Em sincronização
Exclusivo

O engodo dos benefícios líquidos

A guerra até pode trazer bons números numa folha de Excel, mas não beneficia nenhuma organização social. Causa traumas profundos, cria ansiedades, faz aumentar divisões internas e agravar tensões latentes

Mafalda Anjos
Exclusivo
Mafalda Anjos
Em sincronização

O que fazer com a Hungria?

Com pezinhos de lã, foi montando uma autocracia cada vez menos soft. É assim, caro leitor, que morrem as democracias... O que nos importa isto, pensarão alguns. Importa muito para todos os europeus. Ele está no meio de nós. E a Guerra da Ucrânia veio escancarar um problema que vem de trás: o que fazer com um autocrata dentro das fronteiras da União Europeia?

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Seis más abordagens à guerra

Uma coisa é certa – tem de ser certa: há agressores e vítimas nesta e noutras histórias e não podemos confundi-los

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Os “maus” não podem ganhar

Do lado do Ocidente, será o momento da verdade. Temos de manter a racionalidade, mas não podemos ceder perante uma ameaça global. Como dizia Applebaum, se não travarmos “os maus” lá fora, eles em breve virão confrontar-nos nas nossas fronteiras. E “os maus” não podem ganhar

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Isto está tudo ligado

Acontecimentos imprevisíveis, transtornantes e difíceis de explicar e entender são terreno fértil para explicações alternativas que imaginam uma super-conspiração

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Enorme Zelensky, o herói improvável que se agigantou

São os momentos de grande stress que mostram de que fibra é feito um grande líder. Zelensky, carregado de força, determinação e coragem, mostrou como se faz

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Roleta-russa e facciosismos

Tudo em Putin é imprevisível e potencialmente irremediável, o seu jogo é a roleta-russa. Será preciso nervos de aço para acompanhar o desenrolar da situação que pode ficar-se “apenas” por sanções internacionais, descambar num conflito armado sério na Europa ou escalar para uma guerra mundial. Isto envolvendo um país carregado de arsenal nuclear – que fez questão de exibir nos últimos dias

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

O dia em que António Costa ficou com a faca, o queijo e o prato na mão

Cabe agora a Marcelo Rebelo de Sousa fazer aquilo que o próprio António Costa assegurou que o Presidente da República faria: fiscalizar a atuação do governo e refrear um primeiro-ministro absoluto, evitando que se torne absolutista

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Agora escolha

Rui Rio chuta para adiante e promete o que for possível, logo se vê quando, depois de meter a economia a crescer não se sabe bem como. Já António Costa não é bom em campanha e abundaram os erros e os tiros nos pés

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Ecogeringonça, libergeringonça ou centrogeringonça?

Geringonçar será o verbo de 2022. Resta saber com que peças da engrenagem vão conseguir juntar-se, encaixar e formar qualquer coisa que se mova adiante

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

A IL e a idade adulta

As dores de crescimento do partido mostram-se sobretudo na definição do que é o liberalismo e que conceitos e posições cabem lá dentro

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Pedro Oliveira, o "techie" de coração enorme

Hoje partiu Pedro Oliveira, um dos nossos. Um dos melhores e mais bondosos

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Sá Carneiro e Salazar entram numa sala

Há pontos de contacto impossíveis quando os interlocutores são de outros planetas. E é por isso que a linha vermelha PSD-Chega tem de estar claramente demarcada

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização
Exclusivo

Um banho de realidade e o País que queremos ser

Veja-se aquela que foi vendida como a principal bandeira do OE2022: o desdobramento dos escalões do IRS em Portugal e uma descida nas taxas do imposto para a classe média, que representa, afinal, uma poupança de 150 milhões de euros para as famílias. Falamos de 6% do orçamento da Defesa, de menos de um décimo do que o Governo vai injetar na CP para colmatar a dívida ou sete vezes menos do que gastámos na TAP este ano, para distribuir por 1,5 milhões de famílias. Melhor do que nada, é certo, mas são trocos. Microscópicos, quase irrelevantes, servem apenas o propósito do marketing

Mafalda Anjos
Exclusivo
Mafalda Anjos
Em sincronização
Exclusivo

Vitórias, derrotas, perfume e bafio

Ao centro-direita, as eleições sabem a vitória, cheiram a vitória, mas vêm, para quem estiver atento, com um travozinho agridoce. Não é hora, pelo menos para já, de se falar de uma mudança galvanizadora nacional

Mafalda Anjos
Exclusivo
Mafalda Anjos
Em sincronização

2299 votos a mais e “feelings” certeiros. Aqui está ele, Manuel Acácio. Mas, e agora?

Nenhuma sondagem previu a vitória de Carlos Moedas, mas ela aí está, "contra tudo e contra todos". Mas se os lisboetas querem mudança, com uma maioria de esquerda ela pode não ser fácil de conseguir

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

E agora, o que fazer com os "chalupas"?

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

As atuais regras de isolamento profilático são puro nonsense

A regra dos 14 dias de isolamento para contactos próximos, mesmo para pessoas vacinadas, mantém-se inalterada desde o início da pandemia. Apesar de médicos de saúde pública e peritos entenderem que não faz sentido. Um caso prático

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

O canto da sereia do teletrabalho

Agora que grande parte da população está inoculada, e chegando à marca indicativa dos 85% da população vacinada em setembro, esta será a questão premente nas relações laborais no último trimestre: manter ou não o teletrabalho daqui em diante? E, se sim, em que moldes?

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Os penduras

Há pelo menos quatro tipos de penduras: negacionistas, cobardes, alternativos e inconsequentes. Em comum, todos têm a incivilidade e o egoísmo de apenas olharem para o cotão do seu umbigo

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos
Em sincronização

Movimento Zero: Quem guarda o guarda?

Nunca foi tão legítima a pergunta, perante a ameaça que fenómenos como o Movimento Zero colocam ao sistema que é suposto protegerem. Estes grupos estão a destruir os fundamentos da democracia. Perante a passividade e conivência de todos os colegas

Mafalda Anjos
Mafalda Anjos