Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Viver sem certezas

Alguns serão tentados a acrescentar que poucas pessoas no mundo têm o direito de se colocar no lugar de fala dos paraquedistas sem paraquedas

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Uma desculpa para sonhar

“Suspeito de que haja mais coisas no céu e na Terra do que sonha qualquer filosofia. Esta é a razão por que não defendo nenhuma filosofia e também a minha desculpa para sonhar”

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Três fábulas para os dias de calor

David puxou de uma faca, Abdel fez o mesmo, e logo se golpearam mortalmente um ao outro. O bode e a cabra acompanharam o drama de longe

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Um anarquista africano em Lisboa

“Se Luanda é um esquisse apressado de Lisboa, a capital portuguesa me pareceu uma caricatura grosseira de Paris. Os portugueses imitam os franceses em tudo”

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Silêncio: homens anoitecendo

Acho uma boa história, confessei. Certamente falsa, mas boa. O antigo guerrilheiro respondeu com uma gargalhada

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Nunca em Samarcanda

“Fui pessoa por distração”, pensou Zack, vendo os pássaros pulando de galho em galho. Preferia ter sido ave. Doíam-lhe nas costas as asas que não tivera

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

A pedra do refúgio

Verdade seja dita que, quase sempre, quem quer que ganhe fica parecendo um pouco melhor do que o inimigo derrotado

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Tranças novas

Os jantares no amplo terraço, à luz de velas, das estrelas e do luar, eram um programa romântico, que atraia casais em início de namoro ou no último e desesperado estertor de uma relação conturbada

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

O eco

Juvenal negou-se a fazer-lhe um aborto. Sugeriu-lhe, ao invés, que levasse a gravidez até ao fim e lhe entregasse o bebé

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Lúcia voltou para o mar

O psicólogo sentiu inveja da paciente. Lúcia queria ser mar. E, ele, o que queria ser? “Chame-a à realidade”, pedira--lhe Marina, a filha de Lúcia. “A realidade está muito sobrevalorizada”, retorquira Pedro, num tom de brincadeira. Nem ele estava a brincar nem Marina achara graça:– A minha mãe nunca conseguiu superar a morte do meu avô – murmurou. – Tenho receio do que possa fazer. Ultimamente diz que ouve vozes. As coisas falam com ela. – Que coisas?– Coisas que não têm boca: nuvens, morros, inclusive cores. Está completamente maluca.“Ela é mais lúcida do que todos nós”, pensou Pedro

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

As cadeiras

Terminou dessa forma um casamento de mais de quarenta anos. O senhor Alberto Catuiti mudou-se, com duas malas tristes, para a Pensão Estrela, do outro lado da rua. Antes, exigiu que o dono da pensão mandasse retirar do seu quarto todas as cadeiras. O ódio dele às cadeiras vai ao ponto de só se sentar em bancos

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

O vampiro de Berlim

O estúdio era um espaço apertado, com as paredes e o teto cobertos de garrafas, ampolas e outros recipientes de vidro, tudo isto iluminado por uma luz vermelha, quente e pesada, como a das antigas câmaras escuras

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Morrer de rir

Hoje, sabemos que a polícia ou o exército deveriam ter isolado a escola. Como não o fizeram, as meninas regressaram às suas casas, rindo, rindo, rindo, e contagiando no percurso muitos outros adolescentes e até alguns adultos. A epidemia saltou de Kashasha, espalhando-se rapidamente pelas aldeias e cidades mais próximas

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

As musas do poeta

Sentou-se à sombra duma figueira-da-índia, que havia no quintal, a escrever o seu Parnaso. Dali podia ver Bárbara que, depois de matar a galinha, torcendo-lhe o pescoço, estava agora ocupada em escaldá-la para melhor a depenar. Fazia tudo isso com infinita graça e leveza, como se bailasse

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

A cegueira dos rios

Estivera com ele horas antes do acidente, numa manifestação contra os imigrantes. Passaram duas horas bem passadas, gritando vivas a Portugal e morras aos ciganos, aos pretos e aos paneleiros. Depois que o povo dispersou, foram para uma tasca comer caracóis

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Os fantasmas do major Lussaty

Mesmo num país formado na corrupção, e conformado com ela, o Caso Lussaty espantava. O até então obscuro major, diretor financeiro da banda militar da Casa da Presidência, fora apanhado pela polícia com malas cheias de milhões de dólares

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

O Artivista

Um artivista é um ativista que usa a arte como forma de protesto, certo? Ainda é um artista. Acontece que o senhor denuncia a falta de arte na arte conceptual, fazendo arte conceptual, ou seja, na sua lógica, não fazendo arte. Afinal, o senhor é um artista ou um vigarista?

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Organizo chuvas para os funerais

Riu-se, um riso macio, que lhe sacudiu alegremente as mamas gordas. Contou então que para o funeral do velho Firmino, o marido andara preparando durante três dias uma garoa fina, mas o que acabara ocorrendo fora uma chuva de gafanhotos, grandes como lagostas, que devoraram em poucos minutos tudo o que havia de verde na vila, incluindo os cabelos postiços da jovem viúva do falecido

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção
Exclusivo

Cândido e salima

Grandes estórias de amor implicam sempre trágicos e dolorosos confrontos e desencontros, a subversão de regras e sistemas de pensamento. Raramente terminam bem. Esta termina. Sobretudo porque continua: à primeira filha, Cândido e Salima deram o nome da rainha portuguesa, Amélia. A partir dessa altura, em todas as gerações da família, passou a existir uma Amélia

José Eduardo Agualusa
Exclusivo
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção

Ulisses voltou para casa

Ulisses abriu o livro, a medo, e começou a ler. Quando era menino, o pai lia para ele. O pai, sentado na cama, lendo para ele, é a melhor lembrança que tem. Não apenas a melhor lembrança do pai. A melhor lembrança de toda a sua vida

José Eduardo Agualusa
José Eduardo Agualusa
Nem Tudo É Ficção

O aroma das mangas

Sento-me num banco, diante do de Malan. Abro um livro, começo a ler um romance cubano e, seja pelo romance, que me leva para um outro mundo, muito diverso do meu, seja por estar tão próximo do antigo traficante, sinto que o tempo se expande e se dilui, como sal na água. A vida de Malan é um grande ruído acontecendo sem ruído, como os rios que correm sob a superfície da Lua. Antes de exercitar-se na arte de expandir o tempo, Malan correu atrás dele

José Eduardo Agualusa
José Eduardo Agualusa