COVIDiário

A toda a velocidade, alegremente, contra um icebergue

Vamos num Titanic, mas é como se nada fosse. Está tudo a assobiar para o lado. E o governo tem sido a orquestra de violinos

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Trumps e Frankensteins

Trump foi bloqueado do Twitter, Facebook e YouTube, e as suas contas e vídeos apagados, tal como foram retiradas das lojas de aplicações as redes alternativas como o Parler. O Presidente dos EUA é considerado capaz para deter os códigos nucleares, mas não para se comportar nas redes onde qualquer criança com 14 anos pode ter uma conta

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Para enviado de Deus, André Ventura não serve

Um verdadeiro católico não pode rever-se no pregador Ventura, em confronto permanente com o que foram os ensinamentos de Cristo e o que a Igreja Católica e o Papa Francisco hoje defendem

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Rui Rio diz que atitude do FC Porto é lamentável
Em sincronização

Rui Rio, as ironias falhadas e o sentido de estado de um bulldozer

O Twitter de Rui Rio é uma montra da ironia falhada – um repositório de embaraços

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

O Espírito dos Natais Futuros

Não devia competir ao Governo decidir como podemos passar as nossas festas de família, e a que riscos devemos, cada um de nós, estar sujeitos. Não é preciso ser médico ou epidemiologista para perceber que a situação está ainda muito complexa, basta olhar para os gráficos e relatórios diários. Não é só em Portugal, é em toda a Europa

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
COVIDiário

Ah, políticos como nós. Que refrescante!

Os comentários acerca das lágrimas de Marta Temido mostram um equívoco enorme acerca da massa de que deve ser feito um líder e o mesmo machismo persistente em relação a mulheres em cargos de direção

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Bye Trump. E adeus a tudo o que Trump inspira, autoriza e legitima

Não é só por Trump padecer de um transtorno de personalidade narcísica evidente, além de ser incendiário, divisionista, mentiroso, irresponsável, populista, racista e machista. Não é só por tudo isto, que já seria muito. É pelo exemplo

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

O nosso maior inimigo? A fadiga da pandemia

Há quem peça um regresso a todo o custo à nossa vida normal, porque economia está nas lonas. Há quem apanique porque vê uma pandemia imparável, exija a declaração imediata de um estado de emergência e de um confinamento geral. Normalmente, como em tanta coisa na vida, é no meio que está a virtude

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Haja paciên...sanidade!

O País enfrenta uma pandemia sem fim à vista, uma crise económica devastadora, e desafios sociais e políticos inéditos. Temos uma boia de salvação da Europa – os fundos de recuperação – que só conseguimos agarrar devidamente se por cá nos entendermos

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Descer às trincheiras com André Ventura e Ana Gomes

André quer deitar abaixo o Estado de direito em nome do povo que o Estado de direito visa proteger e construir um Estado totalitarista, Ana arrasta o Estado de direito pela lama quando, porventura carregada de boas intenções, qual milícia popular, compra guerras e dispara em todas as direções

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

O sentido de missão não dura para sempre

Em tempos de pandemia, os médicos são ainda mais fundamentais. Hostilizá-los nesta fase não trará nada de bom, e António Costa sabe-o bem. Vem ao de cima o pior do corporativismo e começa-se a perder o pé à discussão. Instala-se o desconforto e esvai-se o sentido de missão

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

No money for the boys

São 58 mil milhões de euros para injetar na economia. É dinheiro que se veja – esbanjá-lo é fácil, investi-lo bem é que exige visão e estratégia

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Máscaras, tribos e karma

Bolsonaro confirmou ter Covid-19. Por enquanto apenas com sintomas ligeiros. Boris Johnson, que no início também desvalorizou o perigo, já recebeu a sua lição e esteve internado. Não sou de desejar o mal alheio, mas aprecio quando se prova do próprio veneno. Chamem-lhe justiça divina, universal ou karma

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Aprender a dançar esta dança

Vamos ter de nos habituar a viver assim: ao sabor do ritmo imposto pela evolução da Covid. E não é descabido pensar numa estratégia de desconfinamento que é diferente entre regiões, tendo em conta o risco de contágio e o valor de R0, que indica a taxa de reprodução da infeção, tal como acontece já, por exemplo, no país vizinho

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Editorial

Racistas, nós?!

O tema do antirracismo não pode ser da esquerda nem da direita. Tal como a igualdade, este tema tem de ser de todos. E não, não pode bastar-nos não sermos racistas, temos de ser ativamente antirracistas

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Editorial

Vamos então falar de independência

Os nossos princípios, como felizmente os de tantos outros jornalistas em Portugal, são inalienáveis. E não aceitamos lições de independência de ninguém

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Editorial

Porque não podemos ignorar o Chega e André Ventura

Vetar estes fenómenos a uma espécie de clandestinidade, mantendo-os num gueto e empurrando-os a uma espécie de submundo, é a pior coisa que deve ser feita

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

Nas mãos da Alemanha

Este é o momento da verdade para a Europa. Joga-se avançar ou morrer. É urgente reforçar a união e, como está bom de ver, resolver também as tensões em torno do mandato do BCE, o que implica uma emenda dos tratados de forma a não ser preciso interpretações criativas da lei. Sem esse salto adiante, o projeto europeu falhará

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
COVIDiário

Entrada na anormalidade

Devíamos abolir do léxico a expressão “regresso à normalidade”. É bom que ponhamos na cabeça que o nosso velho normal já não existe, nem vai regressar tão cedo

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

E agora, Mutti Merkel?

O que é fundamental agora é um corajoso plano económico e financeiro integrado, que não acontecerá sem uma mutualização da dívida europeia. Chamem-lhe eurobonds, coronabonds, salvationbonds, frogbonds (como o sapo que alguns países vão ter de engolir) – o que quiserem. Mas avancem

Mafalda Anjos Mafalda Anjos
Em sincronização

O déjà vu da desunião europeia

Parece tudo um triste déjà vu, uma repetição da resposta à crise da dívida de 2009 que quase deitou abaixo o euro

Mafalda Anjos Mafalda Anjos