como o próprio disse, é “picado” que ele funciona melhor, e nós nunca o vimos tão ativo. A estratégia, essa é que não muda: quer uma “nova maioria sem linhas vermelhas”, assente no diálogo “à esquerda ou à direita”. Ao centro admite viabilizar um governo do PS e fazer um acordo a dois anos, e à direita apenas recusa claramente uma coligação com o Chega. Outras paredes intransponíveis ou cercas higiénicas, sublinhe-se, não as colocou. É que há muitas maneiras de se estabelecer acordos de incidência parlamentar e entendimentos sem um acordo formal, em que um governo é constituído por ministros de vários partidos. Rui Rio, o homem que ficará para a História da democracia portuguesa como aquele que trouxe a extrema-direita radical para entendimentos de governação (nos Açores), nem depois de traído, como o foi, disse até agora que não volta a repetir o namoro. Soma, pois, ao erro estratégico inicial a incapacidade de aprender com os erros.

Do lado do Chega, o IV Congresso teve o que é costume: o espetáculo de um partido de um só homem, o apelo ao nacionalismo, conservadorismo e autoritarismo, além do disparo em todas as direções, mas sobretudo na do PSD. E, neste feroz tiro ao boneco laranja de Rui Rio, como se não bastasse André Ventura já lhe roubar o eleitorado, ainda lhe rouba a figura fundadora do partido. Pobre do democrata Sá Carneiro é sempre chamado à baila: diz Ventura que “nunca se vendeu ao socialismo nem à extrema-esquerda” e que ele “estaria hoje orgulhoso” do Chega. Usada a palavra de Sá Carneiro em vão, soma-se a tirada da figura de Salazar, para aquecer os ânimos: vivas a “Deus, Pátria e família”, aos quais somou o “trabalho”. “Isso não é ser fascista, é ser português de bem”, esclareceu.

Para o reforçado Rui Rio, tudo isto pode ser mais um, o enésimo, sinal de alarme face ao perigo que o ameaça à sua direita e que o aconselha a uma recusa absoluta de quaisquer acordos, entendimentos ou conversas com o Chega. Imagine-se juntar, hoje, numa sala, o ditador bafiento Salazar com Sá Carneiro, a consciência crítica, o liberal, o humanista do PSD, para se conciliarem em matérias essenciais. Há pontos de contacto impossíveis quando os interlocutores são de outros planetas. E é por isso que a linha vermelha PSD-Chega tem de estar claramente demarcada. Trata-se de estratégia eleitoral, mas, sobretudo, de princípios ideológicos e de valores fundamentais.

Palavras-chave:

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Mais na Visão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Macro-estudo aponta vírus da “doença do beijo” como principal causa da esclerose múltipla

Ao analisarem os dados de 10 milhões de militares americanos, recolhidos ao longo de vinte anos, investigadores de Harvard descobriram que o vírus da mononucleose infecciosa tinha aumentado 32 vezes as hipóteses de virem a sofrer de esclerose múltipla. Será a explicação que faltava?

Legislativas 2022

António Costa já votou

O secretário-geral do PS e primeiro-ministro exerceu hoje o seu direito, por antecipação, no Porto, na companhia de Rui Moreira. Veja as imagens

Legislativas 2022

“Fascista” e “extremista”? Ventura prefere as ofensas a que todos gostem dele

Porto deu momento alto de campanha eleitoral ao Chega e o líder garante: “Em terceiro estamos [nas sondagens] e em terceiro vamos ficar”

Sociedade
Exclusivo

Quando os ingleses nos viciaram na bola

Nasceu no coração de Lisboa há mais de 160 anos, fundado pela comunidade britânica. É o Lisbon Sports Club, o mais antigo da capital, ligado aos primórdios do atletismo, do râguebi, do ténis, do golfe e do futebol em Portugal, com a realeza a assistir. E venceu o Benfica, em 1906, no jogo de estreia de Cosme Damião na equipa principal

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Conseguiu perder peso? Estes são os truques para, agora, o manter

Quem conseguiu emagrecer e não quer voltar a engordar tem de manter certas regras de rotina. A nutricionista Teresa Pinto Gonçalves explica tudo

Mundo

Casas feitas de garrafas recicladas para deslocados de guerra em Moçambique

Valisse Alficha fugiu duas vezes do conflito entre as forças governamentais e o braço armado da Renamo, primeiro em 2016, sob comando de Afonso Dhlakama, e depois em 2019, dirigido por Mariano Nhongo, tendo saído apenas com a roupa do corpo

Se7e
VISÃO sete

“O Bom Patrão”, com Javier Bardem: Uma comédia ácida sobre o mundo do trabalho

Uma comédia espanhola, com Javier Bardem, que reflete sobre os princípios e limites das relações laborais. "O Bom Patrão" está nas salas de cinema

Se7e
VISÃO sete

"A Vida Extraordinária de Louis Wain": O filme biográfico sobre o homem que desenhava gatos

Chega ao cinema a história de Louis Wain, com Benedict Cumberbatch no papel do excêntrico artista britânico, célebre pelo original mundo felino que criou

Se7e
VISÃO sete

Três vinhos do Alentejo, Dão e Trás-os-Montes: Vá pelo seu gosto!

Um grande vinho tinto alentejano, outro tinto do Dão, jovem e informal, e um branco transmontano confiável. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

Legislativas 2022

Legislativas: Mais de 315 mil eleitores podem votar hoje em mobilidade

Mais de 315 mil eleitores que se inscreveram para votar antecipadamente para as legislativas podem fazer hoje as suas escolhas, com as autoridades de saúde a recomendar cuidados como usar máscara cirúrgica e usar a própria caneta

Legislativas 2022

Legislativas: "Contas certas" da CDU são com o povo e não são as mesmas de Costa - João Oliveira

O dirigente comunista João Oliveira defendeu hoje que o país "não está condenado à política do vira o disco e toca ao mesmo" e que a CDU também é "pelas com certas", mas com a população

Sociedade
Exclusivo

A droga do riso que está a preocupar as autoridades

O óxido nitroso, apelidado de “droga do riso”, está a deixar os jovens em alvoroço e é uma tendência que preocupa as autoridades. No entanto, em Portugal como no resto da Europa, a canábis continua a ser a substância ilícita mais consumida pelos mais novos. E os “charros” estão cada vez mais fortes